Meu AdoroCinema
Bright Lights: Starring Carrie Fisher and Debbie Reynolds
Vídeos
Créditos
Críticas dos usuários
Críticas da imprensa
Críticas do AdoroCinema
Fotos
Filmes Online
Curiosidades
Bilheterias
Filmes similares
Notícias
Críticas AdoroCinema
4,0
Muito bom
Bright Lights: Starring Carrie Fisher and Debbie Reynolds

Uma despedida

por

Debbie Reynolds e Carrie Fisher. Mãe e filha. Uma, estrela do clássico musical Cantando na Chuva. A outra, protagonista de uma das maiores franquias da história, Guerra nas Estrelas. Uma clássica história hollywoodiana, marcada por idas e vindas e por um final inesperado. E doloroso. Carrie morreu no final de dezembro de 2016. Debbie seguiu a filha, um dia depois.

Bright Lights: Starring Carrie Fisher and Debbie Reynolds - PosterO documentário Bright Lights: Starring Carrie Fisher and Debbie Reynolds, produzido pela HBO, já estava pronto e acabou sendo lançado poucas semanas após a morte das duas. Por causa disso, acaba ganhando um maior peso dramático e emocional. 

Ainda que passe superficialmente por parte da história das duas, o filme cumpre bem o objetivo de mostrar um pouco do companheirismo entre mãe e filha, que terminaram morando em casas vizinhas na última parte de suas vidas. Vemos Carrie e Debbie como parte significativa da vida da outra. Elas são mais melhores amigas do que mãe e filha, como elas mesmas dizem em cena. Embora seja evidente a preocupação de Carrie com a saúde da mãe.

Neste sentido, acaba sendo uma experiência um pouco dolorosa pensar que a filha, que cuidava tanto da mãe, acabou falecendo antes dela. Se prepare para algumas cenas bem tocantes, como a que mostra os bastidores da homenagem a Debbie no SAG Awards, em 2015.

O filme toca no problema de Carrie com as drogas e mostra como isso a distanciou na mãe, mas não aprofunda muito na questão. Fala sobre o relacionamento de Debbie com o popular cantor Eddie Fisher, que a deixou para ficar com Elizabeth Taylor e acabou a vida sem dinheiro e sem fama. Mas passa muito superficialmente pelas relações de Carrie, apenas citando Paul Simon.

No final, o mais interessante é a dinâmica entre Carrie e a mãe. Com um grande acesso, os diretores Alexis Bloom, Fisher Stevens colheram depoimentos preciosos. É interessante ver Debbie revelando que tudo o que queria era que Carrie seguisse uma carreira como cantora. Ela, por sua vez, vê o fato de nunca cantar profissionalmente como uma forma de se rebelar contra a mãe.

Bright Lights também conta com a participação de Todd Fisher, irmão de Carrie. É interessante como forma de dar maior abrangência ao núcleo familiar, mas as falas do irmão nunca são tão relevantes. E, de certa forma, passa a impressão que ele meio que força para aparecer um pouco nos holofotes, o que é algo natural para sua mãe e irmã. 

O documentário foi pensado quase como uma despedida de Debbie Reynolds. Infelizmente, acabou sendo uma despedida também de Carrie Fisher.

Quer ver mais críticas?
  • As últimas críticas do AdoroCinema

Comentários

Mostrar comentários
Back to Top