Meu AdoroCinema
Alguém Como Eu
Críticas AdoroCinema
2,0
Fraco
Alguém Como Eu

Nancy Meyers encontra Daniel Filho

por
Helena (Paolla Oliveira) é uma mulher bonita, independente e em constante insatisfação. Em helicópteros e gruas, imagens aéreas revelam lindas imagens de um Rio de Janeiro ensolarado, muitas das quais direto da varanda da casa da protagonista, localizada em um ponto alto, com vista privilegiada da Cidade Maravilhosa. Apesar de tal elaboração visual, o discurso comunica a persistência da desilusão de Helena, que, após um concerto de temática lusitana, decide aceitar um bom emprego em Lisboa — onde também encontra um apartamento charmoso em uma área nobre, mas segue triste. Pobre Helena...



Essa construção confusa é a tônica de Alguém Como Eu, do início ao fim. Ao mesmo tempo que o filme anseia extrair do espectador a identificação por Helena, as frustrações narradas por ela mesma soam sempre muito tolas, no maior estilo white people problems. E não porque a protagonista é bem-sucedida: a diretora e roteirista Nancy Meyers baseia toda sua carreira em personagens da alta sociedade com vidas aparentemente perfeitas passando por adversidades capazes de gerar empatia e evocar a compreensão do espectador, vide os simpáticos Alguém Tem Que CederSimplesmente Complicado e Um Senhor Estagiário.

O diretor lusitano Leonel Vieira e as roteiristas brasileiras Adriana Falcão (A Mulher Invisível) e Tatiana Maciel (Desculpe o Transtorno) têm uma posição duvidosa em relação a Helena, que segue chateada mesmo depois de encontrar em Alex (Ricardo Pereira) um namorado retratado como perfeito; os sinais de desgate encenados em Alguém Como Eu são fragilíssimos, e a resposta de Helena pode ser bem radical e dolorosa para o ex-companheiro. Muito embora o longa-metragem se assuma como a jornada de autoaprendizado de Helena (e autoajuda para o público, especialmente feminino), a personagem nunca deixa de ser aborrecida. Ainda pior é notar, apesar da aura delicada do filme, aquela concepção viciada, simplista, de que a mulher é exigente demais, nunca está satisfeita com nada. Algo, no mínimo, ultrapassado.



Um exemplo dessa visão estereotipada é o elemento realista fantástico presente no filme: quando Helena deseja que Alex seja como ela, seu namorado se transforma em uma mulher. Vivida por Sara Prata, a personagem não se parece em nada com Helena; tem apenas o mesmo gênero e uma ânsia desmedida de agradá-la. Narrativamente, o argumento de Pedro Varela com nítida inspiração na comédia nacional Se Eu Fosse Você ainda é tratado de maneira péssima, com a Alex Mulher sendo retratada como um mero avatar; ou um personagem de vaudeville, que apenas age, sorri aleatoriamente e não fala. A alternância entre Sara Prata e Ricardo Pereira também é mal realizada, inclusive visualmente, e não à toa a aparente premissa de Alguém Como Eu é abandonada indiscriminadamente. Esse elemento é tão mal resolvido, tão mal explorado, que até soa como um corpo estranho; como que pudesse ser eliminado do corte final sem causar maior disfunção no roteiro.

Apesar de todos esses problemas de elaboração e desenvolvimento, Alguém Como Eu reúne qualidades de uma boa comédia romântica. Se os primeiros minutos se debruçam nas belezas do Rio de Janeiro, a relação de Helena e Alex se desenvolve em uma Lisboa idílica, romântica, tão encantadora quanto o próprio casal, de beleza e figurino impecáveis. A fotografia capricha nos espaços abertos e fechados, sempre compondo ambientes aconchegantes. O luso José Pedro Vasconcelos e a brasileira Júlia Rabello formam um alívio cômico e um casal bem agradáveis — assim como toda a curta projeção do filme, cujos defeitos não comprometem seu ritmo ou tornam a sessão enfadonha.
Quer ver mais críticas?
  • As últimas críticas do AdoroCinema

Comentários

Mostrar comentários
Back to Top