Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Maria e João: O Conto das Bruxas
    Críticas AdoroCinema
    3,5
    Bom
    Maria e João: O Conto das Bruxas

    Troca de protagonismo que se sustenta

    por Barbara Demerov
    Optar por uma nova versão de um conto de clássico da literatura, João e Maria, poderia ser um tiro no pé devido à extensão da fama desta narrativa. Todo mundo conhece a história, mas em Maria e João uma inversão que se justifica muito bem desde o princípio, não se limitando somente à mudança do título. Ao dar espaço para Maria, inclusive com poderes sobrenaturais, o filme adentra uma atmosfera ainda mais sombria do que aquela que sempre foi encontrada na casa da bruxa que atrai crianças para sua casa a fim de transformá-las em refeição.

    O diretor Oz Perkins (filho de Anthony Perkins) revitaliza o conto dando espaço à personagem de Sophia Lillis de uma forma inesperada, mas não menos orgânica. É dela que vem a necessidade de percorrer a floresta sombria com seu irmão, pois a mãe, viúva, exige de Maria responsabilidades precoces e extremamente incômodas (como a de trabalhar na casa de um homem mais velho que apenas a vê como brinquedo sexual). São poucas as cenas que demonstram a dificuldade enfrentada por uma menina que busca se conhecer melhor como qualquer outra, mas tudo é bem delineado de modo a deixar clara as possíveis ramificações da jornada da protagonista.



    Para garantir o clima de tensão e mistério, que quase nunca saem da tela, Perkins conta com o notável trabalho do diretor de fotografia Galo Olivares. Não que o roteiro não seja bom o suficiente, mas o que mais se destaca em Maria e João é justamente o visual impecável. Os ambientes de cores frias - seja na casa ou na floresta - e as formas triangulares que cercam o local escuro se unem à planos diferenciados, incluindo o uso de câmera grande angular e planos subjetivos que fortalecem as descobertas de Maria acerca da senhora que acolheu ela e seu irmão.

    Curiosamente, é na extensão do conto que estão os elementos mais fantasiosos do filme. Maria e João vai inserindo as informações aos poucos ao espectador, apesar de nada ali ser exatamente tão abrupto. O olhar é sempre o da protagonista, o que facilita a imersão por estarmos acompanhando as viradas narrativa ao mesmo tempo que Maria. Assim, com a magia e os horizontes providenciados por Holda (Alice Krige), a menina finalmente conhece a sensação de pertencimento.

    Tal sensação e os desdobramentos que isso acarreta formam o verdadeiro ponto de virada do longa. Afinal, para se tornar um indivíduo livre mental e fisicamente, é preciso tomar algumas atitudes que, mesmo não sendo nada fáceis, podem ser essenciais para evoluir. Maria e João traz questionamentos sobre o papel da mulher na sociedade e os contrastes existentes em irmãos que se amam (uma se conecta com árvores e outro que comemora a queda delas com o machado) no formato de fábula, narrada em primeira pessoa e com uma identidade visual primorosa para acompanhar.
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema

    Comentários

    • Fernanda Serafim
      Filme fraco, sem emoção alguma. Só foca na Maria. A sensação q tive foi que o clímax do filme ainda ia chegar. Mas não chegou nunca!
    • Peterson Abreu
      Filme muito fraco. Decepção total.
    • Johnny Mendes
      Filme com uma pegada mais madura sobre a história de João e Maria e foca na personagem feminina, porém deixa muitos vácuos no decorrer da história e esfria o espectador com quebras de cenas. Resumindo: terrível, prefiro João e Maria - Caçadores de Bruxas (2013).
    • Alex L
      Mais uma obra de Lacração, que enaltece: o feminismo, bruxaria, e ocultismo.
    • Sérgio C.
      Filma para psicólogos, não para quem deseja diversão. Fraco
    • Brunu Mitty
      Maravilhoso filme ....
    Mostrar comentários
    Back to Top