Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Shirley
    Críticas AdoroCinema
    4,0
    Muito bom
    Shirley

    Mergulho profundo

    por Barbara Demerov
    A diretora Josephine Decker já havia mostrado a que veio em A Madeline de Madeline, de 2018, com seu estilo de filmagem que sempre prioriza a proximidade para com seu elenco. E é essa mesma proximidade na filmagem, que se estende como método para expor ainda mais os sentimentos de suas protagonistas, que Decker realiza um ótimo trabalho com Shirley. Ela usa e abusa do poder que a câmera possui para contar histórias sem muitas palavras mas, ainda assim, mescla a linguagem dos olhares com a dupla de atrizes Elisabeth Moss e Odessa Young.

    Com ambas em perfeita sintonia, é até difícil se desprender da ideia de que a Shirley Jackson de Moss está se aproveitando da ingênua Rose. Escritora brilhante que lutou contra sua ansiedade e agorafobia, a personagem-título é "salva" por Rose, que, grávida, passou a morar em sua casa juntamente de seu marido (Logan Lerman). Shirley ganha a possibilidade de salvação ao reencontrar inspiração para escrever, e o filme passa a acompanhar o processo ao mesmo tempo em que dosa romance e drama - assim como a disputa de egos no meio acadêmico nas décadas de 50/60.

    Shirley separa bem os mundos dos maridos e das esposas, mas sempre se apropriando de um tom crítico que exalta as atitudes machistas dos homens do elenco - especialmente Stanley (Michael Stuhlbarg), marido da escritora. Ao mesmo tempo, Decker apresenta o tempestuoso relacionamento entre o casal de intelectuais e sua dinâmica nada saudável (que chega até na invasão de Stanley no processo de criação de Shirley). Aos poucos, é possível observar certa amabilidade do marido, mas ainda assim é evidente que a prisão mental da protagonista, em parte, foi causada pelo companheiro.



    Apesar de ser interessante acompanhar a dinâmica que se constrói dentro da casa com dois casais que pouco se conhecem, nada se equipara ao domínio da atuação de Moss, que individualmente já toma para si toda a carga emocional da narrativa e entrega bastante intensidade ao espectador. Por muitas vezes sem precisar dizer nada, a presença de sua Shirley já é o suficiente para trazer a sensação de que estamos acompanhando a história unicamente através de sua perspectiva. Se os devaneios inseridos por Decker soam fora do lugar no início, lentamente eles passam a preencher diversas lacunas da história.

    O destaque dado à ótima Odessa Young garante um contraste entre as personalidades de Rose e Shirley, assim como na intensidade crescente de um relacionamento confuso e transformador para ambas as mulheres. Se por um lado Shirley precisava de um empurrão profissional e acaba por se reencontrar por completo, Rose ganha novos olhos para a mesma realidade que um dia era suficiente; e todo o processo é realmente muito atraente de se acompanhar. Se uma personagem intriga pelo mistério, a outra surpreende pelos desejos mais profundos.

    Apesar de sabermos que apenas uma delas saiu ganhando algo mais concreto, o modo como Decker desenrola a narrativa de Shirley não vilaniza ninguém. É tudo uma questão de troca - e as belíssimas imagens registradas entre a imaginação tomando forma e a realidade intimidadora dizem tudo por si só. Shirley é uma experimentação para os personagens em tela, mas também entrega uma espécie de dissertação ao próprio espectador devido ao mergulho na psiquê de uma mulher de muitas camadas.
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema

    Comentários

    Mostrar comentários
    Back to Top