Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Cuidado com o Slenderman
    Críticas AdoroCinema
    2,5
    Regular
    Cuidado com o Slenderman

    As vítimas criminosas

    por Bruno Carmelo

    Em 2014, um crime chocou os Estados Unidos: duas garotas de doze anos de idade esfaquearam uma colega dentro de uma floresta, deixando-a no local para morrer. Elas nunca se esconderam, nem mentiram sobre o caso, justificando a tentativa de assassinato pelo medo do Slenderman. Este monstro virtual, criado num concurso da Internet, pareceu real o suficiente para Morgan e Anissa. As amigas acreditaram que, caso não sacrificassem uma pessoa em nome da criatura, suas famílias seriam assassinadas.


    Cuidado com o Slenderman - FotoO documentário da HBO parte desta história para investigar, em primeiro lugar, a personalidade das pré-adolescentes e, em seguida, desvendar o mito do Slenderman – um homem alto e sem rosto, que não pronuncia uma palavra sequer, mas persegue crianças com seus longos braços. Este último segmento é de longe o mais interessante: a diretora Irene Taylor Brodsky convida especialistas (psicólogos, filósofos, estudiosos das redes sociais) para debaterem o surgimento do vilão, tentando compreender de que maneira uma figura tão claramente falsa pode despertar tamanho interesse – uma mistura de medo, curiosidade e admiração – por parte dos jovens.

     

    A cineasta busca farto material para comprovar a inserção da figura imaginária na cultura popular. O documentário investiga a criação das lendas urbanas e demonstra real interesse nos limites éticos das narrativas fictícias, ou seja, do próprio ato de contar histórias. Infelizmente, este segmento é minoritário dentro de Cuidado com o Slenderman. O olhar sociológico ocupa cerca de um terço do projeto, contra dois terços consagrados às garotas Morgan e Anissa, e aos seus respectivos pais. Na ausência das duas, encarceradas desde o crime, Brodsky deixa que os progenitores se tornem os verdadeiros protagonistas da história.

     

    Por um lado, esta escolha é positiva: o filme procura não responsabilizar os pais pelo crime das filhas, enquanto evita o sentimentalismo esperado do tema. No entanto, seria preferível que a diretora não tomasse partido de nenhum dos lados, nem vilanizando, nem defendendo os pais e as garotas. Ora, o documentário toma claro partido das pré-adolescentes. Elas são apresentadas como meninas dóceis, solitárias, vítimas de bullying, enganadas por um sistema muito maior que elas. Na ausência de vozes dissonantes, desenvolve-se uma longa defesa de ambas, inclusive pelo diagnóstico de esquizofrenia de Morgan, apontado pelo documentário como motivo suficiente para sua soltura.

     

    Cuidado com o Slenderman - FotoAo mesmo tempo, Cuidado com o Slenderman não demonstra o menor interesse pela vítima imediata do caso: Peyton, a garota esfaqueada. É curioso que a direção ignore a menina que quase morreu na mão das outras duas. Outro elemento questionável no documentário é a qualidade de suas imagens: para um filme de porte considerável – esta é uma produção HBO, afinal – as entrevistas são captadas em baixa qualidade, através de Skype ao invés de depoimentos presenciais, enquanto a câmera acompanha a rotina dos pais num banal close-up tremido, típico das reportagens urgentes da televisão. O que justificaria este tom de urgência? Ao mesmo tempo, para que insistir tanto no depoimento das garotas, a ponto de esticar consideravelmente a duração?

     

    O resultado é interessante em sua investigação do Slenderman como fenômeno cultural. Na época de Baleia Azul, menino do Acre, 13 Reasons Why, Black Mirror e tantas representações da relação perversa entre juventude e tecnologia, este projeto proporciona uma nova camada de reflexão. No entanto, a diretora poderia demonstrar maior esmero estético e preocupação em equilibrar o discurso. Documentários sobre embates morais dificilmente se saem bem quando abraçam apenas um dos lados envolvidos.

    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema

    Comentários

    • Julia Herrera
      filmes muito ruim, e nao asusta ninguem , um filme sem pe e cabeca
    • Julia Herrera
      Horrivel !
    Mostrar comentários
    Back to Top