Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Atômica
    Críticas AdoroCinema
    4,5
    Ótimo
    Atômica

    Sob pressão

    por Lucas Salgado
    Após uma longa carreira como dublê, em que trabalhou em filmes como Blade, o Caçador de Vampiros Matrix Revolutions e O Ultimato BourneDavid Leitch fez sua estreia como diretor em 2014, em uma produção que tinha cara de "filme lançado direto em DVD", mas que se revelou um dos destaques daquele ano: De Volta ao Jogo. Codirigido por Chad Stahelski, o longa fez tanto barulho que os dois cineastas ganharam logo novas oportunidades em Hollywood.

    Chad engatou logo na continuação John Wick - Um Novo Dia para Matar e também está envolvido no novo Highlander. Já David preferiu arriscar mais e foi comandar Atômica. O resultado foi tão positivo que acabou convocado para Deadpool 2. Esta introdução é importante pois é muito difícil separar Atômica do primeiro John Wick. As duas produções nasceram sem muito barulho e aos poucos foram se revelando obras realmente especiais, principalmente para os fãs do gênero de ação.


    Passado em Berlim, em novembro de 1989, à dias da queda do muro, o longa acompanha uma agente do MI6, Lorraine Broughton (Charlize Theron), que visita a dividida cidade alemã na tentativa de desvendar a morte de um colega seu e também resgatar uma importante lista, com o nome de todos os agentes infiltrados na região. Ao chegar na cidade, ela recebe o apoio do também infiltrado David Percival (James McAvoy), mas a vida de espiã a faz não confiar em ninguém. O elenco conta ainda com as boas presenças de Sofia BoutellaToby Jones e John Goodman.

    A trama é relativamente simples e o joguinho de gato e rato, com várias reviravoltas, não é completamente inovador. A experiência cinematográfica, esta sim, é fabulosa, graças a uma sucessão de sequências empolgantes de ação e a uma atuação forte e inspirada de Theron. É curioso notar que após Mad Max: Estrada da Fúria e Atômica, a atriz vencedora do Oscar se tornou um dos principais ícones do gênero na atualidade. Charlize entrega uma performance dura e ameaçadora, demonstrando muita desenvoltura nas cenas de luta. Ela se entrega completamente à personagem e ao projeto, não fugindo das cenas em que tem seu corpo exposto, seja em momento quentes, seja em sequências que simplesmente tenta aliviar seus ferimentos.

    Chama a atenção no roteiro - e em cena - o fato de Lorraine ser muito diferente de John Wick. O personagem de Keanu Reeves segue a ideia do bicho papão, é praticamente imortal. Aqui, temos uma mulher fortíssima, mas que está apanhando a todo momento. Determinada e resistente, ela segue sempre em frente, mas isso não quer dizer que não vai levar umas porradas. Neste sentido, o filme tenta ser até realista - é claro, dentro do possível em uma obra do tipo.


    Baseado na HQ The Coldest City, de Antony JohnstonAtomic Blonde (no original) tem algumas escorregadas no roteiro, por vezes confuso, mas é salvo pela montagem de Elísabet Ronaldsdóttir e pela fotografia de Jonathan Sela. A dupla também trabalhou com David em De Volta ao Jogo. Na fotografia, é impressionante como o filme consegue criar um visual noir utilizando-se de cores fortes, em especial o azul e o vermelho, que servem de metáforas claras no cenário da Guerra Fria. Além da tonalidade, é impossível não destacar o impacto visual das cenas de ação, muitas delas em plano sequência. 

    A trilha instrumental de Tyler Bates (Guardiões da Galáxia) também é boa, mas o que chama mesmo a atenção é a seleção musical que conta com New Order, David Bowie, Public Enemy, George Michael, The Clash, Queen e muito mais.

    E não se trata de falar apenas que estamos diante de um filme com boa trilha sonora. Estamos diante de um longa em que a trilha sonora é importante de forma narrativa e na construção da experiência em assistir à produção. Cenas ao som de "Father Figure", "London Calling", "99 Luftballons" e "Under Pressure" são importantes no desenvolvimento do filme. Só ficou faltando "Atomic", da cantora Blondie. Seria uma opção bem óbvia, mas faria jus à personagem, que tem um visual muito parecido com o da artista.

    Com Atômica Mulher-Maravilha, 2017 se revela um ano muito importante para a representatividade das mulheres no cinema de ação. Resta saber se Charlize vai querer investir em continuações, pois sua "loira atômica" tem potencial para ser uma versão que une o estilo de James Bond e a brutalidade de Jason Bourne.
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema

    Comentários

    • Renato Macedo
      excelente, não se deixe levar pelos comentários dos cyber críticos fodoes... empolgante!
    • Ivasivas
      Não dá para assistir uma hora de filme, quem dirá duas... Não se engane pelas estrelas recebidas é um lixo.A trilha é dahora porém fica gritando que quer ter uma trilha sonora foda a ponto dos personagens dar play nos rádios antes de qualquer suposta cena dahora. Sqn
    • Edson Reis
      A única coisa que se salva no filme é a trilha sonora. Nada de inovador. Cheio de repetecos de outros filmes do gênero. Foi difícil assistir até o final, esperando algo de inovador acontecer e nada. Mas, tudo dentro do previsível para filmes do gênero. Quanto à atriz, nada que uma bem treinada não possa fazer...
    • beFour
      não entendo a tamanha necessidade de citar John Wick nessa crítica! tem pessoas que não viram esse filme e querem saber apenas quais as impressões do Atômica... Custa focar nesse?
    • Maria Cordovil
      Não consegui assistir... não é atoa que Tom Hardy nao gostou de trabalhar com Charlize... mulher pedante e antipática.
    • Batera
      exato cara. agora com o pantera negra vem a parada do racismo. o filme não tem nada de combate ao racismo com por exemplo 12 anos de escravidao. mostra wakanda forte, poderosa, os negão mitando e começa esse papo vitimizado, que é filme pros negros se orgulharem, pq grande parte da equipe tecnica tb é negra assim como o elenco ... a pre estreia pra imprensa e famosos em SP convidaram negros famosos e ricos, que encheram quase toda a sala.. As outras premieres pelo mundo não tinha nada disso.. só aqui o povo é chorão e vitimista, querendo lacrar enquanto colaboram ainda mais pra separar as pessoas e promover o ódio que eles tanto querem combater. Pantera Negra não é um filme de negros, é um filme de herói. não to vendo branco reclamando do filme, que so tem negro etc... so se for muito retardado.. pelo contrario, ta todo mundo ansioso pra estréia e apostando que vai ser um dos melhores filmes, principalmente por toda a originalidade artística africana inserida no filme. Vai ser muito massa. Wakanda Forever!
    • Pedro
      Uma bosta de filme, sequer consegui além do meio, sem rumo e sem sentido, quer um filme bacana nesta linha? Os agentes da Uncle, sei lá se é assim que escreve, mas a comparação faz desse atômica ser mais bactéria do que já tentando assisti-lo
    Mostrar comentários
    Back to Top