Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Loja de Unicórnios
    Críticas AdoroCinema
    2,0
    Fraco
    Loja de Unicórnios

    Tudo pode ser? Se quiser será?

    por Renato Hermsdorff
    Sabe aquele momento em que você está zapeando a TV, sem forças para levantar depois de passar por um aborrecimento e tudo - todos os programas, qualquer anúncio - parece falar diretamente sobre o seu problema? É assim que Kit (Brie Larson) se sente depois de levar pau na escola de artes.

    Nesse ponto (e estamos bem no início do filme), há um exagero proposital, que é o que, aparentemente, vai dar o tom de Unicorn Store ("Loja de unicórnio", em tradução livre), primeiro longa dirigido pela atriz vencedora do Oscar por O Quarto de Jack, a partir do roteiro escrito por Samantha McIntyre. É uma boa sacada, que não se sustenta, no entanto.

    Kit é uma menina mimada e sonhadora, que sempre viveu na bolha de um mundo (literalmente) colorido, fruto do trabalho "motivacional" de seus irritantes pais, Gladys (Joan Cusack) e Gene (Bradley Whitford). Quando descobre a rejeição, ela decide dar uma guinada na vida, e acaba empregada como estagiária fotocopiadora de páginas de revista em uma "grande companhia".


    No ambiente corporativo, a pobre garota sofre, sem perceber, investidas do vice-presidente da empresa, o estranho Gary (Hamish Linklater, da série Legion, o melhor ator/ personagem do filme). Até que ela recebe uma misteriosa carta a convidando para conhecer a tal loja do título. Samuel L. Jackson vive o vendedor da loja. E parece desconfortável no figurino carnavalesco proposto pela colega de elenco da Marvel Studios.

    O primeiro terço de Unicorn Store aponta para dois caminhos que, estranhamente, o filme rejeita ao longo do percurso. O primeiro seria o da crítica à "América" que cria seus filhos sem preparo para enfrentar os problemas do mundo (esqueça); a segunda possibilidade seria a suspensão da realidade, a partir do retrato de um mundo verdadeiramente fantasioso à la Michel Gondry (que ela descarta).

    O que se vê é uma tentativa desesperada do filme de se mostrar "gostável", apelando para o sentimentalismo da plateia, a partir de uma mensagem cafona de autoajuda embalada em uma estética supostamente lúdica. "Tudo pode ser, se quiser será" - é como se Larson parafraseasse Xuxa. Como filme de amadurecimento ("coming of age"), o resultado é um tiro no próprio pé. Afinal, como diz a mãe de Kit em um raro lampejo de sabedoria: "a coisa mais adulta que você pode fazer é falhar".

    Filme visto no 42º Festival de Toronto, em setembro de 2017.
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema

    Comentários

    • Margareth d.
      Pense em um filme CHATO! Agora multiplique por 10. O resultado é a Loja de Unicórnios. Eca!
    • mee
      fiquei perdida, não entendi e no final ela era esquizofrênica ou se unicórnios existem, filme deixou muito a desejar
    • Thaysa L
      Filme horrível
    • Rayanne Matos
      Filme bem ruim e sem base nenhuma. Tive a esperança no final quando o cara que vende unicórnios falou que a ^encomenda^ havia chegado... Imaginei que ela cairia numa enrascada e que a moral seria que não podemos viver como se o mundo fosse feito de doces, pois ele é cruel, e as pessoas usam dessa nossa inocência para nos iludir e tirar maior proveito de nós. But... Não foi isso. Acho que não peguei a essência do filme, se é que ela existe.
    • Crys
      O mais estranho disso tudo, é que esse filme é de 2017, mas só está sendo lançado agora.
    Mostrar comentários
    Back to Top