Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Guerra nas Estrelas
    Média
    4,6
    2631 notas e 362 críticas
    distribuição de 362 críticas por nota
    170 críticas
    105 críticas
    47 críticas
    26 críticas
    8 críticas
    6 críticas
    Você assistiu Guerra nas Estrelas ?

    362 críticas do leitor

    anônimo
    Um visitante
    5,0
    Enviada em 14 de abril de 2019
    Os diálogos são super expositivos e infantis, a maioria dos personagens são subdesenvolvidos e cartunescos...Sem falar dos efeitos visuais toscos que dataram bem rápido. Ainda sim, Uma Nova Esperança representa um momento marcante na história do cinema, e contém temas universais em sua mitologia. A ação é empolgante e o clima gostoso de aventura está presente o tempo todo. Não é um dos melhores da franquia, mas é um bom ponto de partida para a memorável saga.
    Eduardo S.
    Eduardo S.

    Segui-los 15 seguidores Ler as 26 críticas deles

    5,0
    Enviada em 6 de maio de 2013
    Com o sucesso de crítica e público de “Loucuras de Verão“ (1973), o diretor George Lucas conseguiu depois da recusa de alguns estúdios, que a Fox financiasse seu projeto mais ambicioso, o primeiro filme da saga Star Wars. Com uma sacada genial e quase premonitória, o diretor abriu mão de seu salário em troca de total controle sobre a obra e mais os direitos de merchandising, fato bem incomum para a época. Foi o terceiro longa-metragem da carreira de Lucas, que assina também o roteiro excepcional, inventivo e com personagens marcantes e populares até hoje. O jovem elenco foi excepcional, principalmente Mark Hamill (Luke Skywalker) em seu primeiro longa-metragem de cinema, após estrear como um dos dubladores da animação “Wizards” de Ralph Bakshi, lançada também em 1977. Carrie Fisher (Princesa Leia Organa) em sua segunda aparição nos cinemas, com um grande papel feminino em que atuou muito bem. Harrison Ford (Han Solo) já havia sido dirigido por Lucas em “Loucuras de Verão“ (1973) e participado também do elogiado “A Conversação” (1974) de Francis Ford Coppola, conseguindo aqui sua grande chance ao estrelato, como o anti-herói mais popular do cinema. O grande Alec Guinness (Ben/Obi-Wan Kenobi) como era de se imaginar, tem uma atuação brilhante e extremamente marcante. Outro ator britânico que merece ser mencionado é Peter Cushing (Grand Moff Tarkin), famoso pelas produções de horror dos Estúdios Hammer, fazendo um dos vilões com muita competência e talento. Dos muitos ícones da saga, Darth Vader é um dos mais populares de toda a história do cinema, fazendo parte da cultura popular desde sua estreia. Dois nomes foram responsáveis pelo notável personagem, David Prowse emprestando seu porte físico e James Earl Jones emprestando sua poderosa e inconfundível voz. Outros grandes personagens apresentados foram: C-3PO (Anthony Daniels) e R2-D2 (Kenny Baker), como os dróides/robôs mais queridos do cinema e o peludo e mal-humorado Chewbacca (Peter Mayhew). Os efeitos visuais foram revolucionários, sendo o segundo longa-metragem com o selo da famosa Industrial Light & Magic, fundada por Lucas em 1975. Os grandes e geniais pioneiros, por traz dos magníficos efeitos visuais foram: John Stears, John Dykstra, Richard Edlund, Grant McCune & Robert Blalack. Ainda em início de carreira, o grande maquiador Rick Baker foi um dos responsáveis pela exótica, perfeita e extraordinária maquiagem, já dando sinais do que viria a ser. Apesar de pouco comentada a fotografia de Gilbert Taylor, merece ser destacada também, principalmente nas cenas na Tunísia. Umas das coisas mais interessantes e importantes foram os extraordinários cenários dos diretores de arte (John Barry, Norman Reynolds, Leslie Dilley & Roger Christian), que vão dos cenários no deserto da Tunísia aos interiores das espaçonaves. O figurinista John Mollo estreou no cinema, produzindo uma variedade incrível de trajes, que vão do comum ao exótico, com muita criatividade e talento. A trilha-sonora criada pelo grande John Williams é uma das mais famosas e icônicas da história do cinema. Star Wars não seria tão importante, não teria tanto impacto e popularidade, sem a extraordinária e clássica trilha-sonora do maestro Williams. O som é o responsável por grande parte da emoção de um grande filme como este, dando vida às espetaculares imagens projetadas. Os grandes responsáveis foram: Don MacDougall, Ray West, Bob Minkler & Derek Ball. Fazendo parte desta área também, Ben Burtt foi o responsável pelos extraordinários efeitos sonoros, dando vozes a várias criaturas, alienígenas e robôs. Com edição ágil e perfeita, o trio de editores (Paul Hirsch, Marcia Lucas & Richard Chew), teve a árdua tarefa de ver o que funcionava ou não, tudo é lógico supervisionado por Lucas, que certamente acompanhava o trabalho de sua esposa Marcia. O filme foi indicado para dez Oscars, incluindo os de Filme, Diretor (George Lucas), Roteiro (George Lucas), Ator Coadjuvante (Alec Guinness) e venceu sete (Edição, Direção de Arte, Figurino, Efeitos Visuais, Trilha-Sonora, Som e o prêmio honorário pelos Efeitos Sonoros). Um feito e tanto para um gênero que geralmente é desprezado nas premiações. O filme também faz parte da lista dos 100 maiores filmes de todos os tempos, pelo Instituto Americano de Cinema. Com orçamento de 11 milhões de dólares, o filme faturou impressionantes 775 milhões de dólares, contando com os relançamentos. Com o sucesso George Lucas pode dar continuidade a série, com este filme ganhando o subtítulo de “Uma Nova Esperança” e sendo o Capítulo IV da grande saga espacial. Com os direitos autorais em mãos, Lucas acabou modificando cenas no relançamento da saga em 1997, usando a tecnologia da época para isso. Para os fãs mais puristas, foram totalmente desnecessárias, já que a saga fez fama e dinheiro da forma que foi concebida originalmente. Apesar disso, este que foi o primeiro filme lançado nos cinemas, merece ser chamado de clássico e foi um divisor de águas, para o gênero fantasia/ficção que sempre eram vistos como filmes B e de baixa qualidade. Jedi hoje em dia, é uma palavra tão comum, que é impossível alguém não ter escutado. O império galáctico construído por Lucas, não perde seu impacto e agora com 35 anos de sua estreia nos cinemas, mais os bilhões arrecadados com bilheterias e merchandising, mostram que a “Força” continua com Lucas e sua obra, apesar das constantes modificações, conta com uma crescente legião de fãs no mundo todo. Uma obra essencial do cinema, pela sua importância no desenvolvimento dos efeitos visuais pré-era digital, pela sua imensa popularidade e também como um dos melhores exemplos de escapismo, com uma total imersão ao universo criado por Lucas, com seus personagens icônicos e lugares fantásticos.
    leonardo
    leonardo

