Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    A Doce Vida
    Média
    4,1
    61 notas e 15 críticas
    distribuição de 15 críticas por nota
    7 críticas
    6 críticas
    0 crítica
    1 crítica
    0 crítica
    1 crítica
    Você assistiu A Doce Vida ?

    15 críticas do leitor

    Rafael V
    Rafael V

    Segui-los 202 seguidores Ler as 210 críticas deles

    2,5
    Enviada em 9 de fevereiro de 2012
    A doce vida:      Um filme esplêndido! Com ótima atuação, como sempre, de Mastroainni! A vida cultural da Itália naquela época é passada a limpo pela ótica desproporcional de um jornalista (Marcelo), como escreveu Tathianna, em sua crítica, a vida realmente é louca e não tão doce assim; o título do filme deve ser uma "tirada irônica" de Fellini para definir o que seja a vida que nós levamos, independente da época e do lugar em que vivemos. Fellini mostra a vida de forma amargurada, mas também, paradoxalmente, alegre. O termo que até hoje usamos "paparazzo" surgiu nesse filme e foi um neologismo criado por Fellini. Figurinos impecáveis! Inesquecível filme! Nota: 10.
    Carlos
    Carlos

    Segui-los 28 seguidores Ler as 117 críticas deles

    5,0
    Enviada em 9 de fevereiro de 2012
    ...Um dos melhores filmes de Fellini, o homem que fazia cinema de verdade. Narra estórias de um jornalista (Mastroianni) abalado em sua carreira profissional. Estava cansado do sensacionalismo e invasão doentia de privacidade que os jornais obrigavam os repórteres a terem da vida íntima das pessoas. E ele sabia disso..queria uma carreira artística no meio literário. E também enfrentava crise amorosa com sua namorada. Ela queria um relacionamento monogâmico e dominador, quase maternal. E ele não queria rédeas para o amor, era livre e queria voar por terras desconhecidas nessa área. Com fotografia incrível, que só a Europa pode proporcionar com sua arquitetura histórica, o filme conta em uma trama bem densa as aventuras desse homem na noite de Roma, ou nos relacionamentos de amizade ou da profissão...uma busca incessante para se conhecer, essa é a batalha travada pelo personagem central. Longametragem grandioso e poético, não pode ficar de fora do conhecimento dos verdadeiros amantes da arte. O filme é pura paixão pela vida.
    Ísis O.
    Ísis O.

    Segui-los 2 seguidores Ler as 3 críticas deles

    4,0
    Enviada em 17 de outubro de 2016
    Pelo amor de Deus AdoroCinema, bota pra fazer a sinopse alguém que viu o filme todo e saiba escrever sobre ele! Vi as 3h de filme sem cortes e não achei esse menage a trois que ele inventou na situação do casal que alugou o quarto da prostituta, que ficou do lado de fora! Fora que excluiu 80℅ da história do filme, que vai muito além do tapa que Sylvia levou do namorado. Um clássico descrito dessa forma é heresia..
    Nino G.
    Nino G.

