Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Desperados
    Críticas AdoroCinema
    2,0
    Fraco
    Desperados

    Viajar para se conhecer

    por Barbara Demerov
    Por mesclar momentos sem sentido com alguns focados especificamente no valor da amizade, Desperados não chega a ser uma comédia escrachada por completo, mas ainda assim ultrapassa alguns limites morais através de personagens desenvolvidos com superficialidade (como a própria protagonista Wesley, interpretada por Nasim Pedrad).

    Ao mesmo tempo em que insere momentos cômicos que funcionam graças a harmonia de Pedrad com Anna Camp e Sarah Burns, o filme se perde por não saber qual caminho seguir - especialmente pelo fato do roteiro buscar trazer uma mensagem honesta dentro de uma roupagem que não preza por um conteúdo sério. Se o início de uma cena aborda algum assunto importante ou pessoal para Wesley, Brooke (Camp) e Kaylie (Burns), ela nunca termina da mesma forma. Isso nos faz esquecer completamente de que, na verdade, a essência da história é sobre você ser fiel consigo mesma.

    Afinal, o redescobrimento interno pelo qual Wesley passa ao enviar por engano um longo e-mail a um namorado em potencial, logo transforma-se em algo coletivo durante a breve viagem ao México que faz com as amigas. Mas, na verdade, nada discutido entre elas ultrapassa da barreira de questionamentos e comportamentos estereotipados.

    APESAR DE DIVERTIDO, O FILME NÃO TRAZ RESOLUÇÕES COERENTES COM DESENVOLVIMENTO DA PERSONAGEM PRINCIPAL

    Enquanto comédia, o clichê certamente torna-se um aliado para o funcionamento de várias cenas que buscam entregar entretenimento. É por isso que Desperados chega a ser um filme divertido e despretensioso, mas que não se conecta com seu outro lado (o mais interessante, por sinal): a jornada de uma mulher de 30 anos que não sabe o que quer e sente que precisa seguir regras da sociedade - como encontrar um bom emprego, conhecer o par perfeito, casar e ter filhos. Ao transformar este desejo feito por pressão em algo necessário para conhecer melhor a si mesma, o filme poderia inverter bem a situação.



    Mas não é isso o que acontece. Apesar de Wesley ser uma personagem cativante pelo senso de humor e comentários ácidos, ela é essencialmente uma pessoa moldada por estereótipos e, mais do que isso, se permite ser apenas uma mulher sem falhas. O objetivo da história é o de nos mostrar o quanto essa limitação é equivocada - tanto para a pessoa que resiste à vontade de ser ela mesma quanto para quem está à sua volta -, mas no fim das contas, Wesley não consegue se desprender destes moldes.

    Afinal, por mais que a viagem para o México lhe abra os olhos para repensar como Wesley se porta diante de quem está interessada, ela permanece mais disposta a agradar os outros do que a si. Sendo assim, Desperados não traz uma solução coerente ao desenvolvimento da personagem, pois até mesmo dentro de um desfecho feliz, Wesley só foi capaz de encontrá-lo por estar acompanhada de outra pessoa, voltando ao princípio da trama.
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema

    Comentários

    Mostrar comentários
    Back to Top