Meu AdoroCinema
A Bela e a Fera
Nota média
3,3
30 publicações
  • Almanaque Virtual
  • Ccine10
  • Cinema em Cena
  • Cinemascope
  • New York Times
  • O Globo
  • Quarto Ato
  • ScreenCrush
  • Screen International
  • CineClick
  • Cineplayers
  • Cineweb
  • Preview
  • Screen Rant
  • Cinepop
  • Collider
  • Critikat.com
  • Folha de São Paulo
  • Observatório do Cinema
  • Omelete
  • Rubens Ewald
  • Télérama
  • The Guardian
  • The Hollywood Reporter
  • The Playlist
  • Variety
  • Veja
  • Cinema com Rapadura
  • Papo de Cinema
  • Cinemação

Cada revista ou jornal tem seu próprio sistema de avaliação, que será adaptado ao sistema AdoroCinema, de 0.5 a 5 estrelas.

30 críticas da imprensa

Almanaque Virtual

por Raíssa Rossi

Um filme marcado pelo luxo e por uma Bela mais empoderada, que traz de volta toda a nostalgia para as gerações anteriores e a magia e o encantamento às novas gerações, que com certeza vai se cativar com este romance.

A crítica completa está disponível no site Almanaque Virtual

Ccine10

por Pedro Vieira

O romance entre os dois protagonistas acaba sendo melhor desenvolvido, e se na animação Bela se apaixonava pelas ações gentis da Fera e seu jeito “engraçado”, no live-action, é notável que ambos possuem certas semelhanças, pois se consideram “desajustados” perante ao mundo em que vivem.

A crítica completa está disponível no site Ccine10

Cinema em Cena

por Pablo Villaça

Não, "A Bela e a Fera" não ergue uma bandeira LGBTQ ou desfila na Parada Gay, mas se a mera presença de dois personagens (quase imperceptivelmente) homossexuais te incomoda tanto, acho que é hora de um autoquestionamento severo.

A crítica completa está disponível no site Cinema em Cena

Cinemascope

por Sttela Vasco

"A Bela e a Fera" é, de fato, um presente para quem cresceu com o clássico, uma forma de aproximar novas gerações do mesmo e também uma viagem a lembranças da infância – tanto do espectador, quanto dos personagens.

A crítica completa está disponível no site Cinemascope

New York Times

por A. O. Scott

Seu classicismo não é nada forçado. Assim como seu romance não é frágil. É bonito, muito fluido e deixa um sabor muito bom depois do final. Quase não consegui reconhecê-lo: acho que se chama alegria.

A crítica completa está disponível no site New York Times

O Globo

por Alessandro Giannini

O diretor foi além, ao investir em uma heroína inteligente, forte e independente e em personagens que, há poucos anos, não encontrariam espaço no mundo edulcorado da Disney.

A crítica completa está disponível no site O Globo

Quarto Ato

por Natália Coelho

Com efeitos visuais pesados [...], o longa faz justiça ao clássico de 91, mas não encanta tanto quanto o original. As tentativas de renovação são facilmente dispensáveis e até um pouco tediosas...

A crítica completa está disponível no site Quarto Ato

ScreenCrush

por Britt Hayes

Embora os efeitos especiais da Fera nunca combinem com a direção de arte maravilhosa do filme, o resultado compensa este problema com atuações espetaculares, química cativante e números musicais e dançantes que são (na maior parte dos casos) irresistíveis.

A crítica completa está disponível no site ScreenCrush

Screen International

por Fionnuala Halligan

Uma mensagem tocante. Uma heroína forte. Uma história de amor. Objetos inanimados que dançam e cantam. E alguns bons números musicais. Funcionou em 1991 [...] E um quarto de século depois, "A Bela e a Fera" encanta novamente...

A crítica completa está disponível no site Screen International

CineClick

por Iara Vasconcelos

O diretor Bill Condon [...] optou pela fidelidade, mudando pouquíssimas coisas da história e acrescentando algumas revelações sobre o passado da mãe de Bela, o que agradará os amantes da animação. Entretanto, o uso massivo do CGI faz a estética perder um pouco da fantasia.

A crítica completa está disponível no site CineClick

Cineplayers

por Heitor Romero

"A Bela e a Fera" traz ainda algumas surpresas em seu enredo que garantem sempre a atenção mesmo de quem já tem a animação original decorada de cor e salteado na memória. Pode não ser um filme muito corajoso ou radical, [...] mas tem o mérito de manter mágica ainda muito viva...

A crítica completa está disponível no site Cineplayers

Cineweb

por Neusa Barbosa

Esta versão de "A Bela e a Fera" segue o figurino de conto de fada que apela mais para adolescentes e adultos do que crianças, particularmente os fãs românticos à procura da repetição das emoções já sentidas diante da história familiar.

A crítica completa está disponível no site Cineweb

Preview

por Suzana Uchôa Itiberê

"A Bela e a Fera" é requintado, tem ótimos efeitos e momentos de emoção, claro, mas não tem aquele algo a mais que arranca suspiros. A Bela interpretada por Emma Watson não provoca o mesmo efeito, por exemplo, que a Malévola de Angelina Jolie.

A crítica completa está disponível no site Preview

Screen Rant

por Sandy Schaefer

Condon e sua equipe conseguem representar números musicais icônicos como "Gaston" e "Be Our Guest" de maneira esperta e visualmente interessante, embora menos expressiva e limitada pelos recursos do live action, algo que não ocorria com a animação "A Bela e a Fera".

