Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Sombras da Vida
    Média
    3,4
    188 notas e 42 críticas
    distribuição de 42 críticas por nota
    11 críticas
    8 críticas
    7 críticas
    2 críticas
    3 críticas
    11 críticas
    Você assistiu Sombras da Vida ?

    42 críticas do leitor

    Gerson R.
    Gerson R.

    Segui-los 42 seguidores Ler as 99 críticas deles

    5,0
    Enviada em 29 de novembro de 2017
    Uma das coisas que mais dificultam as relações humanas atualmente talvez seja o fato de sermos seres muito apegáveis a bens materiais. Seja um celular, um carro, uma camiseta ou até uma casa – como é o caso do personagem de Casey Affleck em A Ghost Story – uma das viagens mais pessoais, intrigantes e fascinantes sobre a existência humana que o cinema já nos proporcionou nos últimos anos. O diretor (e também autor do roteiro) David Lowery expressa de uma maneira bastante visceral este ponto de vista, atrelado as dificuldades que temos de conseguirmos nos satisfazermos por completo na vida – afinal, qual o sentido de viver? Será que somente sendo reconhecido por nossos feitos ou se tivermos vivido um amor real (ou que pelo menos pareça real) poderíamos dizer que vale a pena existir? Não é a toa que o filme faz uma referencia escancarada a Nietzsche – incluindo uma cena onde um livro do filosofo realmente aparece – as referencias sobre o existencialismo estão presente por quase todo o longa – e quando digo “todo o longa” estou tentando insinuar que Lowery planejou cada cena com um significado especifico e importante para a compreensão de toda sua história – contando a vida de um casal (Affleck e Mara), que moram juntos em uma casa. Ele (mencionado como “C” nos créditos finais) sofre um acidente de carro e falece – mas seu espirito/fantasma aparentemente não quer ir embora e acaba voltando e ficando na casa, acompanhando o dia a dia de sua companheira “M” (assim mencionada nos créditos) – sem entender o proposito de sua existência após a morte, ele começa a notar que a passagem de tempo torna-se algo irrelevante – conforme a vida de sua amada começa a mudar – e sua obsessão por encontrar e saber o que está escrito em um pequeno pedaço de papel, que M escondeu em uma fresta de uma parede da casa, faz com que ele se sinta ainda mais preso ao local. Usando a figura do fantasma no modo mais clássico possível – com Casey Affleck debaixo de um lençol branco com dois furos pretos na parte dos olhos – o resultado que o Lowery alcança em A Ghost Story é inquietante – ao invés de mostrar um fantasma que põe medo nos demais, ele nos apresenta a um espirito que vaga pela terra (ou melhor, o local de sua casa quando era vivo) sem um proposito, mas que permanece esperando por isso – o que o diretor consegue, de fato, é trazer um tipo de terror psicológico sobre a própria existência do ser humano – o que explica o filme ser classificado como um “pós-terror”, como alguns críticos vem dizendo. Como um fantasma que não se conforma em ter morrido (logo após sua saída do hospital ele “recusa” entrar em uma “porta de luz”, digamos assim), o personagem de Affleck vai passar por uma viagem tortuosa – vendo sua amada em desespero ou tentando de maneiras pouco bem sucedidas superar a perda de seu companheiro – e devo admitir que Lowery consegue demonstrar isso de forma muito incomoda – a cena onde presenciamos a esplêndida Rooney Mara comendo uma torta inteira (praticamente sem cortes) serve para mostrar seu estado de profunda depressão e insatisfação com a vida – além de evidenciar como o passar de tempo para o fantasma é praticamente irrelevante – existem ainda algumas demonstrações de passagem de tempo brilhantes – tornando o tempo em algo mais próximo do que seria sobre o ponto de vista de um espirito, realmente – notória a cena onde Affleck observa Mara saindo diversas vezes pela mesma porta, exemplificando os dias se passando em segundos. Com uma direção de arte bem simples, mas muito bonita, o filme é dotado de um visual fascinante – é importante ressaltar como a casa e os demais locais que o filme apresenta são tratados quase como se fossem um outro personagem, incorporado ao fantasma de Affleck – afinal, a conquista de um lar pode gerar uma sensação de fazermos parte daquele local, mesmo que ali outras pessoas e situações já tenham passado – mas ninguém permaneceu para sempre, é claro. Ajudado por uma fotografia carregada de cores claras, sempre remetendo ao branco do lençol do fantasma, demonstrando algum tipo de pureza ou uma espécie de nulidade de opinião sobre o que vê nesta vida após a morte – fora o fato de que o formato do filme nos remete a algo mais intimo – se assemelhando ao formato de tela de uma TV antiga ou de uma foto polaroide, possibilitando angulações fechadas, que passam muito bem o calor humano e realístico (com seus problemas de comunicação no começo) da relação de C e M – que jamais escamba para algo apelativo sentimentalmente – assim como a inserção da música – C é produtor musical e uma de suas produções é usada de forma tocante – principalmente pela apurada edição de imagens – em momento onde M relembra do falecido marido, em meio a flashbacks de quando ela ouviu a canção pela primeira vez. spoiler: Mas, afinal: o que estava escrito no papelzinho que M deixou na parede? O que ela escreveu no papel pode ser algo bom ou ruim para o personagem de Affleck, mas só faria sentido para ele – pois seria o momento em que ele finaliza sua missão, descobrindo se sua vida ou seu amor pela personagem de Rooney vale ou não a pena – ou seja, ninguém mais poderia entender. Enfim, é uma obra extremamente pessoal, instigante e inteligente, ao conseguir fazer com que nos identifiquemos com um fantasma – que, diferentemente de um Patrick Swayze em Ghost, não pode mostrar para nós suas expressões diretamente, podendo apenas senti-las – espelhando, com isso, uma forma de dizer que somos todos fantasmas, que podemos não ser notados pelos outros ou que podemos ser esquecidos um dia – e talvez somente um fantasma entenda isso de verdade, mas, no final, o que importa é justamente o que vivenciamos, unicamente sob nossa própria perspectiva.
    B.Boy Jc
    B.Boy Jc

