Meu AdoroCinema
  • Meus amigos
  • Meus cinemas
  • Notas Express
  • Minha coleção
  • Minha conta
  • Promoções
  • Desconectar
O Chamado do Mal
Críticas AdoroCinema
1,5
Ruim
O Chamado do Mal

Uma mistura de imprecisões

por Barbara Demerov
O terror é um gênero que precisa de elementos diferenciados para se sobressair: a construção de um suspense convincente é primordial, a narrativa precisa ser consistente e, no mínimo, a obra deve apresentar algo de diferente (não necessariamente inédito, mas ao menos com um bom desenvolvimento). É preciso entender as motivações dos personagens construídos e encontrar certa proximidade para com eles – sentir-se no lugar e entendê-los é essencial para que a história caminhe com curiosidade e, é claro, apreensão.

Dito isso, O Chamado do Mal possui uma premissa que ameaça caminhar por lugares interessantes e consegue entreter por conta de uma estética caprichada, trilha-sonora bem utilizada e atores competentes. No entanto, o filme possui como destino uma mistura desfavorável de escolhas desalinhadas com o que é apresentado a princípio. Diferente de dramas focados em relações interpessoais, em que diálogos e atuações possuem maior força para se diferenciarem, o terror necessita que todo seu entorno converse entre si de forma harmoniosa e, sobretudo, coerente. Neste filme, a conversa até chega a ser iniciada, mas é interrompida abruptamente.



Quando Adam (Josh Stewart) e Lisa (Bojana Novakovic) se mudam para uma casa no interior de uma cidade para que ele possa trabalhar como professor de uma universidade próxima, suas vidas mudam drasticamente. Ao chegar, Lisa, que estava grávida, perde seu bebê e não nota, inicialmente, que tal fato pode estar ligado a um presente que já estava na casa quando eles chegaram: uma caixa que não deveria ser aberta. O diretor Michael Winnick apresenta muito bem toda essa aura de dúvida que paira sob a mulher, assim como aproveita os cômodos da casa para mostrar que existe algo de errado ali.

Esteticamente falando, O Chamado do Mal não apresenta problemas e é um dos poucos pontos que ajudam a prender a atenção. A questão é que os problemas começam a aparecer criativamente, a partir do momento em que o suspense tenta ser construído a partir da irmã misteriosa de Lisa, do jardineiro local e de um professor da faculdade em que Adam trabalha, sensitivo com relações a questões paranormais. Todos estes clichês ambulantes fazem com que o roteiro perca sua força, pois ele consegue prender atenção até certo ponto – e sempre quando é centrado mais na casa e no que Lisa passa a sofrer após abrir a caixa.



Se por um lado o filme não teima em realizar jumpscares que prejudicam a imersão (pois a atmosfera de suspense que se encontra na casa é bem aproveitada pelos movimentos de câmera), pelo outro o enredo vai emulando características de O Bebê de RosemaryHorror em Amityville e Invocação do Mal. A entidade envolvida com Lisa na forma de crianças e jovens não chega a assustar por conta da ausência de uma explicação mais crível. Aos poucos, o mistério que paira sob o roteiro vai dando lugar para frases limitadas, expressões vazias e soluções incoerentes.

Até mesmo um estilo parecido ao de Atividade Paranormal vai tomando forma, completando a gama de pequenos elementos de outros filmes de terror que, por sua vez, possuem suas próprias identidades e originalidade. O Chamado do Mal quer atingir o espectador aproveitando a vastidão que o terror possui, mas não consegue andar com seus próprios pés. Quem já assistiu aos filmes citados e gosta do gênero, certamente já terá uma noção de como a história pode terminar.
Quer ver mais críticas?
  • As últimas críticas do AdoroCinema

Comentários

Mostrar comentários
Back to Top