Meu AdoroCinema
    Chicuarotes
    Críticas AdoroCinema
    3,0
    Legal
    Chicuarotes

    Se não for por bem, que seja por mal

    por Sarah Lyra
    A primeira cena de Chicuarotes, segundo trabalho de Gael García Bernal como diretor, é também a mais sintomática da problemática que se propõe a abordar. Dois amigos, Cagalera (Benny Emmanuel) e El Moloteco (Gabriel Carbajal), se vestem de palhaço e se apresentam dentro de um ônibus na esperança de arrecadar o suficiente para ter independência financeira. Frustrados com a recusa dos passageiros em colaborar com dinheiro, eles anunciam que não têm outra escolha a não ser roubá-los. "Tentamos ser legais, mas vocês não quiseram", diz um deles, enquanto saca o revólver. Ao terminar o assalto, os dois divergem sobre o ocorrido. Enquanto Cagalera acredita não ter tido outra opção, El Moloteco ressalta que é preciso manter uma rotina consistente na comédia, mesmo que pouco lucrativa, pois "foi assim que Cantinflas [famoso comediante mexicano] começou". À medida que o longa avança, entendemos que as duas lógicas fazem sentido dentro de suas respectivas realidades, o que ilustra a complexidade e as camadas contidas em uma vida sem perspectivas.

    Cagalera é um adolescente que divide um quarto com os dois irmãos, em uma pequena casa situada em San Gregorio Atlapulco, periferia sudeste da Cidade do México. Toda noite, eles ouvem o pai, Baturro (Enoc Leaño), de quem dependem financeiramente, chegar em casa e espancar a mãe, Tonchi (Dolores Heredia). Com o sonho de se mudar para longe de sua vizinhança, o jovem começa a participar de pequenos delitos no intuito de conseguir 20 mil pesos, pois ouviu de um amigo que essa é a quantia necessária para ingressar no trabalho em uma fábrica, capaz de torná-lo rico. É tocante observar a ingenuidade do garoto em acreditar que a quantia realmente pode salvá-lo de uma vida marcada por violência, como se um breve desvio de caráter fosse recompensá-lo por todo o sofrimento. Os já conhecidos fins que justificam os meios.



    Com essa convicção, o protagonista se une a um dos moradores para roubar o caixa de uma loja de roupas íntimas, apenas para chegar ao local e se dar conta de que não há nada para ser levado. A partir desse ponto, Chicuarotes se torna leve ao inserir cenas cômicas, como aquela em que, na impossibilidade de um lucro, Cagalera decide pegar lingeries femininas para vender, porque, mesmo sem nenhuma utilidade para as peças, precisa levar algo consigo para ter a sensação de que foi bem sucedido em sua empreitada. Esse tom se torna uma constante no longa, e a trama consegue transitar bem entre o drama intenso e o humor ácido de algumas cenas, fruto do trabalho de Bernal por trás das câmeras. É divertido notar como um sequestro, que normalmente está associado a uma carga emotiva pesada, se torna um dos momentos mais engraçados, já que os sequestradores não demonstram muita confiança no que estão executando e se atrapalham até para entregar o bilhete de resgate. E essa mesma leveza é responsável por oferecer um contraponto à violência do bairro.

    Bernal e o diretor de fotografia Juan Pablo Ramírez apostam nos plongées (câmera angulada de cima para baixo) e contra-plongées (de baixo para cima) para dar uma identidade própria à comunidade, empregando planos que vão além da estética e trabalham a sensação de confinamento dos moradores. Isso fica especialmente evidente na cena do açougue, quando um dos personagens é visto do alto, deitado no chão, do lado esquerdo da projeção, enquanto uma figura autoritária demonstrando habilidades com um facão ocupa o lado direito, ressaltando o contraste de forças — não só físicas como mentais — entre os dois. Igualmente interessante é o movimento de câmera que se aproxima lentamente da ação, quase como se tivesse tateando o caminho, e se posiciona ao lado dos personagens, inserindo o espectador nas cenas mais sensíveis como uma das figuras indefesas e impotentes, que nada podem fazer para mudar a realidade cruel com a qual se deparam diariamente.



    Enquanto a dinâmica familiar abusiva e a figura do açougueiro — que não percebe a contradição em atuar como justiceiro local e ao mesmo tempo pregar que os jovens fiquem longe das armas — se mostram decisões acertadas do roteiro, outras, como a total ausência de informações sobre a família de El Moloteco e a decisão de não explorar a subtrama de Victor (Pedro Joaquin), que sofre bullying do irmão por ser gay, abrem grandes lacunas na história. Chicuarotes é um filme que esbanja energia e parece ter uma percepção muito apurada sobre o ambiente que ocupa — algo bem ilustrado pelo belo design de produção, que dá personalidade às ruas e paredes de San Gregorio Atlapulco e à casa habitada pela família —, mas, simultaneamente, apresenta dificuldades em direcionar seu foco, o que resulta em uma abordagem por vezes superficial de questões muito complexas, como a própria relação de Baturro com seus filhos e esposa. O filme demonstra mais interesse em explorar a região do que seus personagens, e, por esse motivo, talvez fizesse mais sentido ter assumido a posição do bairro como protagonista.

    O núcleo familiar, embora seja um dos pontos altos do longa, se sustenta em grande parte pela forte presença de Dolores Heredia em tela, que entrega uma atuação impressionante na pele de Tonchi, responsável pelo desfecho mais criativo e impactante da trama. O ato final, em que a violência é espetacularizada pela figura do açougueiro, ganha força a partir da procissão de moradores em busca de justiça e do confronto de Cagalera com seu destino. Em sua conclusão, Chicuarotes apresenta em poucos segundos uma espécie de reviravolta moral, em que nos convida a revisitar tudo aquilo que achávamos saber sobre o protagonista, e consequentemente nos fazendo questionar a quem destinar nossa empatia. Uma espécie de traição da qual o espectador dificilmente conseguirá se recuperar, e que denuncia a natureza do ser humano de quebrar seus próprios códigos morais como instinto de autopreservação.
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema

    Comentários

    Mostrar comentários
    Back to Top