Meu AdoroCinema
  • Meus amigos
  • Meus cinemas
  • Notas Express
  • Minha coleção
  • Minha conta
  • Promoções
  • Desconectar
Um Segredo em Paris
Críticas AdoroCinema
2,5
Regular
Um Segredo em Paris

Organizando as prateleiras

por Barbara Demerov
Paris é uma cidade muito abordada no cinema e sua beleza passeia por diversos gêneros. Romance, drama, ação e mistério conseguem se encaixar pelas ruas e monumentos da capital da França, que podem ganhar diferentes roupagens a cada visão artística. A vastidão de cultura e história do local também é captada em obras mais íntimas, cujos personagens exalam o espírito parisiense e trazem certo fascínio. No caso de Um Segredo em Paris, há charme de sobra, mas em essência não há tanta sustentação.

Ao acompanhar a história de Mavie (Lolita Chammah), o que o espectador vê à sua frente é uma boa parcela do que existe no cinema europeu: dúvidas, reflexões e o dia a dia da personagem. Escritora frustrada, em uma de suas andanças pela cidade Mavie dá de encontro com Georges (Jean Sorel), dono de uma livraria bagunçada e sem vida. A interação entre ambos começa de forma singela dentro de um café, onde a protagonista o observa de longe enquanto toma sua bebida e lê um livro. No entanto, por mais que o relacionamento entre ambos comece a aflorar aos poucos, a sensação de solitude toma conta de todo o filme.



É interessante analisar a relação de Mavie e Georges como uma amizade colorida sem muito a parte do "colorida", pois as conversas e indagações divididas compõem o aspecto mais profundo entre os dois personagens. As dúvidas e inseguranças de Mavie se chocam com a experiência e os segredos de Georges, e isso dá fôlego ao filme - ao mesmo tempo em que as tramas próximas não se apoiam de uma maneira tão positiva no todo. O passado de Georges representa o maior conflito da narrativa, mas a forma como Mavie se aproxima deste passado não é convincente, tampouco intrigante. Se o foco fosse o de entrar mais em contato com a vida da própria protagonista, e não nesta paixão inusitada, Um Segredo em Paris teria mais qualidades do que fantasias.

As atuações da dupla principal são cativantes, especialmente de Lolita Chammah, que encarna bem o papel de uma jovem sonhadora que ousa em encarar o novo de forma natural. A maneira como ela organiza, aos poucos, a livraria de Georges, representa também uma organização interna pela qual está passando - mas esta observação não cabe tanto à organização e clareza necessárias com relação ao que sente por Georges. Este, por sua vez, é simplesmente um personagem misterioso, que dá mais perguntas que respostas.

Um Segredo em Paris é o caso de um filme contemplativo na medida, mas que não esclarece sua atmosfera um tanto insondável. Se for para admirar a bela fotografia e os ambientes expostos ao longo da história, não há incômodo algum; mas se tentarmos entender qual é a verdadeira mensagem que quer ser transmitida, existe certa dificuldade. Talvez, os pássaros que caem pela cidade já indicam que alguns acontecimentos não requerem tanta explicação - e a intensa relação de Mavie e Georges também pode entrar neste exemplo.
Quer ver mais críticas?
  • As últimas críticas do AdoroCinema

Comentários

Mostrar comentários
Back to Top