Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças
    Média
    4,5
    2605 notas e 531 críticas
    distribuição de 531 críticas por nota
    259 críticas
    149 críticas
    64 críticas
    41 críticas
    11 críticas
    7 críticas
    Você assistiu Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças ?

    531 críticas do leitor

    Bianca C.
    Bianca C.

    Segui-los 6 seguidores Ler as 7 críticas deles

    5,0
    Enviada em 13 de julho de 2013
    Excelente filme! Nos faz refletir muito! No começo parece estranho e monótomo, o meio é bem confuso mas depois que vc passa a entender o que de fato está acontecendo, percebe que o filme é incrível, maravilhoso! A mensagem é linda, espetacular!!!! Adorei *-*
    Marcelo Lopez
    Marcelo Lopez

    Segui-los 44 seguidores Ler as 56 críticas deles

    5,0
    Enviada em 18 de janeiro de 2014
    Você já teve vontade de apagar alguém da sua memória? O fio condutor de Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças é a possibilidade de Joel, personagem de Jim Carey, poder apagar da memória alguém responsável por uma desilusão amorosa. Ao descobrir que seu grande amor Clementine, interpretada por Kate Winslet, após o rompimento do relacionamento dos dois apagou Joel de sua memória e agora segue sua vida numa boa sem ao menos lembrar dele. Desesperado, Joel procura os mesmos recursos para apagar da sua mente toda lembrança da amada. Porém durante o procedimento Joel se arrepende e tenta de todas as formas uma maneira de parar o procedimento. Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças é um dos meus filmes favoritos, ele tem um roteiro criativo tipico do roteirista Charlie Kaufman. A trama do filme nos parece bem familiar, pois quem nunca sofreu com o final de um romance e gostaria de deletar todas as memórias que outrora nos fizeram tão felizes, porém essas mesmas memórias podem ferir e magoar após o término do relacionamento. Mas Brilho Eterno... nos faz pensar que um grande amor deve ser lembrado, renovado e se preciso reconquistado.
    Maria C.
    Maria C.

    Segui-los 22 seguidores Ler a crítica deles

    5,0
    Enviada em 3 de setembro de 2013
    Um dos melhores filmes que eu já tenha assistido. É incrível como ele consegue ser cativante. Retratando os relacionamentos de forma real, sem deixar de fora os momentos de desentendimento e brigas que todo casal enfrenta. A maneira como o enredo do filme é passado... simplesmente apaixonada! Recomendo a todos.
    Sílvia Cristina A.
    Sílvia Cristina A.

    Segui-los 93 seguidores Ler as 45 críticas deles

    5,0
    Enviada em 13 de fevereiro de 2013
    "Brilho eterno de uma mente sem lembranças" retoma os temas do tempo e da memória , exaustivamente trabalhados pelo cineasta francês Alan Resnais , de "Ano passado em Mariembad" e "Hiroshima , mon amour" em um estilo mais colorido. O decorrer do tempo e as limitações da memória criam armadilhas que fazem a vida vivida e a lembrada ou simplesmente imaginada se embolarem, tema caro ao cinema moderno. Com imagens belas e oníricas , o filme mergulha no paradoxo das múltiplas possibilidades da vida versus alguns fatos e pessoas que determinam nossas escolhas e sentimentos. Apagar alguém da memória não significa eliminar a química existente com a mesma. Mesmo que fosse possível retirar a pessoa amada de nossas lembranças , ao conhecê-la novamente , em outro lugar e circunstância , o amor poderia começar tudo de novo com pequenas diferenças , que nada alterariam o principal: algumas pessoas apresentam afinidades que duram a vida inteira , apesar dos conflitos existentes em qualquer relação. Mesclando passado e presente ; vida real e imaginada , boa parte da trama se desenrola na mente do personagem protagonista , que deseja simultaneamente esquecer e lembrar da mulher amada. Um elemento que merece destaque por sua contemporaneidade é a necessidade de exterminar a dor emocional rapidamente. Por medo de enfrentar o luto natural que decorre do fim de qualquer relação amorosa , muitas pessoas optam por uma forma artificial de pular uma dolorosa , porém necessária fase da vida. Extremamente onírico, contemporâneo e visualmente criativo.
    Wellisson L.
    Wellisson L.

    Segui-los 1 seguidor Ler as 6 críticas deles

    5,0
    Enviada em 26 de janeiro de 2014
    Um dos melhores filmes que eu ja vi com certeza esta no meu top 10. Jim Carrey e Kate Winslet estão em excelentes atuações. Se trata de um roteiro único e brilhante o filme igualmente. O sentimento de nostalgia que nos vem enquanto assistimos a mente do principal ser vaculhada e preciso.A historia de amor do filme e muito madura e real.A cena no gelo e na casa de praia são minhas preferidas.A citação de Nietzche se encaixa adequadamente.E um baita filme!
    Claudemir Serafim
    Claudemir Serafim

    Segui-los Ler as 31 críticas deles

    5,0
    Enviada em 24 de dezembro de 2013
    Um filme fantástico, que te faz refletir sobre o amor, o por quê esquecer alguém que te fez sofrer, e como seria sua vida sem ela, é um dos meus favoritos!
    Arthur D.
    Arthur D.

