Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    O Poderoso Chefão 3
    Média
    4,6
    1042 notas e 48 críticas
    distribuição de 48 críticas por nota
    24 críticas
    12 críticas
    5 críticas
    5 críticas
    0 crítica
    2 críticas
    Você assistiu O Poderoso Chefão 3 ?

    48 críticas do leitor

    Anderson  G.
    Anderson G.

    Segui-los 138 seguidores Ler as 256 críticas deles

    4,5
    Enviada em 12 de setembro de 2016
    O enceramento do que é possivelmente a maior trilogia do cinema, encerramento esse que não é extremamente digno, mas convence, “Poderoso Chefão, parte III” é um ótimo filme, mas a parte I E II são geniais, emblemáticos e únicas, por isso a comparação fica difícil e injusta, mas com um roteiro inferior aos antigos mas regular para bom, ótima fotografia e trilha sonora única, esse filme tem todas as características dos anteriores, talvez o ponto aqui seja a atuação, no primeiro temos Al Pacino e Marlon Brando no auge, no segundo tempos Al Pacino e Robert De Niro no auge, agora no terceiro, temos apenas Al Pacino(já um pouco inferior daqueles dos anos 70), sem falar que Sofia Coppola e principalmente Andy Garcia não convencem, os melhores momentos do filmes são os flashbacks dos filmes anteriores, como a ótima cena de seu filhos cantando a musica que faz Michael lembrar de seus tempos na Sicília, sem falar no final que é meio fraco, e nas motivações que em determinados momentos são bobas, a película perde aquela veracidade dos anteriores, mas “Poderoso Chefão, Parte III”, é um bom filme, toca em pontos importantes da corrupção na igreja, a inversão de valores e o monopólio criminoso das grandes organizações, além de tratar da decadência da “Família” e o falecimento do do crime organizado nos moldes clássicos, ele tenta passar uma lição agua com açúcar que o crime não compensa. O filme não merece ser tão criticado, e embora seja o mais fraco da trilogia, tem seus méritos e merece nosso respeito.
    Vanderclif B.
    Vanderclif B.

    Segui-los Ler a crítica deles

    3,0
    Enviada em 5 de janeiro de 2013
    Cilene S., respondendo sua pergunta, o Nic(h)olas (G)age, que aparece nos créditos, não é o ator reconhecidamente famoso de vários filmes que conhecemos , e sim um produtor executivo, se notar bem, o nome do ator é Nicolas Cage (sem H e com a letra C iniciando o sobrenome) já o do produtor executivo que aparece nos créditos finais, é Nicholas Gage, com H e G iniciando o sobrenome, são distintos entendeu?! Mas se serve de consolo (pois vejo que vc é fã do Nicolas ator, ele é sobrinho do Diretor Francis Ford Copola, e chegou a fazer testes para o papel da personagem "Vicent Mancini", porém sem sucesso, pois perdeu o papel para o talentoso 'Andy Garcia'. Aliás não só ele concorreu a esse papel, essa personagem foi disputada por outros atores de grande peso, como: Alec Baldwin, Matt Dillon, Wal Kilmer, Charlie Sheen e outros mais. Sobre o Andy Garcia, assista 'Coisas para fazer em Denver quando se está Morto' . Sobre o filme, pecou um pouco em relação aos anteriores, como já foi dito por alguns aqui, porém muito bem amarrado, um belíssimo filme, com destaque para as atuações impecáveis de Al Pacino e Eli Wallach (Don Altobello). O que dizer da cena final, sensibilidade à flor da pele entremeada com a violência iminente. Ponto alto da película.
    Antonio R
    Antonio R

    Segui-los 7 seguidores Ler as 51 críticas deles

    5,0
    Enviada em 28 de janeiro de 2013
    O último filme que conclui a saga dos Corleone não chega atingir o mesmo alto nível dos dois primeiros, mas ainda assim é muito bom e podemos afirmar que fecha a trilogia com chave de ouro. Al Pacino e Diane Keaton mais uma vez estão ótimos. Andy Garcia como o futuro sucessor da família também está bem e Bridget Fonda numa pequena participação merece destaque. Quem compromete mesmo o resultado final é Sofia Coppola numa participação desastrada, tendo recebido até o Framboesa de Ouro como a pior atriz do ano.
    Macaco Louco
    Macaco Louco

