Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Saló ou Os 120 Dias de Sodoma
    Média
    3,1
    112 notas e 37 críticas
    distribuição de 37 críticas por nota
    10 críticas
    6 críticas
    4 críticas
    2 críticas
    3 críticas
    12 críticas
    Você assistiu Saló ou Os 120 Dias de Sodoma ?

    37 críticas do leitor

    Lidiana C.
    Lidiana C.

    Segui-los 22 seguidores Ler as 10 críticas deles

    5,0
    Enviada em 2 de setembro de 2013
    Mais uma obra dirigida por Pier Paolo Pasolini em 1975, baseada no livro de Marquês de Sade "Os 120 Dias de Sodoma". Quatro fascistas sequestram um grupo de jovens composto por homens e mulheres servindo como escravos sexuais, e sendo obrigados a praticarem os mais diferentes tipos de orgias. Este foi o último filme de Pasolini e talvez o mais incompreendido. Alguns até o julgam como pornográfico, no entanto, mesmo sendo ainda leiga no que diz respeito sobre a obra desse gênio, atrevo-me a dizer que sua vida, seus ideais estavam intimamente ligados à sua filmografia. Já disse que todos os filmes de Pasolini eram de cunho politico, eram uma crítica escancarada à política italiana e a igreja. Pier Paolo Pasolini era homossexual, ateu e comunista. Se você tem interesse em assistir Saló, sugiro que desfaça-se de suas crenças sejam elas religiosas ou por qualquer outro motivo e tente assisti-lo sobre o ponto de vista político. Porque muito mais que "um festival de orgias" como dizem por aí, o filme é um grito político contra o fascismo e contra todos os regimes ditatoriais. Os 16 jovens presos em um castelo por seus algozes, viviam sempre nus, e tendo que aceitar as duras regras impostas por seus ditadores. Há cenas de estupro, cenas escatológicas, sadismo, tortura, coisas que imagino que um prisioneiro de guerra, ou prisioneiro preso na época da ditadura tenha visto de perto. E você pode perguntar, por que usar "cenas apelativas" para fazer um filme político? Além de Pasolini ser à favor da nudez, quando você assiste o filme livre de preconceitos, você percebe que o ser humano tem seu lado sádico, caso contrário o filme não estaria na lista dos filmes mais polêmicos da história, não? Como já disse, Pasolini gostava de trabalhar com atores amadores. As cenas apesar causarem certo desconforto até hoje, foram muito bem dirigidas e construídas, mesmo sendo forte, acredito que Saló seja absolutamente necessário para qualquer cinéfilo. Continuo batendo na tecla de que existem filmes com violência explícita absolutamente descartáveis e que não sei porque cargas d'água são tão cultuados, e existem aqueles em que a violência é necessária para uma reflexão sobre a sociedade e sobre nós mesmos, afinal, Saló não se resume a um "festival de orgias." Se você espera isso de uma obra-prima como esta, sugiro que não assista.
    Bruno Samuel S.
    Bruno Samuel S.

    Segui-los 4 seguidores Ler as 45 críticas deles

    0,5
    Enviada em 16 de junho de 2016
    Testemunhe o o ultimo filme de Pasolini o diretor que foi morto depois da gravações e ainda não foi encontrado o suspeito. Simplesmente ridículo!!!! Fico me perguntando em que um filme destes contribui intelectualmente na vida das pessoas? Não vi nada de político neste filme a não ser os personagens que compunham o filme. Que existe sadismo, orgias e todo tipo de aberrações sexuais na desordem mental humana é fato. No mundo todo, vamos encontrar fatos que nos levam a essa conclusão, desde que o mundo é mundo, mas vir a contemplar isso como arte...aí já é demais!!!!! Pasolini apenas mostra sua real natureza em seus filmes...um homem perturbado. Não recomendo...
    Érika B.
    Érika B.

    Segui-los 9 seguidores Ler as 2 críticas deles

    0,5
    Enviada em 10 de fevereiro de 2015
    eu matei minha curiosidade, mas dá pra viver bem sem conhecer esse mundo perverso e doentio... não indico
    Matheus F.
    Matheus F.

    Segui-los 1 seguidor Ler as 15 críticas deles

    0,5
    Enviada em 1 de junho de 2015
    Passa suas críticas à igreja, política e ao regime militar facista de maneira desnecessária mostrando os fetiches dos representantes de cada classe criticada
    Janiê Maia C.
    Janiê Maia C.

