Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    A Maratona de Brittany
    Média
    3,7
    29 notas e 7 críticas
    distribuição de 7 críticas por nota
    5 críticas
    1 crítica
    1 crítica
    0 crítica
    0 crítica
    0 crítica
    Você assistiu A Maratona de Brittany ?

    7 críticas do leitor

    Nelson J
    Nelson J

    Segui-los 21620 seguidores Ler as 1 226 críticas deles

    4,0
    Enviada em 24 de dezembro de 2019
    Filme baseado em fatos reais sobre a autoaceitação e a autoestima. Mulher obesa percebe que o o peso não é o fato real que a deixa infeliz. Sua jornada é cheia de altos e baixos, mas na direção correta.
    Alan David
    Alan David

    Segui-los 8572 seguidores Ler as 685 críticas deles

    3,5
    Enviada em 25 de outubro de 2019
    A Maratona de Brittany consegue ser engraçado e, ao mesmo tempo, comovente. Para a crítica completa, link a seguir: http://www.parsageeks.com.br/2019/10/critica-cinema-maratona-de-brittany.html
    Ikaro Sousa
    Ikaro Sousa

    Segui-los Ler a crítica deles

    5,0
    Enviada em 4 de maio de 2020
    Um filme motivador para muitas pessoas, onde podemos tirar VARIOS exemplos para a nossas vida. Mostra que precisamos abrir mão de muitas coisas TÓXICAS, para mudar a nossa vida de para melhor. Autoaceitação, autoestima é abordada no filme, mas um final comovente e emocionante
    Andreia F.
    Andreia F.

    Segui-los Ler as 4 críticas deles

    5,0
    Enviada em 16 de maio de 2020
    sinceramente é incrível quando vc se indentifica com um filme , vc sente a dor a frustração do personagem , é inexplicável o que eu senti vendo esse filme ! para mim foi como uma terapia me ver dentro de um filme e entender meus próprios sentimentos ! simplesmente genial.
    Patricia Ferreira
    Patricia Ferreira

    Segui-los Ler as 3 críticas deles

    5,0
    Enviada em 10 de julho de 2020
    Um filme inspirador, pra quem está se sentindo perdido e não sabe por onde começar, pequenas metas.
    Marilene Jaime
    Marilene Jaime

    Segui-los Ler a crítica deles

    5,0
    Enviada em 30 de novembro de 2019
    O filme entrega uma narrativa fluida e envolvente, que nos espelha em várias situações vividas pela personagem principal. Como corredora é impossível não se correlacionar a várias das situações propostas pela narrativa, inclusive quando as mudanças ocorrem na vida da personagem e, muitos dos hábitos e amizades vão ficando pra trás. Singelo e emocionante uma verdadeira lição de vida!
    Manoel V
    Manoel V

    Segui-los Ler as 2 críticas deles

    5,0
    Enviada em 31 de outubro de 2019
    A MARATONA DE BRITTANY – DELEUZE E OS DESEJOS: O PODER DA AMIZADE A maratona de Brittany (Brittany Runs a Marathon), direção e roteiro de Paul Downs Colaizzo, é baseado na história real de uma sua amiga, fato que ele presenciou de perto e transformou no filme. A princípio, parece ser uma comédia inocente, mas, sob um bisturi dissecador vemos tratar-se, utilizando a glamourizada maratona de Nova York como fundo, de uma transposição para a tela de questões profundas sobre a vida: relacionamentos tóxicos, pseudo aceitações, raiva, discriminação, abusos, superação, processos de conscientização e, principalmente, de AMIZADES. Brittany (Jillian Bell), 30 anos, sedentária, frustrada profissionalmente, sem vida amorosa, sem dinheiro, obesa, de vida em bares noturnos e usuária de drogas, é recepcionista de um teatro de Nova York, mas também, em dupla jornada, trabalha como cuidadora do cachorro de um casal ricaço que passa semanas fora de Nova York. No luxuoso apartamento de seus empregadores, ela conhece Jern (Utkarsh Ambudkar), contratado para passar todas as noites no local. Dois divergentes, com sérios questões disfuncionais, duros, que passam a morar ali clandestinamente, até serem descobertos e despedidos. Têm um relacionamento suis generis, de desencontros relacionais nos encontros físicos. Brittany divide apartamento com Gretchen (Alice Lee), com que tem uma amizade tóxica, ambas, juntas, frequentam as agitadas noites de New York levando uma vida solitária de bebedeiras, drogas, sexo casual, encontros buscados pela internet, sem planos. Abusada na infância por sua obesidade, Brittany se torna uma adulta que esconde seus questionamentos disfuncionais num personagem “falsa-alegre”, irresponsável e irônico. Ao chamado do corpo, este oráculo da vida, procura ajuda médica, sendo diagnosticada com excesso de gordura no fígado, é aconselhada a mudar sua rotina e levar uma vida mais saudável. Decide, então, se exercitar confrontando as dificuldades do corpo e da mente. Na vida real Jillian, durante as filmagens emagreceu vinte quilos para tornar real a transformação da personagem Com ajuda de sua vizinha Catherine (Michaela Watkins), a “riquinha”, que a primeira vista lhe é detestável por, ao seu dizer, ter uma vida perfeita, aparência que logo se desvela e de Seth (Micah Sock) um gay que deseja virar corredor para impressionar o filho que tem com seu companheiro, pois ele teme que o garoto o considere pouco atlético, Brittany decide participar da maratona de Nova York, iniciando um intenso treinamento sofrendo com oscilações de temperamento e dedicação. Não é objetivo aqui mostrar cada fato disfuncional, os transtornos nos personagens, que são muitos ricos em detalhes, sendo necessário assistir o filme pelo ao menos umas três vezes, a fim de capturar o sentido e o valor de cada evento. O que eu quero aqui chamar a atenção, como Psicólogo, é o modo como se dá o processo de “cura” dos personagens, tendo como base alguns ensinamentos da filosofia de Deleuze-Guattari, principalmente nos livros Anti-Édipo e Mil Platôs. Em princípio, é bom dizer que não há nenhum Psicólogo Clínico, Psicanalista ou qualquer espécie de terapeuta que seja responsável pelas “curas” de Brittany, Jern, Seth e Catherine. Tudo se dá em torno de relacionamentos, encontros de corpos e mentes, das amizades construídas. Deleuze-Guattari, Spinozistas, ao desconstruir o fundamento do desejo freudiano e da tradição, desde Platão, como falta, afirma que o querer é construção, fruto do encontro dos corpos e dos relacionamentos. Poderíamos sem medo dizer que o tema do filme é o PODER DA AMIZADE. Pois bem! O que se vê no filme de Colaizzo são “curas”, sem terapia, acontecida pelos encontros de corpos e mentes e relacionamentos que de alguma forma querem desejar, pela amizade. Os desejos acontecendo no ato de desejar, frutos dos encontros. Não é à-toa que o relacionamento de Brittany com o internauta não frutifique, em função de sua artificialidade. Brittany, sintomática do abuso que sofrera em criança, está sempre em fuga, evitativa e desconfiada aos apelos de amizade de Catherine e Jern, o que não é para menos para alguém que desde a infância teve que refutar o olhar do outro com medo da repetição do abuso. Mas, como diz Nietzsche, a Vontade de Potência, de Vida, prevalece e os corpos, no bom encontro, no dizer de Spinoza, se confraternizam. Quase, porque Brittany ainda....... Manoel Vasconcellos Gomes é Psicólogo (CRP 5/49191), Advogado (OAB/RJ 202.212), Bacharel em Ciências Náuticas, Engenheiro Têxtil e Filósofo.
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema
    Back to Top