Meu AdoroCinema
  • Meus amigos
  • Meus cinemas
  • Notas Express
  • Minha coleção
  • Minha conta
  • Promoções
  • Desconectar
Rastros
Críticas AdoroCinema
3,0
Legal
Rastros

O caçador vai virar caça

por Bruno Carmelo

O início desta produção polonesa lembra um grande suspense hollywoodiano, com cenários suntuosos, trilha sonora ameaçadora e movimentos de câmera ostensivos, incluindo grandes tomadas aéreas. Pokot (algo como “Rastro”, em português) se constrói como uma história de assassinatos em série, no qual inicialmente animais selvagens são mortos, e depois os humanos começam a morrer. A dúvida, como de costume neste subgênero, diz respeito o autor dos crimes. Quem está matando tantos caçadores da região?


Pokot - FotoA tese sugerida é tão absurda quanto estimulante: os próprios animais estariam organizando uma vingança contra os humanos cruéis, que matam por prazer. Alguns indícios confirmam essa ideia, como as pegadas de bichos ao redor dos cadáveres. Mas a única pessoa capaz de defender a teoria improvável é Janina Duszejko (Agnieszka Mandat-Grabka), idosa excêntrica e contrária aos valores da região: ela é vegetariana, pacifista, amante dos animais a qualquer custo. A antiga engenheira inclusive guarda partes dos corpos de bichos na intenção de servirem à clonagem no futuro. Janina funciona como a “louca do vilarejo”, figura essencial dos folclores interioranos, e também protagonista desta história.

 

Em virtude de suas excentricidades, a trama passa a inserir elementos cômicos. Primeiro, o faz de maneira discreta, nas cenas de Janina lendo horóscopos dos policiais. Depois, torna-se uma comédia absurda, com traços românticos e fantásticos. A diretora Agnieszka Holland efetua uma série de combinações inusitadas para agradar o espectador, incluindo flashbacks multicoloridos para apresentar cada personagem (com câmeras lentas e músicas locais, algo em estilo O Fabuloso Destino de Amélie Poulain). O roteiro passa a apresentar grandes vilões, mocinhas indefesas, triângulos amorosos e jovens tímidos que, sem dúvida, ainda vão provar o seu valor rumo à conclusão. Pokot abandona o tenso realismo inicial para embarcar numa configuração quase circense.

 

Pokot - FotoMas a fusão de registros não para por aí: o filme envereda ainda pelo discurso ambiental, pelo debate sobre o papel da mulher e da religião, além de trazer cenas com fetiches por pés e festas à fantasia. Isso tudo faz sentido? Não exatamente. Mesmo assim, Holland consegue manter o mistério sobre a origem dos crimes e o modo de combatê-los. Este é um prazer simples, típico da estrutura de series de televisão à qual a cineasta está tão acostumada: sabemos que mais cedo ou mais tarde tudo ficará claro e a ordem será reestabelecida, como no final dos episódios de CSI, por exemplo. Todo o imbróglio seria uma simples manipulação dos sentidos, um jogo para o espectador verificar se a sua teoria pessoal se confirma ou não diante da inevitável revelação.

 

Ora, depois de tanto suspense, Pokot cansa de brincar. Num corte simples da montagem, desvenda tudo o que aconteceu, de que maneira, quando e onde. Não há explicação narrativa para tal descoberta: Holland simplesmente entrega a verdade para o espectador, como aquele organizador de festa surpresa que conta tudo ao aniversariante por não conseguir manter o segredo por muito tempo. A solução encontrada para o desfecho é plausível dentro da trama, mas um tanto anticlimática. O filme se conclui como um suspense razoavelmente bem-sucedido, uma comédia de poucos risos e uma fábula sem moral definida. Um projeto que, em tantas mudanças, acaba se perdendo junto do espectador.

 

Filme visto no 67º Festival de Cinema de Berlim, em fevereiro de 2017.

Quer ver mais críticas?
  • As últimas críticas do AdoroCinema

Comentários

Mostrar comentários
Back to Top