Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    De Ilusão Também Se Vive
    Média
    3,2
    6 notas e 1 crítica
    distribuição de 1 crítica por nota
    0 crítica
    1 crítica
    0 crítica
    0 crítica
    0 crítica
    0 crítica
    Você assistiu De Ilusão Também Se Vive ?

    1 crítica do leitor

    Thalita Uba
    Thalita Uba

    Segui-los 45 seguidores Ler as 51 críticas deles

    4,0
    Enviada em 8 de abril de 2013
    Simplesmente o filme mais lindo de Natal que eu já vi na vida, da época em que as pessoas compreendiam o significado da celebração e vestiam suas casas e seus corações com gentileza, alegria e amor ao próximo. OK, a tradução oficial do nome do filme é De Ilusão Também Se Vive, mas eu me recuso a chamá-lo assim, visto que o nome original é mil vezes melhor e essa tradução pífia nada tem a ver com ele. Então, vou simplesmente usar minha “autoridade” de tradutora profissional e chamá-lo como acho que todos deveriam: Milagre na Rua 34 (visto que seu título original é Miracle on 34th Street). Pois bem, Milagre na Rua 34 é um filme em preto e branco de 1947 que se passa na linda cidade de Nova Iorque (que, como todos sabem, fica ainda mais deslumbrante durante a época de Natal). Tudo começa quando Kris Kringle, um velhinho de barba branca e olhos gentis (soa familiar?), percebe que o Papai Noel contratado pela loja Macy’s para a grande parada do Dia de Ação de Graças está bêbado e completamente sem condições de cumprir seu papel de bom velhinho. Ao reportar isso à responsável, uma mulher fria e insensível chamada Doris Walker, ela pede que ele, então, assuma o lugar do Papai Noel beberrão. Kringle topa o desafio e acaba sendo uma verdadeira sensação na loja, o que rende a ele um longo contrato como Papai Noel da Macy’s. Kris Kingle, então, passa a fazer parte da vida de Doris e de sua filha, Susan, que foi ensinada pela mãe a não acreditar em nada fantasioso. Quando ele afirma (e insiste) ser o verdadeiro Papai Noel, Doris tenta afastá-lo, mas o sucesso dele na loja é tão grande que ela não tem outra saída que não aceitá-lo e conviver com ele. Kringle consegue, com seu espírito generoso e altruísta, criar uma nova campanha na Macy’s – ele próprio indica aos clientes as melhores lojas para comprar os brinquedos das crianças, mesmo que sejam concorrentes da Macy’s –, e isso logo se torna um estouro e garante à loja muito prestígio e, é claro, muitas vendas. Todo esse papo de ser o verdadeiro Papai Noel deu pano pra manga e fez com que Kringle fosse internado em um hospital psiquiátrico depois de ter dado (inocentemente, é claro) com o guarda-chuva na cabeça de um psiquiatra dos mais mal intencionados. Kringle acaba sendo processado pelo médico e é levado a julgamento. O médico faz de tudo para provar que ele é louco, mas o advogado de Kringle - vizinho de Doris - promete conseguir provar que ele é realmente o Papai Noel. spoiler: Depois de muito pensar em como resolver a situação, o advogado tem uma brilhante ideia e pede que os Correios (que é uma empresa federal, ou seja, pode "emitir" provas legais) levem todas as cartas escritas por crianças endereçadas ao Papai Noel ao tribunal. Milhares de cartas são levadas e o juiz, pasmo, confirma que o Papai Noel realmente existe e Kringle é liberado. Uma história bonita, comovente e simples. O que mais se pode querer para o Natal?
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema
    Back to Top