    Segui-los 1 seguidor Ler as 26 críticas deles

    4,5
    Enviada em 30 de junho de 2017
    Fellini consegue reunir em "La Doce Vita" um feito impecável. Sugere paralelamente e através da fábula, uma trajetória do jornalista Marcello Rubini que une e constrói a estória ao mesmo tempo, não apresenta e nem pretende ser uma narrativa concisa. Um filme estruturado na perspectiva de um cronista da vida, com reflexões, críticas e comentários elaborados através de uma linguagem poética, onde Fellini sabiamente utiliza do simbolismo, e apresenta claras referências ao expressionismo alemão e o cinema “noir”. Nos créditos que iniciam essa obra realizada em 1960, já merece atenção o grupo responsável pelo roteiro, além do próprio Federico Fellini que dirigiu e co-roteirizou “La Dolce Vita”, figuram nomes expressivos na construção e expressividade da cinematografia italiana, tais como: Ennio Flaiano, Tullio Pinelli, Brunello Rondi e Pier Paolo Pasolini. Contado com um grupo tão diversificado de roteiristas que também eram pensadores, críticos, diretores, filósofos, professores e jornalistas, fica mais perceptível a opção de dividir o filme em prólogo, sete episódios com subdivisões e um epílogo. Ainda assim, contamos com um todo, isso é, todas as divisões e subdivisões se consolidam em um todo homogêneo e ainda que separadas conscientes e necessárias para a construção dessa crítica social, repleta de metáforas e simbologias para um futuro local (Roma), mas que é microcosmos de uma situação global, de um esvaziamento de nossas vidas, onde agimos mais como marionetes moldadas pelas influências de grande potências, em especial a norte-americana, e por instituições (religião, sociedade, política, família, educação…) que, ao mesmo tempo, sugam a doçura original da vida e ditam uma forma artificialmente adocicada, que deixam um sabor amargo no modo de viver. Ao acompanharmos durante sete dias e noites a trajetória de Marcello Rubini (interpretado pelo excelente Marcello Mastroianni), um jornalista do mundo das celebridades que vive em Roma e que auto-questiona o seu ofício e sua vida, principalmente por não ter a sensação de felicidade, nem tão pouco de realização, quem ambos (vida e profissão), projetavam ou prometiam. Assim temos um protagonista que é movido basicamente pelo vazio e a busca em preenchê-lo, além disso, sua busca é atravessada pelo contato com diversas pessoas, que basicamente só expressam a mesma sensação de Marcello, e quando temos uma figura aparentemente de vida preenchida, logo, podemos visualizar a fachada dessa aparência, como na vida do milionário, pai e intelectual Steiner (Alain Cuny), uma figura à primeira vista invejável, mas que intimamente vive sob o desespero e angústias de não conseguir destacar-se, produzir e manter-se na posição e no nível que desperta tanta admiração. Entre a cena inicial da película, um helicóptero que transporta a imagem de Cristo, sobrevoando a cidade de Roma até o seu destino que é o Vaticano, e que durante o trajeto temos Marcello tentando se comunicar e conquistar algumas moças que estavam tomando sol na cobertura de uma residência. A tentativa de comunicação é metaforicamente debilitada, não só pelo barulho do helicóptero, porém, por diversas condições e situações que refletem na incomunicabilidade da vida moderna. E esse caráter de não-comunicação, é algo presente e consequentemente característico à “La Dolce Vita”. Posso citar um outro exemplo marcante desse aspecto, a relação entre Marcello e milionária Maddalena (Anouk Aimée), com todas as diferenças de classe social e de estilos de vida, essas duas figuras se complementam no vazio e na busca de entender e preencher essas lacunas, porém, ao mesmo tempo, que se assemelham pelo traço da sensação de vazio, se individualizam de tal forma, que não se ouvem, não são capazes de perceberem as semelhanças de necessidades, e acabam tendo um para o outro, como objeto temporário para divertimento e utilização pontual. A escolha de Fellini em realizar essa produção utilizando da imagem em preto e branco, de uma vida que inversamente ao que propaga o título é limitada em dois tons, e que entre tantos objetivos, tal como de criticar a forma arquetípica da influência norte americana (em especial dos filmes estadunidenses), em suma, colaboram (mérito pelo trabalho realizado por Otello Martellina), na metáfora e narrativa da estória. Utilizando uma fotografia de grossos contrastes entre luz e sombra, propiciando o jogo de uma vida entre aparências, principalmente em ambientes internos, versus o solar da vida externa que apresenta as durezas e a massa urbana, e que volta a se camuflar na noite sombria que é iluminada pela artificialidade de luzes, de bares e casas de festas que refletem néons e pelo flash insaciável das câmeras fotográficas ao registrar os vários momentos de figuras famosas, de celebridades, que entre tantos momentos captam até a ociosidade e a banalidade comum a qualquer ser, e ainda assim, alvo de interesse e curiosidade de pessoas não famosas, principalmente pelo desejo ludibriador de um estilo de vida invejável ou como objetivo, diante a insignificância da vida comum. Esse tom ludibriador é muito bem representado nas diversas atuações, como também no trabalho de direção de arte e de figurino, que possuem em comum a dimensão da artificialidade escancarada e que tenta velar a realidade, como em grandes casarões e até castelos com belas fachadas, mas que por dentro são verdadeiras ruínas, tal como, a própria identidade de seus proprietários, que se escondem em maquiagens, luzes e figurinos de beleza externa e frágil diante a interioridade decadente dessas pessoas, essa diferença de exterior e interior foi motor estimulante para a criação de Fellini, já que o vestido utilizado pelas senhoras daquela época, cuja moda era de vestidos no estilo bolsa ou "vestido saco", despertou a curiosidade do diretor por sua moldura que pode apresentar e aparentar o corpo, e uma mulher muito linda, mas também pode esconder um ser esquelético de miséria e solidão. Algo que podemos identificar como comum a todos os personagens, sempre presos a uma bela fachada, tendo como destaque a personagem de Marcello Rubini, em mais um trabalho majestoso de Marcello Mastroianni, que consegue estabelecer muito bem as sutilezas e a curva dramática da personagem, bem como o traço nítido de oscilações gráficas de uma vida que oscila em momentos de picos de uma origem duvidosa tanto de felicidade quanto de angústia e tristeza. Curiosamente a figura dos fotógrafos de celebridades, que posteriormente e por causa desse filme, passaram a ser chamados mundialmente de “paparazzi”, devido à personagem "Paparazzo", interpretado por Walter Santesso, enfim, esse grupo de fotógrafos do filme, parecem mais ocupar uma posição de parasita da vida alheia, não há reflexões sobre o seu trabalho, tão pouco sobre suas atitudes, só se revelam no sedento desejo de invadir a privacidade alheia e obter a melhor foto, o melhor momento que desperte a curiosidade do público que consumirá os jornais impressos ou televisivos, algo que como público de “La Doce Vita”, estamos em parte, iguais, já que somos colocados em um ponto de vista que tenta se aprofundar na curiosidade daquelas vidas, e pelo recorte em maior parte realizado por Fellini, já que neste filme, sua abordagem é dimensionada em vidas de uma classe em posição e condição muito mais favorável, comparado com a vida comum, até mesmo o fotógrafo Marcello Rubini, está em uma situação privilegiada economicamente, o que muitas vezes aparenta ser uma crise que oscila entre o discurso de uma classe privilegiada que vive momentos enfadonhos ao terem suas vidas como material de interesse colocando-os em um lugar de modelo ou se é mais uma crise de idade do jornalista diante sonhos e promessas de vida quando jovem, e que agora, na maturidade, se mostram inalcançáveis. Com isso temos na proposta realizada por Fellini, o registro e a utilização de uma forma (privilegiada), que confunde e gera momentos que inviabiliza seu discurso. Tendo apenas essa ressalva, “La Dolce Vita” é um filme atemporal, de considerações pertinentes a vida contemporânea e com uma narrativa de estilo impecável, que são verdadeiras heranças para a história do cinema mundial, e que serão por várias gerações, como esquecer da famosa cena em que Marcello Mastroianni e Anita Ekberg se banham na Fontana di Trevi ou das crianças que parodiam e criticam a história das crianças de Fátima, alimentados pela busca dos adultos de uma saída, de uma solução diante a dureza da vida. “La doce Vida” é um filme excepcional em todos os aspectos, mas principalmente por afrontar o espectador com o vazio de nossas incertezas diante à vida.
    Jacqueline
    Jacqueline