    Segui-los 1162 seguidores Ler as 378 críticas deles

    3,5
    Enviada em 23 de abril de 2018
    Por incrível que pareça eu não fiquei entediado com o filme, apesar dele ser bem lento e dar umas "paralisadas" em algumas cenas... Achei o enrendo bastante interessante, bastante original e inovador. As cenas longas, ao invés de me cansar, me emergiu nos sentimentos dos personagens de tal maneira que pude sentir o profundo luto da moça e a solidão e desespero do fantasma. Definitivamente não é um filme para todo mundo, eu gostei.
    Claudio S.
    Claudio S.

    Segui-los Ler a crítica deles

    5,0
    Enviada em 3 de março de 2019
    Melhor filme de 2018. Há tempos que não via um filme que não é aquela "receita pronta". Vc tem que ir percebendo as nuances durante a película.... Não existem fatos, apenas interpretações (Nietzsche). O filme é como um soco no nosso estômago. São aqueles momentos em que voce para e pensa... O que estou fazendo com a minha unica vida? .... Sério. Vale a pena assistir a cada cena. Até mesmo as cenas que, propositalmente, são estendidas e algumas que deveriam ser mais apuradas, são rápidas demais. Isso mostra o que passamos quando o tempo passa mais lento quando não queremos e quando estamos gostamos, passa muito rápido. Acredito que as pessoas que disseram que não gostaram do filme, foi justamente porque esperava um filme de terror, suspense ou algo do gênero. Mas o filme é um PÓS-TERROR. Pois no final do filme ficamos com a pergunta. O Que estamos fazendo da nossa vida???
    Gustavo L.
    Gustavo L.

    Segui-los 4 seguidores Ler as 30 críticas deles

    0,5
    Enviada em 1 de julho de 2020
    O filme é inexplicavelmente PÉSSIMO! As cenas são absurdamente paradas. Determinado momento a câmera passa 1min e 39s parada, mostrando apenas uma cena parada sem som; parece uma fotografia. De tão parado, as vezes parece que o filme travou. Não bastasse isso, cenas clichês como um fantasma vestido de lençol fazem parte da péssima trama.
    Matheus P.
    Matheus P.

