Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Um Lindo Dia na Vizinhança
    Críticas AdoroCinema
    3,5
    Bom
    Um Lindo Dia na Vizinhança

    O enigma do herói

    por Sarah Lyra
    Já nos segundos iniciais de Um Lindo Dia na Vizinhança, enquanto assistimos ao programa infantil de TV do aclamado Fred Rogers, é inevitável pensar como Tom Hanks, seu intérprete aqui, parece ter nascido para o papel. É sabido que o ator tem preferência por personagens bondosos e heróicos, mas no longa de Marielle Heller essa característica vai além, retratando o apresentador quase como uma divindade. Felizmente, o status de ser humano elevado é questionado a todo instante pelo jornalista investigativo Lloyd Vogel (Matthew Rhys), e a partir do encontro entre a modéstia de um com o cinismo do outro o filme provoca discussões sobre convívio em sociedade, rancor e perdão.

    É interessante ver como Heller assume o didatismo na montagem e roteiro para comunicar a habilidade e o prazer de Rogers em ensinar. Por isso, o que normalmente pareceria excessivamente explicativo, aqui faz sentido por se tratar de um programa infantil e ao mesmo tempo servir como caracterização de uma figura tão diferenciada que se torna um enigma. A diretora brinca com as percepções do público em relação ao homem e seu modo de enxergar o mundo, ao passo que se torna inevitável não se identificar com a inquietação de Vogel. Afinal, é possível que alguém seja tão bom o tempo todo? Há alguma farsa a ser desmascarada? Trata-se de uma persona pública que se confunde à vida pessoal ou talvez uma atuação constante? A resposta nunca vem ao certo, e Heller desafia o espectador a rever suas próprias convicções para entender as de Rogers.

    Paralelamente, o roteiro explora o drama da família Vogel como se fosse um dos episódios do programa apresentado por Rogers. Para isso, emprega planos aéreos que nos conduzem pelos quarteirões da vizinhança de Lloyd, enquanto ilustra a movimentação entre diferentes pontos através das miniaturas coloridas usadas no cenário do programa. Um recurso de linguagem também elegantemente empregado por Heller é o da cena em que Sr. Rogers desafia Lloyd a ficar em silêncio por um minuto e pensar em todas as pessoas que tiveram influência em sua formação como pessoa. A cena é simples mas tocante por algumas decisões de Heller.



    Primeiro, porque realmente dedica um minuto inteiro de projeção a esse momento, em vez de apenas sugerir a passagem do tempo, como normalmente é feito na montagem. E segundo porque não apenas permite, mas instiga o espectador a fazer o mesmo exercício que o protagonista. Quem não pensou em sequer uma pessoa que moldou seu caráter durante a brecha dada pelo filme? E a quebra sutil da quarta parede por parte de Hanks revela claramente a intenção de Heller em elevar o espectador do longa a um espectador de Rogers.

    Além do aspecto pedagógico e educativo, há também um elemento de autoajuda nas lições do apresentador, mas que não necessariamente se convertem em uma tentativa de doutrinação, tampouco é passado de modo condescendente. Heller é eficiente ao humanizar e tornar acessível a figura do herói, principalmente quando reforça que o comportamento de Rogers é fruto de uma determinação diária de fazer o bem e aprender a lidar com frustrações e tristezas.



    O roteiro de Micah Fitzerman-Blue e Noah Harpster, embora cuidadoso ao estabelecer as relações afetivas, peca ao simplificar algumas questões importantes. Usar a morte como meio de aproximação entre entes que há anos não se falam não é exatamente inovador, e Heller pouco se aprofunda nas dinâmicas que poderiam diferenciar o drama familiar. Exemplo disso é o fato de as personagens femininas atuarem estritamente em função dos três homens que movimentam a trama — Fred, Lloyd e Jerry (Chris Cooper). Lorraine (Tammy Blanchard) parece não se importar em ser constantemente tratada como piada por estar em seu terceiro casamento, e Joanne Rogers (Maryann Plunkett) surge apenas para dar algumas pistas sobre o temperamento do marido

    À Andrea Vogel (Susan Kelechi Watson) só cabe o papel de esposa compreensiva, que está ali para atender às demandas emocionais do marido e impulsioná-lo a ser sua melhor versão — algo não muito diferente do que é visto no papel que interpreta na série This Is Us. É ainda mais sintomático que Lloyd esteja sempre a postos para soar correto enquanto explica ao pai conservador que a criação de um filho não é obrigação exclusiva da mulher, ou quando ressalta a carreira de Andrea quando esta é chamada de “boneca” pelo sogro. Na prática, porém, o protagonista reforça comportamentos machistas ao sempre colocar a esposa na posição de dedicar muito mais tempo ao filho do que ele mesmo consegue, já que o trabalho na revista é sempre sua prioridade. Até mesmo a discussão no hospital, quando Lloyd diz que a paternidade o desafia a perder interesse pelas coisas sempre o interessaram, não vai muito além na questão.

    Diante do que é mostrado, Rhys pode até ser o protagonista, mas é Hanks quem sustenta a trama com o carisma enigmático de Fred Rogers e uma atuação em que as duas grandes personalidades se confundem.

    Filme visto no 21º Festival do Rio, em dezembro de 2019.
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema

    Comentários

    • Marcelo Soares de Barros
      mas e final do filme aonde o Loyld vira para esposa e diz q não vai colocar o filho numa creche para ela seguir com sua profissão, que ELE vai cuidar do filho para ela ser feliz no que faz? isso que o filme quis dizer, ou a diretora quis passar, conseguindo vc ver o mundo de uma maneira diferente, menos ranzinza, menos galo de briga, menos magoado, q vc consegue enxergar no outro q ele precisa de vc e então....é isso.
    • Lívia
      Gente filme com Tom Hanks não tem erro...Que filme bonito, nos faz pensar , e nos ajuda a entender que ser gentil, doce e ver as pessoas além do que elas aparentam ser pode ajudar e muito a sermos bondosos sem esperar nada em troca ...A paz interior vem de ajudar outros , mesmo quando estamos sofrendo também...Alguns encaram ser bondoso e gentil como uma máscara, como sendo falso...Existem pessoas que fazem isso com uma segunda intenção, sim , existe e quando a isso não temos controle...Mas há ainda pessoas sinceras, e se não forem reconhecidas ou retribuídas, por serem sinceras e serem assim de coração , isso não será problema.Que mensagem linda...Se reconheça, aceite ajuda e ajude outros!
    Mostrar comentários
    Back to Top