    Segui-los 3 seguidores Ler as 43 críticas deles

    4,5
    Enviada em 12 de fevereiro de 2016
    Encerrando a saga de O Poderoso Chefão, o estúdio Paramount queria botar um desfecho ainda mais dramático. Desde que assumiu o taco do primeiro longa, Francis Ford Coppola foi visto com desconfiança, mas, com suas idéias, se consagrou e a Paramount deu a ele carta branca para filmas a sequencia. Depois de filmar as duas partes de O Poderoso Chefão e Apocalypse Now, Coppola enfrentou sucessivos fracassos de bilheteria e a falência de seu estúdio Zoetrope. Quase 20 anos depois, o estúdio lhe ofereceu US$ 6 milhões e liberdade total de criação, inclusive escalar sua filha Sofia para um dos papéis principais, seu irmão Carmine para compor a trilha sonora e seu sobrinho Nicholas Cage para a produção. O filme se passa em 1979, em Nova York, quando Michael Corleone (Al Pacino) é condecorado por ordem do Vaticano. Como em todas as películas, o início é introduzido por festas. O patriarca tenta legalizar os negócios da família ao se associar a uma empresa ligada à igreja católica. Enquanto seu sobrinho Vincent Mancini (Andy Garcia) pede para trabalhar, mesmo enfrentando os inimigos, como Joe Zaza (Joe Mantegna); numa das cenas antológicas, Vincent morde a orelha de Joe. Nas palavras de Garcia: "Fiquei tão entusiasmado que arranquei até um pedaço do cabelo". Todos esses tropeços são compensados pela meia hora final, na ópera, quando adquira ares de tragédia. O filme se tornou uma reflexão de Michael. No primeiro filme, ele era a ovelha negra da família que, mais tarde, assumiria os negócios dados por Don Vito. Agora o terceiro, Michael busca redenção por seus pecados. Logo após a estréia, O Poderoso Chefão 3 deu inúmeras dores-de-cabeça à Coppola. A crítica não perdoou a atuação (fraquíssima) de Sofia Coppola, e o filme estourou no orçamento (em torno de US$ 55 milhões). Algumas curiosidades merecem ser mencionadas: antes de escalar Sofia, Winona Ryder foi cogitada para o papel de Mary, mas desistiu. se no primeiro linga a Paramount teve de aceitar Al Pacino, o mesmo estúdio sugeriu Andy Garcia, apesar dos protestos do diretor. Palavras de Andy: "Acho que Francis não sabia quem eu era". Mesmo com todos os problemas que enfrentou, Coppola se mostrou realizado. "Quando reunimos todo mundo para a terceira parte, teve um sabor especial. Éramos uma família". E defendeu a atuação da filha: "Por que não colocar minha filha no filme? Assim terei uma lembrança". O Poderoso Chefão 3 é ótimo. Embora inferior aos dois primeiros longas, merece status de clássico.
    Gabriel M.
    Gabriel M.

    Segui-los 3 seguidores Ler as 3 críticas deles

    5,0
    Enviada em 1 de junho de 2013
    Eu tenho o costume de sempre ler algo sobre o filme antes de assisti-lo. Quatro anos atrás, alguns meses após assistir O Poderoso Chefão 2, fui pesquisar sobre o terceiro. Eu estava com as expectativas lá em cima, mas, após ler algumas opiniões sobre o filme, minha vontade de assisti-lo foi diminuindo, diminuindo, até que congelou. Muitas vezes, durante esses 4 anos, pensei em assisti-lo, mas sempre me recordava do que li e, com medo de me decepcionar, recuava. Hoje, após 4 anos de espera e indecisão, tomei coragem e apertei o Play. O que vi me fez perceber que demorei tempo demais para assistir a conclusão perfeita de uma trilogia perfeita. Dizem que este filme está abaixo de seus dois antecessores. Eu concordo. Realmente, a parte 1 e a parte 2 são melhores que a parte 3. Mas isso não é nenhum demérito. Se equipar a primeira parte da trilogia dos Corleone, apenas a parte 2 conseguiu, e a parte 3 chegou bem perto. O que significa que este filme está EXTREMAMENTE acima da média. Um filme perfeito, cujos únicos pontos fracos são a falta de personagens clássicos da série, como, por exemplo, Tom Hagen, e uma atuação não péssima, mas abaixo do esperado, de uma Sofia Coppola um tanto quanto desajeitada. O esquema do filme segue o mesmo de seus antecessores, começando com um grande evento, e terminando em uma grande reviravolta, com o segundo ato costurando perfeitamente a trama. Nos aproximamos muito de Michael Corleone nesta película. Possui ainda, uma das melhores cenas da trilogia para mim, que é a Confissão de Michael. Poucas cenas me tocaram tanto quanto esta. Filme nota 9,9.
    Jean C.
    Jean C.