    Segui-los 7 seguidores Ler a crítica deles

    5,0
    Enviada em 3 de maio de 2019
    Quatro semanas após ter assistido "A Ghost Story", e eu ainda me pegava pensando no filme antes de dormir. Infelizmente, nessa geração afetada, é impossível não soar diferentão e arrogante com o que direi, mas é inegável: " a qualidade da imersão neste filme é proporcional à quantidade de referências que se possui". É muita coisa pra digerir - o que em si já é um desafio - e ainda por cima , num ritmo insuportável para quem se acostumou a ter uma "movimentação" ou piada na tela a cada cinco minutos. Já é um dos filmes da minha vida !
    Felipe M
    Felipe M

    Segui-los Ler as 2 críticas deles

    0,5
    Enviada em 3 de julho de 2020
    Parei de ver na cena da torta, depois fui adiantando pra tentar entender o propósito do filme mais monótono do mundo. A grande verdade que é possível realizar uma edição descente, e resumir o filme todo em 5 minutos. Elogiar esse filme é querer dar uma de intelectual sabichão!
    Roberto L.
    Roberto L.

    Segui-los Ler as 11 críticas deles

    4,0
    Enviada em 24 de junho de 2019
    Demorei 3 dias pra ver esse filme e li muitas críticas depois a fim de tentar entender essa estória muito interessante porém complexa e simples ao mesmo tempo. Depois de tudo, ao meu ver o fantasma foi apenas um elemento para o filme poder perambular entre sentimentos diferentes, física quântica, emoções, dimensões e outras muitas coisas q o diretor consegue nos fazer viajar num filme com poucos personagens e quase todo passado num mesmo ambiente.
    Luiz Antônio N.
    Luiz Antônio N.

    Segui-los 14556 seguidores Ler as 1 269 críticas deles

    0,5
    Enviada em 29 de setembro de 2017
    A Ghost Story narra a história de um fantasma que retorna sob um lençol branco (Affleck) para consolar a sua esposa (Mara), e descobre que em sua forma espectral ele ficou preso no tempo, e assiste passivamente enquanto a vida que ele conhecia vai mudando.  como eu tenho ódio de perder tempo assistindo filmes desse tipo não consigo entender o que faz um cara passar um filme inteiro vestido com um lençol⭐
    Mauro M
    Mauro M

    Segui-los 6 seguidores Ler as 22 críticas deles

    0,5
    Enviada em 1 de novembro de 2017
    Talvez quem já tenha virado fantasma entenda a mensagem deste filme, extremamente monótono. Temos um fantasma grotesco, ridículo, que parece os fantasmas de brincadeira de crianças. O espectadores ficam na curiosidade de saberem o que está escrito no papel colocado na fresta da porta e, na época da colonização, debaixo de uma pedra. A trilha sonora e a fotografia, lúgubres, são o que se salvam aqui.
    Jonas Furtado Bittencourt
    Jonas Furtado Bittencourt

    Segui-los 1537 seguidores Ler as 550 críticas deles

    3,0
    Enviada em 7 de julho de 2020
    "Quero ser Malick : Versão 2.0"... A Ghost Story é um drama (romântico?) que, vítima de suas próprias pretensões na maior parte do tempo, ao menos consegue levantar reflexões interessantes sobre o sentido da vida (ou a falta de). David Lowery tem que entender que, mesmo que faça algo lento, cadenciado e/ou contemplativo que possa ser ''chato'' para algumas pessoas de forma intencional, não deixa de ser chato...A monotonia é apenas monótona, nada mais, não há o que relativizar. Dá para ser reflexivo sem ser lento, enfadonho, ''parado'', um excelente exemplo é Sangue Negro de Paul Thomas Anderson. O filme é salvo pela belíssima fotografia e atuações sutis, mas expressivas de Casey Affleck e Rooney Mara.
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema
    Back to Top