    Segui-los 19 seguidores Ler as 15 críticas deles

    2,0
    Enviada em 6 de agosto de 2013
    Saló, ou os 120 dias de Sodoma (Pier Paolo Pasolini, 1975) Marquês de Sade em obra cinematográfica, histórica e chocante! Olá galera! Tudo bem? De volta depois de um tempo ausente. Vamos começar hoje com cinema e filosofia (together), muito bom! Primeiramente, vamos buscar os aspectos históricos de Saló, um filme polêmico, controverso e filosófico antes de tudo; por isso é importante entendermos quem é Marquês de Sade. Sade (Paris, 2 de junho de 1740 — Saint-Maurice, 2 de dezembro de 1814) foi um filosofo francês, aristocrata e pervertido! Digo, pervertido mesmo, no sentido literal do termo, toda a sua filosofia é baseada na teoria da perversão sexual. Ou seja, em suas obras encontramos diversas referências tais como orgias, mas tais orgias buscam prazer sexual na tortura dos parceiros, dor física nas mais diversas formas. É daqui que surgiu o termo sadismo, com certeza vocês já ouviram falar disso! Fulano é sadista! Isso é cruel, é sádico! Sade, foi transgressor, suas obras causaram tanto impacto, que acabou indo para a cadeia parisiense e posteriormente ao hospício, considerado louco por uns, gênio por outros. Suas obras de conotações sexuais fortes, traz referências a temas considerados hediondos pela sociedade atual, pedofilia, estupro, tortura, e muito mais. A filosofia de Marquês de Sade é um banquete para os adoradores da sexualidade desenfreada, ou seja, orgias, orgias e.... delícias da carne puníveis! Enquanto este colocava o prazer sexual como uma porta para libertação da razão humana, não importa a forma como o gozo viesse; Sócrates afirmava que o prazer carnal é fugaz, levando o homem a ficar escravo de si, preso a suas paixões. Isso é meio Schopenhauer, este filósofo machista, que pregava a misericórdia como liberdade em vez das paixões! Depois de um breve resumo do aspecto filosófico do filme, vamos a sétima arte em si. Saló, ou os 120 dias de Sodoma, é um filme italiano de 1975, dirigido pelo diretor Pier Paolo Pasolini. O filme narra a história de um grupo de 16 jovens (8 meninos e 8 meninas) que foram sequestrados por quatro ricos fascistas, no tempo em que a Itália era ‘governada’ por Mussolini. Os quatro sadomasoquistas os aprisionam em um palácio, em uma belíssima região, que seria palco de crimes hediondos. Os jovens presos como animais durante quatro meses, passam pelos mais diversos tipos de situações sádicas, são usados como fonte de prazer sexual, dor e morte. Apesar de ter como fonte principal a obra de Sade (Círculo das Taras (ou manias), Círculo da Merda e Círculo do Sangue.), sendo o sexo a fonte principal para a ‘poesia’ deste. O filme explora temas como ditadura, corrupção, absolutismo, sadismo, masoquismo e perversão. Pasolini, (Bolonha, 5 de março de 1922 — Óstia, 2 de novembro de 1975) foi um cineasta e escritor italiano. Era um artista solitário, gostava de expor no cinema sua visão crua sobre o íntimo do homem. Seus filmes continham um forte conteúdo erótico e político, nudez e nudez são características chaves de seu cinema, devido a isso a crítica o renegou até a morte, a crítica classificava seus filmes como pornográficos (não tiro a razão deles). Não conheço a obra de Pasolini, mas pelo que assisti, apenas três filmes (considero muito), concluí que não sou sua admiradora e nem vou ser. Mas não me dá o direito de desmerecer o seu trabalho no cinema! Saló, não é uma obra-prima, pelo menos na minha visão crítica, está longe de ser um filme admirável, um filme crítico. É daqui que surge a maior das controvérsias, apesar da película conter um apelo político fascista, prós e contras, a crítica fica quase apagada no longa. Por que o teor sexual toma conta de toda a ambientação, roteiro, fotografia. Não há atores conhecidos, Pasolini gostava de pessoas normais atuando, sem fama, sem glamour. Também não é de admirar que tantos atores recusassem os papéis para personagens tão controversos! Nem sei que termo utilizar, quero dizer, há tanta sac%$%#¨no filme que fica difícil escolher a melhor! Sexo, dor, violência e sujeira! A filosofia de Sade, é admirada pelo diretor, mas bem que ele poderia ter utilizado um pouco de sensibilidade. Não estudo Sade, estudo outro filosofo! Mas sei que o filme soube colocar de forma verdadeira e fiel a obra dele! E como é fiel, cenas bem chocantes! Para quem tem o estômago fraco, aviso de imediato, não assista! Creio que este é dos filmes que assisti uma vez e não pretendo repetir a última, o que vale no longa é a filosofia sadista. Um pouco de cultura e filosofia não faz mal a ninguém! Talvez a razão de não ter ganho tantos admiradores se dá pelo fato da junção de tanta bizarrice. Comparo Saló a Taxidermia, um exemplo de outro filme bem bizarro, ele é o A Serbian Film, dos anos 70. Chocante, seria a palavra correta para este filme, mas quando você assiste, vem outras na mente, bem mais cruéis e polêmicas. Só pelas imagens dá para perceber porque o filme é considerado repugnante e exótico, no melhor dos termos. Machismo, humilhação, sexo, e muita violência. Agora você me pergunta: tu não falastes das cenas! Perdoem-me mas foi proposital, as cenas são muito chocantes, mas descreverei uma, que é repugnante: ‘um dos senhores solta suas fezes no chão e obriga um dos confinados a comer o excremento com uma colher. O algoz grita mangiare (comer) e isso fica na cabeça’. Mangiare, mangiare, mangiare. Impressionante!!! Creio que finalizei mais uma crítica meio decepcionada, o filme vale pelo conhecimento da filosofia, nada mais! Aqui não há lições de moral, ou uma formar de afirmar estarei acordada para assistir o sol se pôr. Aqui isso não existe! O simples fato de viver mais um minuto já é o bastante! Sem pormenores, vale pela curiosidade. Boa digestão! Bjoosss! Byeee! Janiê Maia Cunha
    Junior Marques
    Junior Marques