    Segui-los Ler as 8 críticas deles

    4,5
    Enviada em 26 de agosto de 2017
    Não é que o terceiro filme da trilogia não seja bom, ele simplesmente não chega a ser um clássico como os dois primeiros, mas é um excelente filme e fecha a saga mostrando um Michael Corleone ressacado e cheio de culpas. Se nos dois primeiros filmes aprendemos a vislumbrar a vida dos grandes homens neste terceiro temos a sensação de que eles talvez nem fossem tão grandes assim.
    Murillo M.
    Murillo M.

    Segui-los 12 seguidores Ler as 2 críticas deles

    4,5
    Enviada em 21 de janeiro de 2014
    Na minha opinião foi o melhor de todos.... Agente sente na pele as aflições de Michael Corleone buscando sua redenção, me identifiquei com várias situações... o filme aborda coisas atuais, tais como, investimento imobiliário, filantropia. A situação do sobrinho com a filha de Corleone deu uma ótima apimentada no filme... enfim, meu predileto, por ser mais contemporâneo!
    Gabriel Moura - GM
    Gabriel Moura - GM

    Segui-los Ler as 13 críticas deles

    3,0
    Enviada em 7 de junho de 2013
    Finaliza a trilogia com um bom enredo. É um filme muito bom, porém não é perfeito como os seus antecessores. Mas no cenário dos filmes de máfia e do cinema no geral, podemos colocá-lo como um dos grandes filmes sim, por que não? Andy Garcia ainda em início de carreira com toda certeza rouba a cena, assim como Al Pacino nos dois primeiros longas da série em seus primórdios como ator.
    Matheus S.
    Matheus S.

    Segui-los 11 seguidores Ler as 62 críticas deles

    5,0
    Enviada em 14 de janeiro de 2013
    Depois de Apocalipse Now muitos acharam que o Francis Ford Coppola não era capaz de dirigir obras-primas como antigamente. Mas então ele trouxe à tona a continuação da história clássica da família Corleone em O Poderoso Chefão 3. Para muitos esse filme nem se compara aos anteriores em termos artísticos; pode até ser que em alguns quesitos os filmes anteriores se saiam melhor, mas mesmo assim esse filme continua sendo ótimo. A direção do Francis está igual a dos velhos tempos, sem tirar nem por. O roteiro continuou muito bem estruturado e homicida. As atuações estão, como sempre, espetaculares, mas a Sofia Coppola... Bem, ela é a Sofia Copolla! Eu realmente não entendi porque ela ganhou o Framboesa de Ouro de pior atriz coadjuvante, sendo que ela nem se sai tão mal; é óbvio que ela não está perfeita, mas também não está desprezível. Talvez o único ponto em que O Poderoso Chefão 3 se saia melhor que os anteriores é a diversão. Os dois filmes anteriores eram extremamente maçantes, mas com algumas cenas de ação bem interessantes. Mas nesse filme as cenas de ação estão ainda mais emocionantes, decido principalmente as boas produções e aos efeitos especiais mais bem produzidos. Para muitos esse filme não se compara aos dois primeiros da série, mas qualquer bom cinéfilo vai adorar esse filme, tanto por suas proporções artísticas quase épicas como por seu nível emocional grandioso.
    Mauricio C.
    Mauricio C.

    Segui-los 1 seguidor Ler as 49 críticas deles

    0,5
    Enviada em 17 de janeiro de 2017
    Como considerar dar uma boa avaliação para uma continuação que nem se quer representa a franquia godfather
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema
    Back to Top