Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    O Abraço da Serpente
    Críticas AdoroCinema
    3,5
    Bom
    O Abraço da Serpente

    Loucura na floresta

    por Francisco Russo

    Logo de início, o preto e branco salta aos olhos. Não apenas pelo inusitado que é ver a floresta amazônica completamente sem cores, mas também pela beleza trazida pela proposta estética implementada pelo diretor Ciro Guerra e o diretor de fotografia David Gallegos. Este, no fim das contas, é um dos grandes trunfos entregues por esta produção colombiana, a primeira do país a conseguir uma vaga entre os indicados ao Oscar de melhor filme estrangeiro.

    O Abraço da Serpente - FotoDe fundo científico, O Abraço da Serpente é baseado nos diários de dois exploradores europeus, que vagaram pela Amazônia decididos a desvendar seus segredos nos primórdios do século XX. Cada um deles estrela uma ponta desta história, que tem no xamã Karamakate o elo de ligação. É ele quem conduz Théo (Jan Bijvoet) em sua jornada febril em busca de uma planta milagrosa, que pode salvá-lo da doença, e também quem, 40 anos depois, é procurado por Evan (Brionne Davis), que deseja seguir os passos de seu antecessor. Ao longo da jornada, é interessante notar a mudança de postura de Karamakate nestes dois momentos, revelada aos poucos.

    Com a narrativa vagueando sem parar entre o passado e o presente, O Abraço da Serpente por vezes confunde o espectador pela ausência de elementos que difereciem cada época. A floresta, incólume na sua ausência de cores, também auxilia nesta dificuldade de percepção, já que a passagem do tempo é perceptível apenas em padrões humanos - os índios e brancos que por lá passeiam são apenas residentes temporários, enquanto a floresta permanece sempre.

    O Abraço da Serpente - FotoDiante desta proposta de valorização da natureza e dos povos que vivem dela, o longa-metragem logo se torna um imenso estudo antropológico, como poucas vezes o cinema já produziu. Questões relevantes como a influência das missões jesuítas são apresentadas com uma crueza impressionante, sem se ter à versão oficial promulgada pela Igreja. Da mesma forma, o preconceito latente do homem branco perante os índios - e até mesmo entre as diferentes tribos - é ampliado à medida que a loucura da selva toma conta dos forasteiros. Isto sem deixar de lado os costumes indígenas, seja através de Karamakate ou de personagens menores que povoam a história.

    Visualmente impressionante, O Abraço da Serpente demonstra força ao trazer uma jornada que explore também crenças e descobertas, sejam estas físicas ou de espírito. Se em certos momentos apresenta-se confuso, isto é também pela proposta narrativa fora do convencional e, de certa forma, ousada.

    Filme visto na 39ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, em outubro de 2015.

    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema

    Comentários

    Mostrar comentários
    Back to Top