Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    2001 - Uma Odisséia no Espaço
    Média
    4,5
    1020 notas e 212 críticas
    distribuição de 212 críticas por nota
    113 críticas
    44 críticas
    20 críticas
    18 críticas
    12 críticas
    5 críticas
    Você assistiu 2001 - Uma Odisséia no Espaço ?

    212 críticas do leitor

    Mauro M
    Mauro M

    Segui-los 6 seguidores Ler as 22 críticas deles

    5,0
    Enviada em 21 de junho de 2014
    Este, a meu ver, foi o melhor filme já criado em toda a História do Cinema, inegavelmente o mais inteligente e o de maior dificuldade de compreensão. Falar sobre ele, acarretaria um monte de páginas, ou mesmo um livro, ou então algumas noites de bate-papo com amigos que tentaram entendê-lo. Digo “tentaram”, porque quase nunca o espectador o consegue nas primeiras vezes e no fim é obrigado a repetir o filme diversas vezes, a ler o livro e a falar com outros sobre seu entendimento a respeito. Arthur C. Clarke, um dos maiores escritores de ficção científica dos nossos anos, associou-se a Stanley Kubrick, um dos maiores diretores de cinema de todos os tempos, na realização deste filme, que é uma verdadeira odisseia. Arthur Clarke ficou assim responsável pelo roteiro junto a Kubrick e o livro foi sendo escrito paralelamente ao roteiro e nenhum é melhor do que o outro: ambos de completam. Se o livro é mais explicativo, de mais fácil compreensão, o filme é mais interrogativo e dá aquele show de visual, sobretudo se levarmos em consideração a época em que foi realizado. Mais de quarenta empresas de eletrônica foram convocadas e consultadas, inclusive a IBM e os autores viveram algum tempo na NASA, para pegar alguns detalhes técnicos. Basta dizer que o módulo que o Homem usaria para chegar à lua um ano depois, foi mostrado neste filme. A fotografia é sensacional e um dos momentos mais emocionantes e antológicos é aquele em que o homem-macaco (o elo perdido de Darwin) atira para o ar a tíbia de um animal abatido e ela se transforma numa nave espacial, dando um salto da pré-história para o futuro. Como se isso não bastasse, tudo é visto ao som de músicas de Johan Strauss e Richard Strauss, com destaque para “Assim falou Zarathustra” e “Danúbio Azul”. Um computador ensandecido e dominante levanta o debate do homem sendo dominado pela máquina, no caso o então fantástico computador HAL-9000. Pela espantosa perfeição dos Efeitos Especiais, este filme ganhou merecidamente um Oscar e esses efeitos (parece-me que foram os primeiros a utilizar a computação gráfica) revolucionaram o gênero cinematográfico da ficção científica, constituindo-se num importante marco do cinema. Foi indicado também para o Oscar de Melhor Maquiagem, ganho por outro filme que mostrava macacos, o também cultuado “Planeta dos macacos”. Foi dito na ocasião que os macacos de “2001” mais se assemelhavam a humanos. Os infelizes críticos que disseram esta asneira não entenderam que, na realidade, aqueles animais eram homens-macacos, portanto deveriam ter características dos dois ramos em que se dividiriam. Outras indicações foram para os Oscar Melhor Diretor, Melhor Direção de Arte e Melhor Roteiro Original. A história é baseada num conto de Arthur C. Clarke intitulado “A Sentinela”, que conta a história do monolito achado na lua. O monolito negro também foi amplamente discutido por críticos e aficcionados e foi até comparado com Deus, como algo inatingível e incompreendido pelo Homem. É praticamente impossível entender-se e “penetrar” no filme na primeira vez em que é visto e dificilmente será compreendido mesmo se assistido várias outras vezes. O melhor mesmo é recorrermos ao livro (mais explicativo) para depois reassistirmos ao filme diversas vezes. Aí, talvez, consigamos “começar” a compreendê-lo. E, cada vez que o assistimos, vemos pontos diferentes, descobrimos que há sempre algo de novo e podemos mudar nossa compreensão de alguns fatos ou mesmo começar a entendê-los. E cada espectador terá, por certo, sua maneira de ver e, assim sendo, seu grau de compreensão e seu ponto de vista serão diferentes daquilo que outros espectadores veem e sentem. Aqui, neste DVD, temos algo diferente do filme original: a apresentação completa de “Danúbio azul” ao final, que se continua após o fim, mesmo depois que os créditos terminam. Além disso, temos uma música que antecede o início do filme propriamente dito, ouvida sem imagens
    anônimo
    Um visitante
    5,0
    Enviada em 27 de setembro de 2015
    Tranquilo, misterioso, belo e complexo. Gosto dos filmes de Stanley, mas sinceramente não consegui captar a mensagem que 2001 deseja passar. Não entendi o monolito negro. A nota vai mais pela fotografia, jogo de câmeras, por ter "profetizado" o uso de videoconferência, inteligência artificial etc. Vou assisti-lo novamente pra tentar entender melhor. Pra uma obra da década de 60, se saiu melhor que muito filme atual. Kubrick ;)
    Marcão
    Marcão

