Meu AdoroCinema
    Ad Astra - Rumo às Estrelas
    Média
    3,7
    85 notas e 15 críticas
    27% (4 críticas)
    13% (2 críticas)
    20% (3 críticas)
    20% (3 críticas)
    20% (3 críticas)
    0% (0 crítica)
    Você assistiu Ad Astra - Rumo às Estrelas ?

    15 críticas do leitor

    Wagner S.
    Wagner S.

    Segui-los Ler a crítica deles

    5,0
    Enviada em 28 de setembro de 2019
    Filme muito bem produzido e uma perspectiva interessante sobre a exploração espacial, drama psicológico e reflexão sobre os objetivos da humanidade na busca pelo desconhecido no universo.
    Alvaro Triano
    Alvaro Triano

    Segui-los 31 seguidores Ler as 85 críticas deles

    4,5
    Enviada em 27 de setembro de 2019
    Assisti o novo filme do diretor James Gray (Amantes, Os donos da noite, Z – A cidade perdida, Era uma vez em Nova York), chamado "Ad Astra - Rumo às estrelas". O longa é uma espécie de “Interestelar” com “O primeiro homem”, para alguns também lembra “2001 – Uma odisseia no espaço”, mas sem o lado sobrenatural e lúdico. Ad Astra é um filme de ficção contemplativo e intimista, sabe aqueles filmes com uma bela fotografia e com conceitos filosóficos? Esse é o filme! O diretor de fotografia Hoyte Van Hoytema, repete uma bela composição, assim como em Interestelar, entrega um primor visual magnífico, contraste de cores, enquadramento, tudo muito bem feito para você ficar maravilhado com o espaço e os cenários. Assim como em seus trabalhos anteriores, Gray consegue entregar uma narrativa densa e momentos nunca antes vistos no cinema. Uma ficção não muito distante da realidade, onde teremos viagens interplanetárias como se estivéssemos viajando de avião – a base na lua é formidável, bem como a cena de perseguição seguinte. Durante todo o filme, o diretor se mantém pé no chão, mesmo em alguns momentos que você imagina que o mistério vai ser revelado e o sobrenatural vai acontecer, ele volta para o drama humanista de seu personagem. Ad Astra é um filmaço de ficção que beira a arte, mas talvez não seja para você que espera ação e contato com o desconhecido.
    Fernando B
    Fernando B

    Segui-los Ler a crítica deles

    1,5
    Enviada em 30 de setembro de 2019
    Pior filme que assisti no cinema. Com base no trailer e pelo fato de ter Brad Pitt como protagonista tinha expectativa de uma boa ficção científica. Mas nem de longe foi. Muitas cenas parecem desenho infantil de tão forçadas, spoiler: como a batalha aleatória com piratas na lua em que quase todo mundo morre e a queda num precipicio te leva direto para uma super base americana com foguetes teleguiados que chegaram tarde demais. Cientificamente muito fraco e com um final totalmente sem sentido, sem direção, objetivo... exatamente como o personagem principal foi durante todo o filme. Só não é zero pelo visual, porque nem as filosofadas forçadas se salvam. O filme passa uma imagem ruim da Nasa, dos EUA, dos piratas, do protagonista, do pai dele(e muito), enfim, da humanidade. Nada inspirador. Sai insatisfeito e triste.Péssimo.
    Rodrigo Gomes
    Rodrigo Gomes

    Segui-los 28 seguidores Ler as 374 críticas deles

    2,5
    Enviada em 29 de setembro de 2019
    Desconecto, perdido e confuso. Mais um roteiro desperdiçando um excelente elenco. Diferente dos demais filmes com essa temática, nesse falta um objetivo, parece inacabado, mal resolvido. Esperamos algo grandioso e não recebemos. Parece uma tentativa frustrada de realizar algo incrível como Interestelar.
    c4rlc4st
    c4rlc4st

    Segui-los 8 seguidores Ler as 230 críticas deles

    3,5
    Enviada em 9 de outubro de 2019
    O conceito visual e a atuação central são os pontos altos do filme, que sofre por ser arrastado e cheio de si. O elemento reflexivo não é tão denso quanto faz parecer e alguns conceitos futuristas são exagerados e improváveis.
    Nelson J
    Nelson J

    Segui-los 96 seguidores Ler as 869 críticas deles

    3,5
    Enviada em 30 de setembro de 2019
    Brad é um astronauta com muita dificuldade de relacionamento e decide ir até Netuno ao saber que seu pai que também é astronauta não está morto. Filme existencial sobre o significados da vida e das relações humanas.
    Gil K
    Gil K

    Segui-los Ler a crítica deles

    5,0
    Enviada em 1 de outubro de 2019
    O filme tem ótimas cenas de ação, apesar de poucas, não curto um personagem narrar a história, mas no caso foi bem justificado. Filme pra pensar na vida, existência, tem que assistir com mente aberta.
    Gerson R.
    Gerson R.

