Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Os Farofeiros
    Críticas AdoroCinema
    2,5
    Regular
    Os Farofeiros

    Feriadão frustrado

    por Taiani Mendes

    Nova comédia com potencial para arrecadar enorme quantia nas bilheterias nacionais, Os Farofeiros é um filme que se esforça para entregar mais do que a esperada comédia de situação sobre um fim de semana marcado por imprevistos e desacordos. O diretor Roberto Santucci já provou com Até que a Sorte nos SepareDe Pernas Pro ArUm Suburbano Sortudo sua capacidade de fazer rir (tanto os pagantes, quanto os exibidores e investidores) e agora quer ir além, evoluindo a fórmula de sucesso que afirmou. Isto é posto desde o começo, numa sala de aula, com o estabelecimento de uma criança como dona da narrativa. Através da clássica redação de férias, é o filho de Alexandre (Antônio Fragoso) quem conta os apuros do feriadão em grupo heterogêneo, destacando a tensão profissional presente.


    Os típicos perrengues de descanso prolongado dividindo casa com estranhos surpreendentemente não se revelam as principais questões. Alexandre, o mais rico e oprimido dos adultos, acaba de ser secretamente promovido e precisa escolher um dos colegas para ser demitido. Há, portanto, o dilema interno desse protagonista com o segredo e a decisão, e os problemas gerais da viagem mal planejada por Lima (Maurício Manfrini), o malandro palhaço da trupe. Ancorado numa estrutura com início, meio e fim, o conflito mais sério segura o filme, ao passo que as confusões de verão são apresentadas como esquetes desconexas e irregulares – a estrada, a praia, a traição, o buraco (o melhor), a piscina, o réveillon...

    O humor pouco exigente mira em variados tipos e gostos, de escatologia a referências televisivas; do nome Enzo a racismo; de violência a tombos; de traquinagem a afetação; de bobeira a muita bobeira. Lima é basicamente o irmão gêmeo do personagem mais famoso de Manfrini, o Paulinho Gogó, perseguindo o riso com erros de português, gracinhas sexuais e uma lógica absurda. Sua mulher é Jussara (Cacau Protásio, maior destaque do elenco), que não hesita em estapeá-lo ou aos filhos inquietos, não tem paciência nenhuma e nutre uma rixa com Renata (Danielle Winits), a esnobe esposa de Alexandre. Representando a dondoca neurótica, esta basicamente GRITA, reclama e fuma cigarro eletrônico.


    Rocha (Charles Paraventi) e Vanete (Elisa Pinheiro) são a classe média insossa e escorregadia, Diguinho (Nilton Bicudo) é o melancólico invejado e sua acompanhante Elen (Aline Riscado) repete e desconstrói a Verão dos comerciais de cerveja. Numa compensação à objetificação feminina, surge ainda um faz-tudo com ridículo sotaque caipira vivido por Felipe Roque, demonstrando que há certa consciência de que estamos em 2018 e algumas coisas já não passam de forma alguma pelo filtro da problematização, mesmo no contexto da comédia popularesca.


    Obviamente inspirado em Férias Frustradas e no humor hollywoodiano da década de 1980, Os Farofeiros apresenta uma série de citações e referências a obras como Apocalypse Now, O Chamado, Vidas Secas, O Resgate do Soldado RyanCinema Paradiso e Minha Mãe é uma Peça. As ideias, no entanto, não são tão bem executadas pelo diretor, que perde o timing arrastando demais as cenas ou adotando soluções de gosto duvidoso, como as crianças brilhando no escuro. É inegável, porém, que o repertório audiovisual apresentado é mais amplo do que o de suas produções cômicas anteriores, com direito a trechos em animação, fotografia que foge vez ou outra do padrão novela, quebra de quarta parede e metalinguagem, como uma longa sequência sobre a relação de amor e ódio dos brasileiros com o cinema nacional.

    A noção de tempo durante os acontecimentos é um tanto quanto esquisita, dramáticas picadas de mosquitos desaparecem em minutos, o onisciente e assumidamente exagerado narrador é esquecido, Maurício Manfrini não se entende muito bem com a câmera cinematográfica e as pontas soltas do roteiro de Paulo Cursino e Odete Damico são inúmeras, assim como os motivos para sorrisos de constrangimento, mas este é sem dúvidas o melhor filme de Santucci desde Loucas Pra Casar.


    Os Farofeiros acaba em muito se assemelhando a uma ponte, reunindo situações verossímeis em que o público facilmente se reconhece e propondo um diálogo dessa realidade com o cinema mais clássico, a arte de verdade e qualidade que as esterilizadas comédias Globo Filmes em geral parecem ignorar. A harmonia, “moral” também da história, é meio desajeitada, porém ao menos é buscada, como uma ambicionada e promissora nova alma do (lucrativo) negócio.

    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema

    Comentários

    • Andre L
      Gostei do filme mas acho que foi uma ideia infeliz citar a morte dos mamonas( que eu adorava) com um tom de piada, achei isso uma falta de respeito.
    • Albert Sant'anna
      Eu particularmente gostei bastante, todos da sala riram muito e acredito que vale a pena assistir.É engraçado desde o começo até o final, lógico que tem coisa que é sem graça com aquele Paulinho Gogó mas é só isso pq de resto tudo é bem engraçado.
    • Fabio França
      bom saber
    • FRANCISCO RONDON
      Eu gostei bastante; O filme é engraçado do inicio ao fim e vale a pena sim ir assistir. Dei muitas risadas.
    • MCemerson
      As melhores piadas ficaram no trailer do filme. Não compensa a ida ao cinema mesmo.
    • Murilo César
      Eu esperava muito mais! Achei um tremendo desperdício não dá o merecido destaque à Cacau Protásio, que é incrível em todas as personagens! Ela fica quase que como uma figuração para as piadas ridículas das quais ninguém mais ri que o Paulinho gogó fazia, típico daquele tiozão do churrasco, ou o tio do pavê ou pacumê.Quanto trocadilho paspalhão! A impressão que eu tive foi uma extensão da Praça é nossa com participações. Sinceramente não gostei do filme. A expectativa estava lá em cima, mas antes mesmo de chegar a metade do filme, já dá pra perceber que não vai evoluir muito e vai ficar no lugar comum, sem contar nas referências toscas.Não recomendo a ninguém se dá ao trabalho de sair de casa pra ver esse filme. Lamentavelmente, é melhor ver A lagoa Azul na sessão da tarde ou alguma reprise de novela da Thalía no SBT.Murilo César.
    Mostrar comentários
    Back to Top