Meu AdoroCinema
O Parque dos Sonhos
Críticas AdoroCinema
4,0
Muito bom
O Parque dos Sonhos

A psicologia das crianças

por Bruno Carmelo

Há vários parques dos sonhos dentro de O Parque dos Sonhos. O primeiro deles existe na cabeça da garotinha June e de sua mãe, concebendo juntas um local onde todas as brincadeiras seriam possíveis. Este espaço inacessível é representado pelas falas das duas, pelo olhar encantado da garota, pelo incentivo da mãe. Depois, existe o parque de cartolina e papel, criado por ambas dentro do quarto. É uma versão caseira que se converte, aos olhos da criança, na representação perfeita do universo mágico. Em seguida, existe a concretização do parque como utopia – quando a garota se perde na floresta, ela encontra o parque real, colorido e engraçado, diante de seus olhos -, e como distopia, quando o cenário é corroído, sujo, destruído.


A animação brinca muito bem com estes diversos registros, situados em níveis que vão do real à imaginação. Para o diretor Dylan Brown e sua equipe, esta constitui a oportunidade de explorar múltiplos estilos de desenho, de ritmo, de representação do real. Em sua configuração aparentemente simples, o parque – composto das atrações básicas, como rodas gigantes e montanhas-russas – representa um cenário riquíssimo, capaz de se transformar diante dos nossos olhos, ganhar tanto contornos analógicos, bem próximos do realismo (os brinquedos de ferro, as garras de aço, as roldanas e polias), quanto possibilidades mágicas, a exemplo da caneta que desenha novas atrações com a força do pensamento. O parque é muito mais do que uma aglomeração de brinquedos: ele representa toda a psique infantil, onde coabitam sentimentos de alegria, tristeza, raiva etc.


 


O “Wonderland” se torna a ilustração exata do transtorno vivido por June quando sua mãe adoece e fica internada no hospital. Sem acompanhar a estadia da paciente – nosso olhar se cola ao da menina, presa em casa – o filme prepara a jovem para o possível luto através da metáfora do parque. Neste espaço, ela encontra um macaco cujo comportamento é muito semelhante ao seu, descobre com os animais a importância da ajuda e a necessidade de se afastar, às vezes, da pessoa amada. A escuridão que toma conta do lugar representa o medo e a tristeza da garota. Por mais fantástico que pareça este universo, ele se torna profundamente real em sua leitura de sentimentos universais. June se torna uma personagem interessante por suas pulsões contraditórias, com as quais qualquer um poderia se identificar.

 

Em paralelo, a animação demonstra uma qualidade técnica e estética invejável. As cenas na floresta ostentam um 3D impressionante, enquanto os momentos de ação no escuro, dentro do parque, ganham contornos muitos mais sombrios e violentos do que a grande maioria das produções infantis. Pela representação do universo psíquico, O Parque dos Sonhos tem sido comparado a Divertida Mente, embora ostente um parentesco mais próximo com os ótimos Coraline e ParaNorman, dos estúdios Laika, que ousam explorar o medo infantil sem floreios, e com grande respeito à compreensão e de imaginação. O talento de June para a física e a mecânica e a citação a buracos negros e a gravidade apostam na capacidade das crianças de não necessariamente entender conceitos complexos, mas perceber a função dos mesmos dentro de uma história. A autonomia da menina e a presença de um melhor amigo indiano – sem que a etnia se transforme numa questão de conflito – também aproximam esta animação dos melhores trabalhos da Laika.


 


Talvez a única concessão a um universo infantil cognitivamente simples se encontre nos personagens coadjuvantes, funcionando como alívios cômicos tradicionais, munidos de diálogos tolos e arrastados demais. É curioso, aliás, que este projeto tão adulto seja apresentado ao público como um filme para crianças pequenas, tendo o urso azul como personagem principal. Ironicamente, ele sequer constitui a mais importante das figuras secundárias. Os personagens centrais nesta narrativa são os humanos, e mesmo os animais não passam de versões metafóricas de filha, marido e amigos lidando com a tristeza, a solidão, o luto, a euforia. Por trás da aparência multicolorida e das mensagens otimistas (sobre a importância de sonhar, o valor da amizade, o poder da imaginação), o filme se aventura por um universo mental profundo, próximo de espectadores de qualquer idade.

Quer ver mais críticas?
  • As últimas críticas do AdoroCinema

Comentários

Mostrar comentários
Back to Top