A crítica completa está disponível no site Screen Rant

Cinepop

por Renato Marafon

"A Bela e a Fera" deve agradar por trazer de volta lembranças da nossa infância, mas mostra que a Disney tinha um grande potencial em mãos e deixou de aproveitá-lo por medo de se arriscar. É um filme visualmente encantador, porém mediano, que falha em nos entregar EMOÇÃO!

A crítica completa está disponível no site Cinepop

Collider

por Matt Goldberg

Tudo é extravagante e feito com perfeição no que diz respeito aos figurinos e direção de arte, mas de modo geral muitos dos acréscimos, especialmente as novas canções e ajustes no roteiro, apenas tornam o filme mais lento e distraem da história de amor central.

A crítica completa está disponível no site Collider

Critikat.com

por Nicolas Maille

O maior problema desta produção é seu diretor, Bill Condon, que está longe de ter a criatividade e o domínio dos grandes mestres hollywoodianos. Sua direção limita-se à ilustração, visando transpor em imagens reais o espírito do desenho animado sem trai-lo demais.

A crítica completa está disponível no site Critikat.com

Folha de São Paulo

por Ricardo Calil

Condon acerta nos detalhes: o candelabro, o relógio, a xícara, o guarda-roupa que se portam como humanos são perfeitamente "críveis". Mas o diretor se atrapalha no essencial: sua Fera (Dan Stevens) nunca deixa de parecer o resultado de efeitos especiais, não de um feitiço.

A crítica completa está disponível no site Folha de São Paulo

Observatório do Cinema

por Giovanni Rizzo

As opções estéticas de Condon ajudam o longa a criar essa atmosfera fantástica através de seu visual […] Pelo uso excessivo da computação gráfica, "A Bela e a Fera" acaba tornando seus ambientes e até mesmo personagens, principalmente o caso da Fera, em imagens pouco críveis.

A crítica completa está disponível no site Observatório do Cinema

Omelete

por Natália Bridi

É o talento do elenco que também compensa o grande estorvo do filme: o visual. Bill Condon traduz grosseiramente os traços delicados da animação. Como uma falsificação vendida em camelô, o produto final se parece com, mas não tem a mesma qualidade do original.

A crítica completa está disponível no site Omelete

Rubens Ewald

por Rubens Ewald Filho

O fato foi que acabei achando tudo com ar de opereta, com excesso de canções que na verdade funcionavam melhor no palco! [...] Na verdade,o óbvio é que a animação era melhor, mas esta imitação é razoável mas sem a mesma magia ou encanto.

A crítica completa está disponível no site Rubens Ewald

Télérama

por Cécile Mury

A Bela não é mais apenas uma prisioneira sentimental, mas uma aventureira feminista [...] Fábula tradicional sobre a relação à aparência e aos preconceitos, o filme se enriquece com uma defesa inédita do direito à diferença.

A crítica completa está disponível no site Télérama

The Guardian

por Peter Bradshaw

O filme inteiro de "A Bela e a Fera"é iluminado de maneira fascinante com um brilho dourado e artificial, e se desenvolve, em seu trilhos, com um ótimo ritmo...

A crítica completa está disponível no site The Guardian

The Hollywood Reporter

por Leslie Felperin

É uma master-class três estrelas no guia Michelin em habilidades de confeitaria que transforma o equivalente cinematográfico de uma dose de açúcar em uma overdose de metanfetamina que dura aproximadamente duas horas.

A crítica completa está disponível no site The Hollywood Reporter

The Playlist

por Rodrigo Perez

O projeto desnecessário é uma monstruosidade de extravagância e melodrama que afunda o filme. Essencialmente uma cópia cena a cena da amada animação de 1991, com as mesmas músicas e mais algumas medíocres, existe pouca vivacidade em "A Bela e a Fera" além do charme de Emma Watson.

A crítica completa está disponível no site The Playlist

Variety

por Owen Gleiberman

É um filme criado de maneira adorável, e, de muitas formas, é um bom filme, mas antes de mais nada, é uma grande peça da boa, velha (e nova) nostalgia.

A crítica completa está disponível no site Variety

Veja

por Miguel Barbieri Jr.

Embora a beleza esteja estampada na produção de época, falta um encantamento para tornar o filme arrebatador. Extenso e com muita música [...], o longa-metragem tem um correto casal de protagonistas, embora Josh Gad, como o gay LeFou, roube as cenas em suas saídas do armário.

A crítica completa está disponível no site Veja

Cinema com Rapadura

por Rogério Montanare

Absolutamente imperdoável é a falta de atenção aos efeitos especiais. É inconcebível que a mesma Disney, que fez história com os efeitos digitais oscarizados de “Mogli”, tenha produzido algo tão pobre e sem carisma como o que vemos aqui.

A crítica completa está disponível no site Cinema com Rapadura

Papo de Cinema

por Leonardo Ribeiro

Apesar de toda a pompa dos valores de produção, raramente a condução de Condon consegue gerar o sentimento genuíno de encantamento que se espera. Além disso, ele também demonstra inabilidade para construir cenas de ação.

A crítica completa está disponível no site Papo de Cinema

Cinemação

por Daniel Cury

Com um ato final da tal bruxa que se assemelha a um quase “deus ex macchina” desnecessário, “A Bela e a Fera” é finalizada com um baile que sintetiza todo o filme: divertido, bonito e encantador para os olhos, mas nada memorável e com a sensação de que poderia ser muito melhor.

A crítica completa está disponível no site Cinemação
Quer ver mais críticas?
  • As últimas críticas do AdoroCinema
Back to Top