Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Pelo Direito de Ser Feliz
    Pelo Direito de Ser Feliz
    agosto 2018 / 1h 45min / Drama, Romance, Histórico
    Direção: Jeffrey Walker
    Elenco: Damon Herriman, Kate Box, Xavier Samuel
    Nacionalidade Austrália
    Usuários
    3,3 6 notas
    Avaliar :
    0.5
    1
    1.5
    2
    2.5
    3
    3.5
    4
    4.5
    5
    Vou ver

    Sinopse e detalhes

    Austrália, 1978. A luta pela descriminalização da homossexualidade cordenada pela militância LGBT está a todo vapor, e a repressão é cada vez maior. O líder do movimento decide organizar uma grande parada gay em uma das principais avenidas da cidade, convocando toda a comunidade à participar. Mesmo se tratando de um ato pacífico, a força policial responde com exagerada violência e os protestantes terão que se munir de muita coragem para enfrentá-la. 

    Classificação indicativa a definir por http://www.culturadigital.br/classind

    Título original

    Riot

    Distribuidor -
    Ver detalhes técnicos
    Ano de produção 2018
    Tipo de filme longa-metragem
    Curiosidades -
    Orçamento -
    Idiomas Inglês
    Formato de produção -
    Cor Colorido
    Formato de áudio -
    Formato de projeção -
    Número Visa -
    Pela web

    Elenco

    Damon Herriman
    Personagem : Lance Gowland
    Kate Box
    Personagem : Marg McMann
    Xavier Samuel
    Personagem : Jim Walker
    Jessica De Gouw
    Personagem : Robyn Plaister
    Ficha completa

    Fotos

    Curiosidade das filmagens

    Se você gosta desse filme, talvez você também goste de...

    Mais filmes similares

    Comentários

    • Tim Meme
      Filme muito bonito, traz luz a um fato histórico não tão conhecido, personagens muito bem desenhados, merece ser visto.
    • Kel L
      O filme ti prende... Já que mergulha em um fato histórico, e só. Esse fato ocorre pela construção da produção (deduzo), aos meus olhos só o roteiro evidenciou. Tudo é dinâmico e frenético no roteiro. Não poliram o roteiro, não exploraram as nuanças que o roteiro permitia... Ou seja, muito enxuto, despedido e objetivo (minha referência de análise se baseou no filme: Pride), porém não conheço o orçamento de cada um pra justificar tal análise. Meu saldo do filme foi: o orgulho de conhecer esse movimento que: resistiu e e rompeu o Contrato Social, saindo da margem, a fim de viver suas vidas; Me permitiu refletir que: estamos regredindo. Pois o Brasil passará por esse contexto adverso do filme, já que estamos construindo um Review do que ocorreu na Ucrânia e na Rússia... (Maus ventos vem por aí...); e por último essa palavra de ordem fudida que se cantava: nós não sairemos daqui. Como uma árvore que fica perto da água
    Mostrar comentários
    Back to Top