    Segui-los Ler as 15 críticas deles

    0,5
    Enviada em 2 de junho de 2015
    bom, o flme tenta ser impactante ainda mais por ter um presidente, um bispo e um magistrado como praticantes de atos difíceis de engolir, até aí da pra aceitar, mas depois fica tudo repetitivo, tem momentos em que os próprios algozes se submetem a atos de submissão, sem falar que os caras usam todos os relatos das tais senhoras quase como um manual de como agir e o que fazer com seus submissos, não achei nehum pouco interssante, não achei uma crítica a igreja ou a política, já que tais atos poderiam ser feitos por qualquer um....enfim, o filme é horrível, não consegui nem entender o real motivo do mesmo, pois acredito que na época em que o mesmo se passa, aconteciam atrocidades maiores feitas por nazistas......Péssimo.....
    Guilherme M.
    Guilherme M.

    Segui-los 40 seguidores Ler as 154 críticas deles

    0,5
    Enviada em 9 de fevereiro de 2020
    Perturbador define esse filme, entendo que há uma mensagem por trás do filme, mas mesmo assim não indicaria a ninguém, muito pesado, há outras formas de ser chocante e trazer reflexão, mas esse filme não foi nada prazeroso de assistir. Nota: 0/10
    gustavo a.
    gustavo a.

    Segui-los Ler as 24 críticas deles

    0,5
    Enviada em 29 de março de 2017
    spoiler: Não consigo imaginar como Passolini poderia ser tão doente.Não consegui ver nada de histórico nesse filme.Se ele é considerado talvez o filme mais perturbador e nojento já feito,eu descordo dessa opinião.Ele pode ser sim o filme mais nojento que já assisti,mas esta de longe de ser o mais pesado e perturbador.Minhas reações quando estava vendo o filme foram uma pior que a outra por exemplo,no circulo das manias onde os fascistas satisfazem seus desejos sexuais,fiquei mesmo com nojo como nas histórias que a Senhora Castelli contava para que os fascistas se excitassem,sempre histórias envolvendo masturbação,esperma e outras diversas coisas obscenas.No circulo das fezes que é quando os fascistas obrigam os jovens a comerem fezes,pra mim foi a mais imbecil e doente cena que já vi no cinema até hoje,também quando Castelli conta histórias mais toscas ainda e quando acontece a seguinte cena:um dos fascistas obriga uma das jovens a urinar em seu rosto e ainda por cima sentindo prazer.O circulo do sangue talvez pode ser por mim a menos doentia parte do filme,que quando os jovens que infringissem as leis daquela prisão eram torturados e assassinados.Não achei o filme perturbador,mas em minha refeição após ver esse filme foi bem difícil.Pior filme que já vi na minha vida,seria o ultimo filme que eu pensaria em recomendar.Mas se o seu caso for somente matar a curiosidade em assistir,que foi o meu caso também,assista sem medo,pode até ser um filme perturbador pra época,mas no dia de hoje não faz mal nem a uma criança.
    Julia P.
    Julia P.

    Segui-los 1 seguidor Ler a crítica deles

    4,5
    Enviada em 15 de outubro de 2015
    o filme é um tanto quanto perturbador e com certeza n é para qualquer um, deve ser visto com outros olhos para entender a mensagem se vc só ficar pensando na merda que tem no filme vc n vai conseguir pensar em mais nada, mas o filme é bom eu só não saio recomendando para todos pq pouquíssimas pessoas iriam voltar a falar comigo do mesmo jeito depois já que n é todo mundo que consegue se despir do seus preconceitos por 2 horas
    Crismika
    Crismika

    Segui-los 296 seguidores Ler as 342 críticas deles

    4,0
    Enviada em 7 de dezembro de 2016
    Filme para refletir até onde o ser humano pode chegar para ter seus prazeres satisfeitos e fetiches realizados. A última grande obra do mestre Pasolini, que faleceu quando esse filme estava sendo lançado. Recomendo...
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema
    Back to Top