    Segui-los 1 seguidor Ler as 51 críticas deles

    4,0
    Enviada em 5 de junho de 2012
    Gostei do filme,pois cita a crise existencial do Marcello e de outras personagens,como o amigo que ele achava que tinha uma vida perfeita e se suicida. O filme é ótimo,contudo a parte que mais gosto é o encontro com o pai,porque a cumplicidade não é de pai e filho,a relação amadureceu,tornando-se amigos. O figurino é maravilhoso!Por isso adoro os filmes antigos ou de época. Por fim,Marcello ama e odeia essa vida de jornalista de celebridade,pois gosta do glamour e não gosta da decadência que cerca sua profissão.
    Thicc B
    Thicc B

    Segui-los 1 seguidor Ler as 12 críticas deles

    5,0
    Enviada em 22 de março de 2019
    Confusão e Melancolia talvez sejam as primeiras coisas que se sinta depois de assistir La Dolce Vita pela primeira virgem vez , pois o cinema europeu vem de uma escola de pensamento diferente dos filmes americanos mais coerentes e tradicionais , pois este é um filme de temas , não mensagens. Marcello(Marcello Mastroianni) é um personagem com um conflito interno de rejeição , ele se nega todas as oportunidades em seu caminho e eventualmente abandona toda chance de recuperar uma vida com potencial. Madalena(Anouk Aimée) é uma prostituta amiga de Marcello que passa a primeira noite do filme com ele enquanto sua namorada tenta se suicidar , um contraste perfeitamente mostrando a ignorancia e incompetencia de um personagem procurando algo que já tem. Madalena não é uma protagonista com tanta relevancia na storia quanto a glamurosa Sylvia que aparece e some do filme tão rápido quanto as primerias cenas de Emma(Yvonne Furneaux) que é a verdadeira namorada de Marcello que constantemente rejeita o amor e afeto dela , "pois uma vida com garantia á segurança e felicidade é pior do que uma vida miseravel." Nas palavras de Steiner(Alain Cuny) o personagem mais idolatrado de Marcello e eventualmente mais desapontador. Pois todos os eventos do filmes , cada personagem introduzio , todas as mulheres que tocam o coração de Marcello , são apenas ilusões em um sentimento que ele desperadamente procura mas não pode obter , pois na realidade não e nunca quis. Irrelevante de como você interprete o filme depois de algumas revisitas , o que o filme consegue cumprir é uma sensação de diversão , da noitada com Anita Ekberg pra união da familia de Steiner pra doidera na vila e a orgia final completando a gradual derrota mental do personagem em busca de uma vida com significado. Algo para perceber: o filme começa com uma estátua de Jesus Cristo e termina com um Peixe Monstro Pescado. a estatua de jesus é linda , mas é falsa o peixe é horroso , mas é real. Fellini era um dos genios mais mirabolantes do Cinema , e nem eu consigo completamente compreender sua intenções , eis algo não para mente solucionar ou para o corpo imitar , mas para a alma sentir.
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema
    Back to Top