Meu AdoroCinema
  • Meus amigos
  • Meus cinemas
  • Notas Express
  • Minha coleção
  • Minha conta
  • Promoções
  • Desconectar
Café Society
Média
3,9
262 notas e 26 críticas
12% (3 críticas)
42% (11 críticas)
27% (7 críticas)
12% (3 críticas)
8% (2 críticas)
0% (0 crítica)
Você assistiu Café Society ?

26 críticas do leitor

Júnior S.
Júnior S.

Segui-los 36 seguidores Ler as 268 críticas deles

4,0
Enviada em 31/12/17
Do recente cinema tateante e acomodado de Woody Allen, este é certamente o exemplar mais formidável.
Claudia P.
Claudia P.

Segui-los Ler as 4 críticas deles

5,0
Enviada em 28/10/16
lúdico sensivel envolvente retro vale a pena assistir. Wood não decepciona os fans de seus filmes .
linda d.
linda d.

Segui-los Ler as 2 críticas deles

2,5
Enviada em 03/09/16
considero um filme mediano, a atuação do ator principal Maravilhosa! Mas já vi filmes melhores desse Diretor que considero Genial! Para quem gosta dos seus filmes, pode até gostar Mas sai do cinema com aquela sensação de quero mais!
Ramona H.
Ramona H.

Segui-los Ler a crítica deles

1,0
Enviada em 28/08/16
Tedioso, esperava muito mais, ótimo filme para dormir ou mexer no celular. 😴😴😴😴😴😴😴😴😴😴😴😴😴😴😴
Gilberto S.
Gilberto S.

Segui-los 1 seguidor Ler as 2 críticas deles

4,5
Enviada em 11/02/18
Importante que seja avaliado o filme e não o diretor por toda sua obra, tampouco as interpretações anteriores dos atores. Dito isso, o filme aborda o tema um tanto quanto retórico, entretanto, com uma perspectiva romântica, dramática e direta. Gravação moderna, o filme cumpre o que promete e agrada do início ao fim. Ótima interpretação. Vale a pena assistir.
Heitor L.
Heitor L.

Segui-los 24 seguidores Ler as 5 críticas deles

4,5
Enviada em 19/01/17
Café Society é típico filme Wood Allen, ótimo, despretensioso, bem humorado, ambientado entre pessoas ricas em cidades maravilhosas. Como sempre, o mais interessantes são os personagens, reais, mas como são olhados com pouca hipocrisia são falhos, e que incomodam um pouco ao nos fazer olhar as suas loucuras e percebê-las em nós mesmos. A traição naturalizada dentro dos relacionamentos convencionais heteronormativos, sempre colocando no traidor a busca pelo romântico e instável, e depois o engessamento do romantismo dando lugar ao previsível é dessas verdades que o filme passa com uma leveza que desilude e convence. Você termina o filme com aquele riso de canto de boca, mas no fundo pensativo pela história que acabou de ver.
Mauricio C.
Mauricio C.

Segui-los 1 seguidor Ler as 49 críticas deles

1,5
Enviada em 12/01/17
Mais uma atuação detestável de Jesse Eisenberg. Esperava muito de um filme com esse elenco e com essa direção. Mas o que temos é um filme que não prende a atenção e perde ainda mais com a atuação falida de Eisenberg.
Rogerio A.
Rogerio A.

Segui-los Ler as 3 críticas deles

3,5
Enviada em 12/10/16
Woody Allen com roteiro médio e a técnica cinematográfica de sempre. A direção dos atores também é muito boa. Kristen Stewart nem parece ela.
bruno r.
bruno r.

Segui-los Ler as 4 críticas deles

5,0
Enviada em 09/10/16
Jesse Eisenberg merece Woody Allen em seu currículo, sua fala sempre acelerada sendo essa sua marca está compassiva e sem falar que Blake Lively linda como sempre...
Sidnei C.
Sidnei C.

Segui-los 46 seguidores Ler as 95 críticas deles

3,5
Enviada em 03/10/16
Café Society é o 47º filme de Woody Allen. Isto significa quase um filme por ano desde que começou sua carreira como diretor (e ator em muitos deles) de seus próprios filmes. Talvez não tão versátil, mas igualmente prolífico que seus conterrâneos e contemporâneos Steven Spielberg e Martin Scorsese, Allen já fez além de comédias, em sua maioria, alguns dramas, um autêntico conto-de-fadas (A Rosa Púrpura do Cairo) e até mesmo um falso “documentário” (Zelig), que praticamente deu origem a um novo gênero no cinema. Seu novo filme começa como a maioria de seus filmes. Uma apresentação de créditos que se limita a apresentar os membros da equipe em letra branca sobre um fundo preto com a trilha de algum clássico do jazz, onde já é possível identificar mudanças em sua equipe principal. Neste filme, não são produtores Jack Rollins e Charles H. Joffe. Allen também não conta mais com a colaboração do fotógrafo Gordon Willis, recentemente falecido e substituído à altura pelo mestre Vittorio Storaro – aqui auxiliando Allen em seu primeiro filme digital. Mas um antigo colaborador de Allen marca presença: o diretor de arte e figurinista Santo Loquasto, com um trabalho notável de reconstituição de época. Para aqueles desencantados com seus 2 últimos filmes, e que achavam que Allen já tinha perdido a mão, seu novo filme prova que não. Seus temas de sempre estão lá, e sua eterna missão de garimpar novos rostos para compor seu elenco. Pela primeira vez em um filme de Woody Allen, encontramos Kristen Stewart, Jesse Eisenberg e Steve Carrell como o triângulo amoroso da trama. Blake Lively (revelada no discreto sucesso A Incrível História de Adeline), no entanto, parece um desperdício de beleza e talento, não tendo muito o que fazer no filme. Por outro lado, o elenco de coadjuvantes, de nomes e rostos desconhecidos pela maioria do público, praticamente rouba a cena dos protagonistas. Allen demonstra muito carinho por estes personagens, que são apresentados como personagens com alma, completos. E é deles a maioria das cenas cômicas do filme. Café Society se destaca muito mais pela direção de Woody Allen do que por seu roteiro. Uma ligeira desvantagem, já que Allen é o tipo de cineasta que estrutura seus filmes basicamente na história e diálogos, sem dar muita importância para a parte técnica - movimentos de câmera, montagem, etc. Woody Allen hoje não significa mais o que significou nas décadas de ´70 e ´80, quando era um dos pilares do cinema autoral americano. Allen deixou de ser relevante. Embora tenha proporcionado aos cinéfilos 2 gratas surpresas relativamente recentes (Meia-Noite em Paris, um inesperado sucesso junto ao grande público, e Blue Jasmin), seu novo filme se junta àqueles classificados como seus “pequenos filmes”. É possível desfrutá-lo, se sua expectativa estiver dimensionada às modestas pretensões do filme.
Quer ver mais críticas?
  • As últimas críticas do AdoroCinema
Back to Top