Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    After
    Críticas AdoroCinema
    2,5
    Regular
    After

    Clássico recauchutado

    por Francisco Russo

    Certos temas são atemporais, não apenas no cinema mas na arte em geral. Há séculos a busca por um grande amor norteia autores de todo tipo, de Shakespeare e seu Romeu e JulietaEmily Brontë com O Morro dos Ventos Uivantes. Diante de tanta abundância, a escritora Anna Todd sequer tenta ousar em After: a proposta aqui é reinventar a roda, adaptando uma história batida para os dias atuais ao mesmo tempo em que salpica referências aqui e ali, para dar sustância. E isto não é demérito algum, tamanha a honestidade transmitida ao espectador, por mais que comparações e semelhanças sejam inevitáveis.


    A primeira delas, escancarada, é em relação a Cinquenta Tons de Cinza. Nem tanto pelo clima apimentado da saga sexual criada por E.L. James, mas pela concepção da protagonista feminina: Tessa Young - atenção ao sobrenome, não por acaso! - é a cópia exata de Anastasia Steele, seja pela ingenuidade comportamental, pelo figurino angelical ou mesmo pela virgindade purificada. Seu contraponto é Hardin Scott, cuja cartilha também segue à risca os estereótipos básicos: ar de rebelde, fugidio, uma beleza exótica a la James Dean, com uma pitada de devorador que ecoa em relação ao sexo. E é só.

    Ao contrário do que o marketing apregoa, After passa longe das fantasias e fetiches sexuais da trilogia Cinquenta Tons de Cinza. É claro que o filme explora a sensualidade latente de dois jovens com os hormônios a flor da pele, cada vez mais enamorados, mas também com uma boa dose de puritanismo. A proposta aqui é recontar a clássica história dos diferentes que se apaixonam, ao ponto de um ensinar ao outro a arte de amar, enfrentando traumas do passado e barreiras do presente. Isto, é claro, pontuando olhares penetrantes e a química do casal, como reza a cartilha do subgênero.



    Curiosamente, o mesmo puritanismo que After traz em relação ao casal protagonista não se espelha nas subtramas. Se o ambiente da faculdade é ressaltado pelo potencial pecaminoso, ao menos sob a ótica da mãe de Tessa, é nele também que o filme entrega seu lado mais liberal ao abordar a bissexualidade sem julgamento. É neste aspecto que a roteirista Susan McMartin tenta capturar o atual público jovem, ambientando uma trama batida numa realidade facilmente reconhecível, ao mesmo tempo em que combate conservadorismos arraigados. A história de amor entre Tessa e Hardin, "ousada" por si só, tem seus ecos também em quem os rodeia.

    É claro que, para que tal proposta funcione, a capacidade do casal escolhido é crucial - e, neste ponto, há uma certa dicotomia. Se Josephine Langford apresenta desenvoltura ao compor uma Tessa que alterna entre momentos tão distintos, da quase clausura emocional à entrega absoluta, Hero Fiennes-Tiffin é de uma nulidade interpretativa impressionante. Se o casal tem seus bons momentos, muito é graças à direção de Jenny Gage nas sequências mais "picantes".


    Absolutamente previsível, After enfrenta o sério problema da ausência de conflito apresentando muitas cenas de pegação entre seus dois atores principais, como se o tesão retratado compensasse a falta de história a ser desenvolvida - diante do material em mãos, a barriga na metade final é inevitável. A trilha sonora suave e repleta de canções pop românticas complementam o cenário, quase sempre solar para ressaltar a descoberta deste grande amor. No fim das contas, é exatamente isso que After propõe: converter para os dias atuais uma história antiga em torno de um amor exacerbado, se possível abrindo espaço para continuações. Exigir dele mais que isso é leviano, ainda mais para um filme que, de forma tão honesta, escancara o que pretende ser.
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema

    Comentários

    • Juliana Cunha
      O filme não aborda os problemas psicólogicos de Hardin, nem mostra todos os momentos de furias dele e o quão escroto ele é com Tessa. Li todos os livros e quase desisti por conta das atitudes babacas dele, mas conforme vai chegando o final de tudo vc vê como ele evolui e passa a entender melhor a essência da história.
    • Igor Lima Santos
      Eu tive um relacionamento, e fiquei muito ofendido quando eu li esse livro (por recomendação dela) e disse ainda que se encaixava perfeitamente com nossa história, basicamente o livro tem tudo que eu mais detesto em relacionamento, seja traição, brigas e comportamento infantil, além do fato de estar juntos unica e exclusivamente por conta do sexo.
    • Ana Carolina M.
      O filme é lindo mais faltou muito pra chegar a história do livro, mais como vai ter continuação , então por favor faça melhor o próximo , essa linda história merece .
    • Crys
      É um filme que enaltece tudo que há de um ruim em um relacionamento tóxico. Não precisamos disso.
    • Talita Paccelli
      Bemm, eu não gostei do filme, pelo simples fato que não abordou o fator principal que o livro expõe, que é o temperamento abusivo de hard e a irritante tessa com seu puritanismo, quando ele era bom, ela não era e assim vice versa. E isso não foi abordado no filme, pra mim foi um romance como se não tivessem problemas nenhum, enfim.... poderia ser mais focado no fator principal.
    • Camila Quintanilha
      uma pena o filme ter sido esse vexame. o livro é muito mais q isso. tem história e uma trama densa e de descobertas constantes.
    Mostrar comentários
    Back to Top