    Segui-los 7 seguidores Ler as 81 críticas deles

    4,5
    Enviada em 15 de fevereiro de 2016
    2001 Uma Odisseia no Espaço (Talvez o melhor filme de ficção científica realizado até aos dias de hoje) Víviamos uma época em que as duas superpotências mundiais existentes (EUA e URSS) disputavam o controle e influência politica sobre o nosso planeta. Um dos principais acontecimentos científicos até aquele momento tinha sido o envio por ambos os países de foguetões tripulados para o espaço, numa luta de gigantes em cada um procurava vencer, qual maratona transformada em corrida espacial. Foi pois com tais ingredientes que surgiu um trabalho cinematográfico magnífico falando exatamente sobre essa matéria. O Universo ainda era algo obscuro para nós e foi isso que Kubrick quis mostrar, propondo-nos a reflexão mais complexa que o cinema até aos dias de hoje já viu. O realizador iniciou este filme dizendo-nos que se levamos anos para dominar as ferramentas ao nosso dispor e a sobreviver neste planeta Terra, no espaço sideral regressamos às origens, tornamo-nos bebés novamente, temos de reaprender tudo, mas desta vez sem gravidade, pois os objecto fogem das nossas mãos e até caminhar torna-se algo muito difícil. Em conlusão Stanley Kubrick faz em 2001 Odisseia no Espaço uma abordagem para o próximo passo da evolução humana, fazendo-nos refletir e questionar sobre nossa própria existência. Incrível, perturbador, arrepiante, sonoro. Uma viagem inesquecível. Impossível assistir apenas uma vez. Kubrick, o maior diretor de todos os tempos, produziu nos anos 60 suas duas maiores obras-primas: 2001 e Dr. Fantástico. Como se já não bastasse a extraordinária história desse filme, ele também tem um diretor genial, Stanley Kubrick, simplesmente histórico. É uma história que faz você pensar sobre o passado, o presente e o futuro do homem, é imperdível, se existisse um livro chamado 1 filme para ver antes de morrer, 2001 uma odisseia no espaço teria que ser esse filme Confesso que dormi nas duas primeiras tentativas (por causa da lentidão e da trilha sonora, que é ótima, mas muito relaxante rs), os efeitos são incomparáveis, a música é sensacional e o roteiro e a moral que o filme tenta transmitir apesar de ser muito difícil de entender são coisas de gênio. Bom eu adorei esse filme ,principalmente no inicio quando mostra um grupo de macacos e um se torna diferente ,líder nato com resquio do que seria inteligencia ,mais pro meio do filme ele se torna cansativo e um tanto lento ,mas o final é surpreendente ,e confesso que é meio confuso Meu Deus, o que falar desse filme? Uma das experiências mais fantásticas da história do cinema - e como de costume com Kubrick, só teve seu valor reconhecido mais tarde. Absolutamente recomendado àqueles que gostam de um cinema mais filosófico, mas nada recomendado àqueles que gostam da ficção científica estilo Star Wars Um orgasmo visual. Uma obra q é até difícil d descrever d tão densa, profunda, ímpar......... O maior clássico da história do cinema? Quem sabe.......
    Oswalcy D.
    Oswalcy D.

    Segui-los Ler a crítica deles

    1,0
    Enviada em 21 de outubro de 2015
    O mundo está cheio de mentiras bem contadas. Essa é a MAIOR MENTIRA BEM CONTADA da historia do cinema. Chato, arrastado, parei por aqui...
    Samir F.
    Samir F.