    Segui-los 5 seguidores Ler as 64 críticas deles

    2,5
    Enviada em 2 de outubro de 2019
    O espaço sempre pareceu algo tão misterioso que só o fato de imaginarmos sua imensidão toda era suficiente para associarmos inúmeras questões de nossas vidas a este desconhecido – de onde viemos, para onde vamos, qual o sentido da vida? Sempre traçado pela ciência como o inicio da vida e, supostamente, o destino final, pois cada vez mais que nos aproveitamos de nosso planeta, temos a impressão de que um dia precisaremos sair daqui, pela falta de recursos, a exploração espacial no cinema sempre nos indagou várias questões filosóficas – seja a evolução de nosso conhecimento (2001, de Kubrick), nosso apego a ilusões e sentimentos (o clássico soviético, Solaris) ou a influência do amor para humanidade (Interestelar) e até mesmo a motivação para encarar a vida (Gravidade). Seguindo essa linha, temos agora Ad Astra, ficção cientifica do diretor James Gray (de Z – A Cidade Perdida), disposta, praticamente, a mesclar um pouco de cada elemento destes filmes que citei – mesmo que de maneira curiosa, esta nova aventura espacial está a alguns anos-luz de ser memorável e reflexiva como as tais produções que se assemelha. Ad Astra nos conta a história do astronauta Roy (Brad Pitt), que, em um futuro não muito distante, é designado para uma missão até o planeta Netuno, onde quase trinta anos antes seu pai, Clifford (Lee Jones), foi dado como desaparecido em outra expedição. O objetivo agora é tentar encontrar o pai de Roy, que pode solucionar uma espécie de tempestade espacial, que está causando inúmeras catástrofes na terra; frio e metódico, Roy embarca para a missão tentando não demonstrar todo o desconforto que seu passado lhe traz, dada sua relação áspera com o pai no passado e ainda por estar passando por um relacionamento amoroso problemático com a esposa Eve (Tyler); a medida que os mistérios da missão são revelados, Roy começa a desconfiar da lealdade das autoridades por trás da viagem – além de refletir pelo sentido de sua vida e trabalho. Com um primeiro ato bastante claro e objetivo, com uma sequência de ação muito bem feita, onde Roy despenca de uma enorme estação espacial, o diretor James Grey nos apresenta ao personagem de Pitt – um homem fechado, rígido, disciplinado ao extremo, que não hesita em aceitar as ordens de seus superiores – sendo assim, para transmitir seu estado real de sentimento, Grey felizmente opta por uma narração em off do próprio Roy, para que entendamos o que se passa em sua mente – um homem que não vê a hora de terminar seu trabalho, pois não o suporta – não atura o clima falso entre os colegas de trabalho, não agüenta a comparação com o pai, que é um cientista/astronauta renomado, mesmo desaparecido – Brad Pitt se sai muito bem em uma composição muito discreta, conforme o personagem pede – a frieza estampada em seu rosto se reflete em várias de suas atitudes – como, durante um conflito em território lunar, ao se desfazer do corpo de um colega sem o menor remorso – apenas para prosseguir na missão – mas, nesse aspecto de trabalhar na construção de personalidade do protagonista, o roteiro, do próprio Grey, escorrega com a forma pouco inspirada como insere os flashbacks mostrando a falta de dialogo entre Roy e Eve – tão pouco inserida que não temos nem a chance de vermos direito a composição de Liv Tyler – assim como não deixa de ser superficial os insossos flashbacks mostrando o personagem de Pitt no passado com o pai , que, vivido por Tommy Lee Jones, é um personagem que tem um desenvolvimento mínimo para que entendamos sua personalidade e apego a sua profissão – sua determinação em encontrar vida inteligente fora da Terra fica bem longe de ser compreendida – e, ao tentar inserir uma ligação religiosa à isso, torna-se ainda mais enfadonho – só não ficando mais implausível devido ao evidente talento de Jones, um ator poderoso, realmente. Mas, ao seguir para os próximos atos, Grey desaponta por não saber dosar a tensão e a emoção pela qual Roy passa – fica claro que o roteiro necessita de chavões e até alguns furos para prosseguir – e nisso incluo a forma como o astronauta precisa invadir uma nave em Marte – onde algo grave acontece e a relevância disso é completamente ignorada mais tarde – descrevo simploriamente isso para não dar spoiler, é claro – sem falar no uso de personagens que entram em cena sem propósito e saem da mesma forma – como é o caso da capitã Hellen de Ruth Negga e, pior ainda, com o