    Segui-los 14 seguidores Ler as 102 críticas deles

    4,0
    Enviada em 5 de janeiro de 2013
    O inicio de uma das melhores e mais brilhantes franquias da história do cinema. Sem duvidas, um grande clássico. Sua história é tão simples mas muito interessante e emocionante, com as incriveis artimanhas do poderoso Darth Vader, que sem duvidas é considerado o melhor vilão da história do cinema. A trama segue um bem interpretado Luke Skywalker em uma incrivel jornada ao lado de Harrison Ford como o aventureiro carismatico Han Solo, acompanhado de seu fiel Chewbacca(muito engraçado), o mestre Jedi Obi Wan Kenobi( em uma versão melhor que a da segunda trilogia) e princesa Leia Organa, que infelizmente não é uma personagem muito interessante, sendo esse o unico ponto negativo do filme. Eu recomendo esse incrivel clássico para todos os amantes de ficção cientifica.
    William
    William

    Segui-los 76 seguidores Ler as 173 críticas deles

    2,5
    Enviada em 9 de fevereiro de 2012
    Clássico!! E sem dúvidas o portal para o sucesso de George Lucas e a criação do cinema moderno. Praticamente tudo q temos de melhor no cinema de hje é gracas a Star Wars. Mas infelizmente tem gente q nao entende de arte e acha q so efeitos especiais e uma historinha é o suficiente para se fazer um bom filme, é o caso dos fazinhos de O Senhor dos Anéis. Quero ver algum outro titulo sobreviver tanto tempo em evidencia como Star Wars sobrevive ate hje, nao so nos filmes mas em tudo q ele exista, revistas, livros, games, bonecos (réplicas) q sao uma preferencia nessa categoria dentre utras coisas q o deixa anos luz à frente de qualquer outro titulo/saga existente.
    Ricardo L.
    Ricardo L.

    Segui-los 33720 seguidores Ler as 1 789 críticas deles

    5,0
    Enviada em 6 de maio de 2019
    Clássico monstruoso de critica e publico! escuro e sombrio, tendo em vista que inevitável que Guerra nas estrelas é mais imutável e mas completo que muitos filmes do gênero, atuações muito convincentes, efeitos especiais ganhador do óscar e o cenário deslumbrante, é um divisor de águas no cinema. vale muito a pena sentir esse filme de perto!!!!
    Alexandre C.
    Alexandre C.

