Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Papicha
    Críticas AdoroCinema
    4,0
    Muito bom
    Papicha

    Por baixo dos véus

    por Bruno Carmelo

    A rebeldia é uma forma de resistência? Os filmes do 72º Festival de Cannes têm mostrado uma série de jovens cujo posicionamento político se resume à permanência em ambiente hostil: apesar dos bombardeios diários, a diretora Waad Al-Khateab se recusava a abandonar Alepo em For Sama, o jovem Sebastian se negava a seguir as regras de uma sociedade falida, embora se mantivesse dentro dela, em Sorry We Missed You, e agora Nedjma (Lyna Khoudri) ignora as ordens para portar o hijab e abandonar o curso universitário em Papicha, ainda que pretenda permanecer na Argélia. Nestes casos, a política não se faz na rua, de modo organizado e coletivo, com placas e gritos de guerra. O combate ocorre na esfera privada, no dia a dia, pelo não cumprimento das leis impostas.

     

    Além de se recusar a vestir o véu, a protagonista estuda moda e ostenta uma visão progressista sobre as mulheres. A prática de desenhar e vestir as clientes implica no direito de escolha destas personagens sobre seus corpos ao invés de seguir as leis castradoras impostas pelos homens. Talvez por isso o principal motor de conflito seja a intenção de elaborar um pequeno desfile de moda dentro da faculdade, no exato momento em que as mulheres são confinadas ao lar. Para os olhares ocidentais, o ato organizado para uma dúzia de espectadores parece uma brincadeira, mas para o país árabe nos anos 1990, em plena ascensão do radicalismo islâmico, este gesto constituía uma afronta ao governo.


     


    A diretora Mounia Meddour faz bom uso do potencial estético e narrativo dos tecidos. Os rolos de material são utilizados tanto para esconder as mulheres quanto para deixá-las mais belas; eles podem ocultar os cabelos dos olhares masculinos ou ocultar uma arma por baixo das roupas. O tecido é um elemento de decência e de indecência, assim como as facas podem ser ferramentas de uso diário ou objetos que provocam a morte. A roupa se torna uma arma, sendo tingido sucessivas vezes ao longo da trama pelo sangue, pela terra, pelas tintas; e então rasgado, costurado, combinado. Papicha constrói uma metáfora simples e funcional sobre esta peça do vestuário para demonstrar a dinâmica social.

     

    Em paralelo, esta obra de uma diretora estreante surpreende pela maturidade da direção. Meddour emprega um estilo arriscado: a câmera na mão, muito próxima dos rostos, tremendo de uma personagem à outra. Esta forma de imersão e urgência pode recair facilmente no fetichismo da marginalidade, porém neste caso demonstra um notável cuidado na composição – vide duas cenas específicas, uma após um tiro fatal, e outra, logo depois de um atentado. Talvez a sobreposição de duas cenas de praia prejudique o impacto de ambas, mas de modo geral, o filme atinge um grau de realismo excepcionalmente bem delineado. Em paralelo, as jovens atrizes são muito bem dirigidas, demonstrando conforto com os diálogos, naturalidade nos gestos e expressões, através de uma preciosa variação emocional. A teimosa protagonista demonstra fragilidade quando confrontada, o que atenua sua postura possivelmente heroica e faz dela uma figura mais verossímil.


     


    Talvez alguns elementos de roteiro possam ser contestados: a inocência da jovem que anuncia aos adversários a organização do desfile proibido, a falta de preparo para eventuais ataques, a ausência quase total da família em um ambiente conservador, o didatismo na catalogação dos males que podem afetar as mulheres num meio de repressão: a proibição do aborto, a obrigação do casamento, a recusa do prazer sexual. A cineasta representa diversos problemas numa narrativa só, tornando esta trajetória exemplar demais, e mesmo demonstrativa. No entanto, este pode ser o efeito colateral de uma obra verdadeiramente ambiciosa, feminista e humanista, com vocação a pintar um grande mosaico social ao invés de se limitar ao caso isolado. A rebeldia de Nedjma se estende a uma forma de cinema igualmente desprovido de concessões. O caráter juvenil, ou mesmo pueril de Papicha não deixa de constituir uma parte de sua qualidade.

     

    Filme visto no 72º Festival Internacional de Cinema de Cannes, em maio de 2019.

    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema

    Comentários

    • Cleide Santaella
      Filme denso, mas com final diluído!! Simplista o seu fim
    • Marina T.
      Filme extremamente emocionante ainda mais em um momento que vemos a religião ser usada contra as pessoas no nosso país e na américa latina.
    Mostrar comentários
    Back to Top