    Segui-los 10 seguidores Ler as 5 críticas deles

    1,5
    Enviada em 8 de dezembro de 2016
    É um filme bastante monótono. O espectador decide continuar assistindo para ver se consegue entender algo e depois que termina, vem a seguinte conclusão: que perda de tempo.
    Anderson  G.
    Anderson G.

    Segui-los 747 seguidores Ler as 276 críticas deles

    4,5
    Enviada em 10 de abril de 2017
    Imagina que você está em sua casa, e recebe pelo correio um carta dizendo “Um amigo muito próximo apagou você da memoria dele” partindo desse argumento que Charlie Kaufman cria um roteiro que é bem mais que um simples roteiro ele é um estudo sobre a beleza de amar, retribuir, odiar e esquecer, entrando na psique humana Charlie não chega a chegar no limite de sua ideia, mas ele a expõe e discute, alinhado com ótimos conceitos técnicos e ótimas atuações, temos um jovem cult que encanta a todos, conversa com a maioria, e emociona alguns. O tal falado roteiro de Charlie Kaufman conta a historia de um mundo a onde existe uma empresa denominada lacuna, empresa essa que apaga pessoas das suas memorias para você não sofrer por elas, habitando esse mundo existem Joel (Jim Carrey) e Clementine (Kate Winslet) , um casal apaoxonado que teima em querer esquecer um ao outro, parece um roteiro simples, mas ele vem de uma genialidade alinhada a uma completa simplicidade que toca, a partir de seu argumento Kaufman poderia elaborar um mega futuro, a onde diversos casais apagam, as consequências, etc, etc, etc. mas não Kaufman simplesmente conta a historia de um casal qualquer apaixonado. “Brilho Eterno De Uma Mente Sem Lembranças” nos mostra a força do amor, nos mostra a importância da dor, apagar uma pessoa da memoria e acabar com o sofrimento, não é evolutivo, aprendemos com a dor, com o sofrimento, pois mesmo apagando as memorias voltamos a cometer o mesmo erro –Como é mostrado 2x no filme- voltamos a nos apaixonar pelas mesmas pessoas, pois o sentimento de amor está além do compreensível, essa película é daqueles que devemos assistir em diferentes épocas das nossas vidas que com certeza teremos interpretações completamente diferentes, é um filme que irá sobreviver ao teste do tempo, pois seu tema estará sempre e será sempre um destaque pois é intrico ao ser humano, o brilho eterno do amor sempre brilhará em uma mente, mesmo que ela não saiba. Temos muitos méritos para Kaufman, mas não podemos esquecer de Michel Gondry que consegue reproduzir cinematograficamente o roteiro abstrato de Kaufman, com cenas que remetem a Lynch, Michel usa e abusa da câmera, com planos abertos e focados, brincando com a luz, desfocando e brincando com a dimensionalidade da tela, mantendo sempre uma paleta de cores azuis, a fotografia é o menos cameleão do filme, com uma trilha sonora linda e única, ele remete toda a alegria do descobrimento mesclado com a angustia e tristeza do esquecimento, apesar da confusa linha temporal, e de se perder constantemente eu seu ritmo, e até de tirar um pouco o clímax criado em sua historia secundaria, o filme tecnicamente encanta com seus recursos e traduções da psique humana, principalmente porque é simples e real. Parece que Jim Carrey e Kate Winslet estão trocados, Jim fazendo um personagem focado e centrado e Kate fazendo uma personagem risonha e desboca, divertida, curiosa e alegre, são 2 atores espetaculares, Jin consegue passar uma carga dramática incrível, e Kate está deslumbrante, além disso, temos um elenco em geral maravilhoso. Podemos concluir dizendo que a película vai além de uma obra cinematográfica comum, ela apela para o sentimento, ela não apenas apela, ela toca, causa a reflexão, é um filme que temos que assistir a cada 5 anos, a cada etapa da vida, veremos como teremos interpretações e reações diferentes do mesmo, por fim, temos uma obra que caminha junto ao linear da perfeição.
    Khemerson M.
    Khemerson M.

    Segui-los 39 seguidores Ler as 74 críticas deles

    5,0
    Enviada em 29 de dezembro de 2014
    Charlie Kaufman é uma unanimidade entre os roteiristas de Hollywood. Inventivo e inteligente, o roteirista geralmente concebe histórias que, aparentemente “cerebrais” demais, nos fisgam por conter nas entrelinhas um certo apelo emocional que funcionam justamente pela forma inusitada como sua narrativa se desenvolve. Escritor de obras como Natureza Quase Humana, Quero Ser John Malkovich, Adaptação, Sinédoque Nova York e, neste caso em questão, Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças. Contando a história de Joel Barish (Jim Carrey, no melhor papel dramático da carreira), um sujeito tímido que, ao descobrir que sua namorada Clementine Krucynsky (Kate Winslet, genial) se submeteu a um procedimento médico para “apagá-lo” da memória, decide fazer o mesmo procedimento e “apagá-la” também. Contudo, o procedimento... (LEIA O RESTANTE DESSE TEXTO NO LINK ABAIXO!)
    Thalita D
    Thalita D

    Segui-los 4 seguidores Ler a crítica deles

    4,0
    Enviada em 19 de dezembro de 2013
    Tenho uma simpátia muito grande com esse filme, é de uma tamanha sensibilidade. Sem contar que Jim Carrey fazendo um drama não se vê todo dia.
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema
    Back to Top