veterano Donald Sutherland, que aparece para dar uns conselhos para Roy, passear com ele e sair de cena – uma pena desperdiçar um grande ator assim. A intenção de Grey é ser pretensioso, de fato – e, isto, por si só, não é um problema, desde que haja uma boa bagagem intelectual por trás – e isso Ad Astra não tem, lamentavelmente. Como disse antes, o primeiro ato situa bem a busca por sentido e propósito na vida por parte de Roy – mas, e aí? Qual a resposta? O que ele quer? Somente a reconciliação com o pai? Cumprir a missão e salvar a Terra? O segundo ato se apresenta arrastado – mostrando que desenvolver lentamente as situações não significa que combine com o fato de que viagem no espaço é algo demorado – nesse sentido, o mestre Kubrick soube dosar isso perfeitamente com seu 2001, porque lá, obviamente, havia profundidade e complexidade. O que acontece com Ad Astra é que temos apenas indagações parecidas (ou imitadas mesmo) de filmes como Solaris – trocando aqui a esposa falecida pelo pai desaparecido de Roy – ou a busca de sentido na vida após algum trauma – como acontecia com Sandra Bullock em Gravidade. Só resta alguma critica social-politica ao fato de haver um pano de fundo que apresenta este mundo futurista afetado por interesses políticos entre os países que exploram o espaço – como demonstrado na cena em Marte e na Lua – onde acontece uma das poucas cenas de ação do filme – assim como o momento em que a missão de Roy se depara com uma nave Norueguesa a deriva no espaço – momento mais tenso do filme, inclusive – mas que não agrega quase nada a narrativa. E, infelizmente, em seu terceiro ato, Grey se esquece completamente de criar qualquer tensão ou mistério – optando por tentar emocionar – e, claro, fracassando, porque ele não desenvolveu isso bem antes da metade do longa. Deixando algumas coisas até mesmo sem sentido – como a origem da tempestade de raios – uma ficção cientifica que não apresenta... fatos científicos? – mas, ao menos, ele difere de outros filmes do gênero, por oferecer uma solução para a missão do pai de Roy no mínimo inusitada – mas nada grandiosa, digamos assim. E falando em grandiosidade, Ad Astra, propositalmente, tenta ser simplório em sua concepção visual – que apesar de bem fotografada, é como se fosse uma homenagem a ficção cientifica retro – as “caminhadas espaciais” obviamente nos trazem a cenas parecidas vistas em 2001 e em Sem Rumo no Espaço – e a vista dos planetas do espaço não deixam de lembrar as antigas matte paintings que víamos em Jornada nas Estrelas, por exemplo. O design de produção também tenta seguir esta linha, ao inserir objetos de cena nas naves que remetem as naves antigas da corrida espacial americana, dos anos 60 – obvia homenagem aos pioneiros da exploração espacial. Há ainda o uso um tanto descordenado dos efeitos sonoros – como o som não se propaga no espaço, as cenas oscilam entre apresentar sons de foguetes ou serem silenciadas, não mantendo um padrão. Ou seja, acaba sendo uma discrepância que, lamentavelmente, se encaixa a falta de propósito do restante do longa – na verdade, há um propósito. Mas, ao chegarmos nele, não deixa de ser simplório e até ingênuo – sem falar que se assemelha imensamente com o final de um dos filmes que citei no inicio – o que é decepcionante, se levarmos em conta as ótimas atuações de Brad Pitt e Tommy Lee Jones e o quase promissor primeiro ato – infelizmente Ad Astra só caminha para um rumo convencional demais, sem estabelecer em suas duas horas de projeção algo inquietante ou relativamente reflexivo, como toda boa ficção cientifica faz.
    Jamesson L.
    Jamesson L.

    Segui-los 5 seguidores Ler a crítica deles

    5,0
    Enviada em 28 de setembro de 2019
    Os efeitos 3D, o elenco, as tomadas e as diversas surpresas durante todo filme fazem as quase 3 horas parecerem minutos. Muito bom.
    Alan David
    Alan David

    Segui-los 34 seguidores Ler as 592 críticas deles

    3,5
    Enviada em 30 de setembro de 2019
    Ad Astra - Rumo às Estrelas tem uma pegada cadenciada, mas entrega mensagens e dilemas bem significativos que fazem valer a pena acompanhar essa história, além de quando precisa, Brad Pitt entrega muito bem e a parte visual se não é assombrosa, consegue entreter para que não fique sonolento as coisas, um bom filme. Para ler a crítica completa. link a seguir: http://www.parsageeks.com.br/2019/09/critica-cinema-ad-astra-rumo-as-estrelas.html
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema
    Back to Top