Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Link Perdido
    Críticas AdoroCinema
    3,0
    Legal
    Link Perdido

    Visual em evidência

    por Barbara Demerov
    Indo para um caminho diferente de outras animações do estúdio Laika, como o dramático Kubo e as Cordas Mágicas e o sombrio Coraline e o Mundo Secreto, Link Perdido esbanja charme e energia com seu visual colorido e mais puxado para o imaginário infantil. O diretor Chris Butler executa realmente uma viagem ao redor do mundo através de seu trio principal de personagens: dois humanos... e um lendário Pé Grande.

    O cuidado visual da equipe de animação pode ser visto em todos os frames: da riqueza em detalhes da neve até chegar às expressões do protagonista Sir Lionel Frost (Hugh Jackman), o longa não desaponta no quesito técnico em nenhum momento. Porém, o mesmo não pode ser dito da força de sua narrativa, uma vez que ela sempre está mais focada em piadas do que propriamente na construção de seus personagens. O passado não importa muito em Link Perdido, e isso chega a pesar um pouco para os espectadores que buscam mais profundidade ou particularidades daquelas vidas previamente a missão – especialmente no que se diz respeito à criatura.

    Há discussões entre Frost e Adelina (dublada por Zoe Saldana), mulher que marcou o passado do explorador, que não possuem tanto peso dramático pois nem é possível entender exatamente o que aconteceu ali. Assim como também há bastante simplicidade envolvendo o arco principal, resumindo a grande missão numa forma de Frost provar que está certo ao seu superior, ao mesmo tempo em que foge de um assassino de criaturas lendárias que consegue os alcançar a cada etapa sem a menor das dificuldades.



    Por outro lado, existe algo tão singelo quanto poderoso no personagem Link, o Pé Grande. Em dado momento da narrativa, ele lembra de uma pessoa que passou pelo seu bosque e não teve medo de sua imponência. Link, que não tem um nome próprio até então, resolve ser chamado pelo nome desta pessoa que passou rapidamente por sua vida: Susan. Para uma animação infantil, tal escolha não só nos provoca empatia pela criatura (que não entende o que é gênero e não tem qualquer tipo de preconceito) como também é uma forma dos criadores inserirem de forma natural, sem alarde, tal preferência.

    Ainda que Link Perdido careça de profundidade por possuir uma trama mais leve que reflexiva, o visual da animação ultrapassa a simplicidade de seus personagens. Mas não deixa de ser interessante como Link (ou Susan) parece ser a principal missão da história em seu início, mas na verdade se transforma no principal acompanhante de Frost e do espectador na jornada. É ele quem dita o rumo da missão de verdade, visando encontrar seus familiares distantes e, assim, conhecendo suas raízes.

    A ingenuidade permanece do início ao fim em Link Perdido, mesmo com a esperteza de Frost e a coragem de Adelina em sair de seu ponto de conforto. Tal característica reside especialmente em Susan, que leva todas as palavras ao pé da letra e tarda a ver maldade nos outros. É dentro dessas sutilezas de roteiro que estão as maiores qualidades da animação indicada ao Oscar 2020, mas ainda existe a sensação de que falta algo. Magia? Maturidade? São dois elementos distintos, mas talvez por transitar muito entre o infantil e o adulto que esta animação tenha seu brilho um pouco afetado pelo indefinido.
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema

    Comentários

    Mostrar comentários
    Back to Top