Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    7500
    Críticas AdoroCinema
    3,0
    Legal
    7500

    Terror compactado

    por Barbara Demerov
    O horror e a tensão nas alturas já foi trabalhado por diversas vezes no cinema. Desde PremoniçãoSerpentes a Bordo até Voo NoturnoPlano de Voo e Voo United 93, são inúmeros os exemplares de que o avião em si se provou como um cenário certeiro para trabalhar o suspense em histórias claustrofóbicas, que mesclam o mistério de casos aparentemente sem solução com a ação a mais de 11 mil metros do chão. Em 7500, filme protagonizado por Joseph Gordon-Levitt que chega diretamente ao Amazon Prime Video, a tensão mais uma vez é pautada pelo imediatismo de alguma situação dramática - no caso, uma tentativa de roubo da aeronave que sai de Berlim com destino a Paris.

    Gordon-Levitt é Tobias, o co-piloto que nos transporta para o sequestro de terroristas com bastante precisão. Sua atuação traz toda a angústia e o medo por conta da inesperada situação e também é o maior foco do diretor Patrick Vollrath: ao invés de permear pelo avião como um todo, ele nos mostra apenas um vislumbre do que ocorre fora da cabine principal através da câmera de segurança interna. Tobias não é exatamente o guia do espectador para toda a situação, pois ele não é nada mais do que uma das vítimas desta tentativa assustadora. Porém, é o único personagem que toma as decisões ali, alternando entre as mais difíceis e doloridas enquanto ser humano e aquelas que já estava preparado para tomar profissionalmente.

    O DRAMA DE UM CO-PILOTO QUE REPRESENTA O DE TODOS OS PASSAGEIROS

    Ao invés de detalhar todo o pânico dos passageiros que se veem presos em uma situação impossível de fugir, Vollrath se atenta à sensação "exclusiva" que pode trazer ao filmar apenas um ambiente o tempo todo. A cabine em que Tobias se encontra é extremamente pequena, o que inevitavelmente traz a sensação de claustrofobia (já esperada em um filme que se passa dentro de um avião), mas o protagonista também se vê dentro de um labirinto. Seu labirinto é mental e extremamente desagradável de seguir, pois não há saídas fáceis - vide a situação mais tensa de 7500, quando Tobias precisa decidir entre abrir seu compartimento para os sequestradores ou ver um passageiro morrer. O isolamento de Tobias é sua sorte e, simultaneamente, sua sina.


    É nas situações de puro terror psicológico que 7500 ganha fôlego, além de ser uma escolha no mínimo interessante a de o cineasta priorizar o olhar de um co-piloto em um filme de temática tão sensível. Porém, o que existe de força no sentido de dar atenção a um único homem que tenta, a todo o custo, ser o herói daquele voo, por outro lado a aproximação que Tobias constrói com um dos terroristas - um jovem assustado - não é necessariamente algo que dá mais impacto na narrativa.

    Pelo contrário, este é um elemento clichê inserido de forma um tanto quanto artificial e simples demais, pois o domínio de Tobias para com o jovem é conquistado muito rapidamente, como se a intenção de atacar nunca esteve em seus planos. Ainda assim, há uma linha de reflexão no sentido de o filme mostrar que, na realidade, há muitos terroristas inseridos forçadamente em missões suicidas. O problema é que, apesar do impacto que os vilões trazem de forma crua, a consistência do motivo não é tão definida.

    7500 é um filme mais interessante quando analisamos algumas questões específicas, como a claustrofobia que o protagonista transmite ou sua incapacidade em ajudar um refém das mãos dos terroristas em contraste com a chance de poder salvar centenas. No entanto, o cenário completo não traz a mesma complexidade. A estrutura do longa, composta pelo tempo real do sequestro, traz toda a crueza do crime, mas ao mesmo tempo limita a própria história de se tornar algo a mais - por mais que Gordon-Levitt entregue uma ótima performance repleta de nuances que oscilam entre a frieza e o desespero em questão de segundos.
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema

    Comentários

    • Bruno Souza
      É até compreensivo, o cara tinha se arrependido... Poderia ter pousado o avião, e acabado alí mesmo! O terceiro ato, é bem forçado!
    • Bruno Souza
      O filme teve um orçamento de 5 milhões... Bem pequeno, porém, tem estúdio que fez bem mais com 2,5 (Corra!)... O problema é que tudo se desfecha praticamente no segundo ato, e o terceiro ato é bem irrelevante, mas sim, até a solução, o filme proporciona bons momentos de tensão... A atuação de Joseph, aqui é um prato cheio, de longe o papel mais amadurecido dele... O filme tem seus méritos e é um entretenimento bacana, só que, o final deveria ter sido mais honroso, à considerar o tema!
    • Jackson A L
      É um filme de baixo orçamento rodado todo na cabine do avião, consegue manter um bom suspense e gera tensão em boa parte do filme (os terroristas a todo momento batendo na porta é algo realmente inquietante), porém peca muito na segunda parte do filme, não sei se por falta de criatividade, ou falta de recursos financeiros, mas não termina de forma honrosa.
    • Alípio
      Pô fera, tá escrito no 1o parágrafo.
    Mostrar comentários
    Back to Top