    Segui-los 3218 seguidores Ler as 525 críticas deles

    3,5
    Enviada em 3 de abril de 2019
    Não gosto da história nem do filme, mas de fato é um filme épico que inovou e atraiu a atenção do mundo inteiro, um ícone da cultura pop.
    Vitor Araujo
    Vitor Araujo

    Segui-los 1852 seguidores Ler as 524 críticas deles

    3,0
    Enviada em 24 de maio de 2020
    Clássico da história do cinema. Continuação da história de Darth Vader e os planos dos rebeldes de destruírem a Estrela da Morte. Tudo é novidade neste universo espacial. Início de uma das maiores franquias da história. História começa do meio, atuações não me convencem, porém são memoráveis. Marcante.
    anônimo
    Um visitante
    3,5
    Enviada em 5 de março de 2016
    -Filme assistido em 05 de Março de 2016 -Nota 7/10 O começo da franquia nos brinda com a ascensão do jovem Luke Skywalker.O rapaz habita o planeta Tatooine,e sonha com sua partida do local.Sua aventura começa quando recebe de brinde um robô e um humanoide,mas conhecidos como R2-D2 e C-3PO.Falando um pouco do quesito visual do filme,tem ótimas sequências,alguns efeitos são falhos.Cito as lutas com o sabre de luz e também os efeitos de tiro,que lembra os games da época. É visível que George Lucas aposta nas histórias íntimas de cada personagem.O roteiro em cima deles é muito bom.Mostra ser um filme família,nada de apelações ou cenas exageradas.E também deve se destacar a ótima trilha sonora do Mestre John Williams,memorável.
    Ana A
    Ana A

    Segui-los 14 seguidores Ler as 37 críticas deles

    3,5
    Enviada em 1 de novembro de 2015
    Desde a década de 1970 a fórmula blockbuster já fazia sucesso e sabia entreter, a jornada do herói, cenas de ação e senso de humor estão presentes no início de uma das franquias cinematográfica mais conhecida mundialmente, Star Wars. Star Wars IV: Uma Nova Esperança deu inicio a um fenômeno cultural inexplicável e tudo graças a personagens envolventes e carismáticos. Um dos acertos do filme de George Lucas é nos apresentar aos androides C3PO e R2D2 no meio de um conflito, C3PO funciona como uma ponte entre o espectador e a história, traduzindo as “falas” de seu pequeno companheiro com “espírito” aventureiro, o androide com representações de características humanas, só que metálicas, é reclamão e medroso, repreendendo as atitudes do R2D2, mas sem abandoná-lo, esta dupla, definitivamente, é um dos alívios cômicos mais marcantes da franquia. O protagonista Luke Skywalker é um jovem que sonha em se tornar piloto e que mora com os tios. Sem saber nada sobre os seus pais, Luke se vê envolvido em uma jornada para encontrar a princesa Leia. Mark Hamill desempenha bem o papel de um jovem espirituoso, que não exige muito dramaticamente. Apenas um detalhe incomoda a sua empreitada em Stars Wars, o fato de Skywalker aceitar ir com Obi-Wan após a morte de seus tios, apesar de ser uma cena forçada e, neste momento, nós percebermos como os dotes dramáticos do Hamill são fracos, por ser uma cena chave, você consegue relevar a sua execução. Harrison Ford e seu Han Solo são um bônus a parte, não tem como não simpatizar com o personagem, mesmo que ele seja egoísta, machista e “mercenário”, os seus momentos com o resto do elenco funciona muito bem, a sua transformação é tão perceptível quanto a do protagonista, se não houvesse um personagem deste porte e interpretado pelo ator certo, acredito que haveria um vazio na história. No filme, a presença do branco e preto é muito grande, mas não necessariamente as cores correspondem ao bom e o mal respectivamente. Apesar do Darth Vander usar uma armadura preta, a cor dos do Stormtroppers, capangas do império, é branca e os Jedis usam muitos as cores preta e marrom, mostrando que há uma dualidade em ambos os lados. Os efeitos especiais também valem destaque. Uma das histórias mais ouvidas que envolvem Star Wars é que o George Lucas resolveu iniciar a cinessérie pelo quarto episódio porque a tecnologia da época não permitia à ele realizar algumas cenas do episódio 1, no entanto, os efeitos visuais de Uma Nova Esperança são bem críveis – para a época – e não incomodam visualmente, não mostram a sombra de uma tela verde e não tem um acabamento grotesco, tornando o filme agradável visualmente e não sendo um sacrifício assisti-lo. Star Wars – Uma Nova Esperança tem todos os elementos de um blockbuster da atualidade, ele diverte, tem cenas de ação e não tem uma história complexa e pode ser apreciado sem preocupações em uma noite de domingo.
    Neto S.
    Neto S.

    Segui-los 16888 seguidores Ler as 773 críticas deles

    5,0
    Enviada em 14 de outubro de 2015
    Luke Skywalker (Mark Hammil) sonha ir para a Academia como seus amigos, mas se vê envolvido em uma guerra intergalática quando seu tio compra dois robôs e com eles encontra uma mensagem da princesa Leia Organa (Carrie Fisher) para o jedi Obi-Wan Kenobi (Alec Guiness) sobre os planos da construção da Estrela da Morte, uma gigantesca estação espacial com capacidade para destruir um planeta. Luke então se junta aos cavaleiros jedi e a Hans Solo (Harrison Ford), um mercenário, para tentar destruir esta terrível ameaça ao lado dos membros da resistência. Excelente, Star Wars IV : Uma Nova Esperança Tem Boas Cenas de Açao , Bons Efeitos Para Epoca , Otimas Atuaçao , Boa Historia , Recomendo Nota 10
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema
    Back to Top