    Segui-los 1 seguidor Ler a crítica deles

    3,0
    Enviada em 11 de fevereiro de 2013
    O filme apresenta características bem marcantes ,tais como: fotografia, efeitos especiais e trilha sonora. Sem duvida os temas abordados no filme( evolução humana, I.A, vida extraterrena) são interessantes, mas é notória a pouca preocupação em apresentar algum conteúdo lógico no filme. A beleza no filme está, justamente, na forma em como é apresentado. Desta forma, muitos filmes que vieram após utilizaram recursos criados em 2001.O filme se tornou uma espécie de pré-cursor para filmes do mesmo gênero e elevou a categoria dos filmes para uma forma de arte. Confesso que esperava mais compreensão da história, mas por outro lado usei a minha imaginação para criar minhas teorias e expectativas. Ao assistir este filme apenas relaxe e curta o momento.
    Camile C.
    Camile C.

    Segui-los Ler a crítica deles

    5,0
    Enviada em 26 de maio de 2015
    Realmente, se alguém for assistir esperando guerras, ETs, supernovas, explicações físico-teóricas, simplesmente não vai gostar desse filme! Não é um filme que tem como finalidade, meramente, o entretenimento. É algo para quem enxerga o cinema além, como arte (e arte, falando da definição pura e seca, sendo não o que é belo, mas o que nos toca e desperta para alguma coisa). A beleza desse filme não está apenas nos efeitos visuais, na trilha sonora (que pasmem, recebeu duras críticas na época de seu lançamento). Tudo, em 2001 (...) é pensando milimetricamente para causar empatia, para não causar estranhamento e sentimento de que "isso não vai acontecer nunca" ou "é muito fora da realidade". Seus poucos diálogos não interferem no envolvimento, na projeção do telespectador nos personagens. Quem se entrega ao enredo, se vê cercado de teorias, termina de assistir ao filme com inquietação: "O que é a vida inteligente?" "Hal estava com falha ou foi programado para tal?" "o que são os monólitos?" "Teria o homem capacidade de evoluir sem um 'empurrãozinho'?", "Essa evolução seriam o fim da humanidade?" Eu não entendo de técnicas, não sou a mais observadora das pessoas, e concordo com a função de entretenimento do cinema. Mas, não posso negar, quando nos deparamos com um filme desses, somos obrigados a admitir a sétima arte como poderosa, autêntica e efetiva!
    Adri_face
    Adri_face

    Segui-los 15 seguidores Ler as 75 críticas deles

    5,0
    Enviada em 5 de dezembro de 2016
    Quando me apresentaram esse filme a primeira vez não entendi bem, achei entediante mas depois de muitos muitos anos com uma bagagem maior compreendi que esse filme com certeza é um marco no cinema. E agora cada vez que assisto sinto a emoção o suspense... Imagino como nao seria, ter assistido no lançamento em 1968. Maravilhoso.
    Ricardo L.
    Ricardo L.

    Segui-los 34145 seguidores Ler as 1 799 críticas deles

    5,0
    Enviada em 8 de julho de 2019
    Um dos divisores de águas do cinema! Não enche os meus olhos em alguns aspectos, mas dou o braço a torcer que moveu o cinema de patamar com sua tecnologia abrangente, realmente é de cair o queixo os efeitos desse filme, que até são inexplicáveis para uma época ainda escassa de tecnologia. Obra prima
    Ferris Bueller N.
    Ferris Bueller N.

    Segui-los 22 seguidores Ler as 94 críticas deles

    5,0
    Enviada em 10 de novembro de 2013
    Possivelmente, este é o filme mais complexo que o cinema já produziu. O desafio é examinar as pistas deixadas por Kubrick, e admirar a beleza deste trabalho.
    Edvaldo Lopes
    Edvaldo Lopes

    Segui-los 3 seguidores Ler as 2 críticas deles

    2,5
    Enviada em 6 de janeiro de 2013
    2001...é quase filme da época do cinema mudo, pra se ter uma ideia a primeira voz humana surge com cerca de 25 minutos e não tem tantas falas depois disso. Dinamismo nenhum, tudo muito moroso. Mas a marca desse filme de 1968 é mesmo o estilo futurista imaginado à época, aí sim o ponto forte da história. A história vai bem até a chegada do cosmonauta Dave Bowman ao Planeta Júpiter mergulhando num sei lá o quê, um festival de cores no espaço ou fruto dos delírios dele, daí pra frente a história fica totalmente sem sentido e realmente não dá pra entender mais nada, nada mesmo. A trilha sonora é muito boa.
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema
    Back to Top