Meu AdoroCinema
  • Meus amigos
  • Meus cinemas
  • Notas Express
  • Minha coleção
  • Minha conta
  • Promoções
  • Desconectar
Tempestade: Planeta em Fúria
Média
2,3
2270 notas e 51 críticas
29% (15 críticas)
18% (9 críticas)
16% (8 críticas)
10% (5 críticas)
18% (9 críticas)
10% (5 críticas)
Você assistiu Tempestade: Planeta em Fúria ?

51 críticas do leitor

Rogerio Veloso S.
Rogerio Veloso S.

Segui-los 9 seguidores Ler as 20 críticas deles

5,0
Primeiramente peço desculpas por usar esse espaço, mas devido não possuir outro canal, infelizmente preciso usar meio de comunicação. Adoro Cinema deveria excluir todos os comentários dos usuários que ficam dando nota sem ao menos ter assistido filme, isso distorce toda avaliação que usamos como norte para ver se o filme é bom ou não, segundo, está demorando muito para avaliar alguns títulos, tem casos que avaliação somente esta disponível no dia em que o filme é lançado e no período tarde, como por exemplo esse título. Usuários por favor não avalie filmes sem ao menos terem assistidos e não façam comentários que dê alguma pista do final do filme, fica dica.
Rodrigo Gomes
Rodrigo Gomes

Segui-los 26 seguidores Ler as 405 críticas deles

5,0
Ótimo filme. Pela primeira vez temos um roteiro de catástrofes naturais com uma trama política/policial que acaba assumindo o primeiro plano da história. O longa é rápido e bem resolvido, com respostas e acontecimentos chocantes, mas ainda tem aquela pegada sentimental nas relações dos personagens. As interpretações são muito boas e os efeitos especiais também não deixam a desejar. Essa é uma sociedade utópica, mas de uma realidade que, infelizmente, podemos chegar.
Lola S.
Lola S.

Segui-los 2 seguidores Ler as 2 críticas deles

1,0
Esse filme é um combo de clichê Personagens rasos e esteriotipados + excesso de diálogos expositivos + discurso motivacional tosco com música inspiradora ao fundo O TEMPO TODO O que talvez não me faça lamentar mais o desperdício que foi o valor do ingresso é um pouquinho de alívio cômico do primeiro ato. A impressão que tive é que tentaram rechear a falta de conteúdo com efeitos especiais e falharam miseravelmente.
Maria Theresa M.
Maria Theresa M.

Segui-los 1 seguidor Ler as 3 críticas deles

5,0
Um filme com ótima produção, atores incríveis com uma atuação impecável, os efeitos especiais muito bons e bem feitos, meus parabéns ao diretor Dean Devlin.
Eduardo D.
Eduardo D.

Segui-los 4 seguidores Ler as 3 críticas deles

0,5
Atores rasos, história rasa e em nenhum momento você consegue sentir perigo e o vilão só por Deus. Fazia tempo que eu não saía do cinema com a sensação de ter perdido o meu tempo.
IDER L
IDER L

Segui-los Ler a crítica deles

5,0
Um filme para ficar na memória.Além de ótimos atores,todo o processo de produção conta com efeitos especiais excelentes e para formalizar uma obra prima,o filme conta com um final moralizante raro entre os novos filmes. Simplesmente Incrível!
Yuri R.
Yuri R.

Segui-los Ler as 14 críticas deles

5,0
Filme muito bom, um dos melhores que já assisti do gênero. Filme ficou muito rico na história assim deixando os desastres esperados um pouco de lado e isso ficou maravilhoso.
Daniel A.
Daniel A.

Segui-los Ler a crítica deles

1,5
Tem muitas piadas é engraçadao porem o filme é muito clichê e os efeitos especiais São uma bosta, é legal o Mexicano.
Gerson R.
Gerson R.

Segui-los 5 seguidores Ler as 52 críticas deles

1,5
É quase que uma ofensa assistirmos o trailer do documentário Uma Verdade Mais Inconveniente e, logo a seguir, nos depararmos com a trama incrivelmente ingênua de Tempestade – que, quase sem dúvidas, é um dos filmes a falar sobre os perigos do aquecimento global da forma mais superficial possível. Tal contraste será cada vez mais evidente à medida que vamos conhecendo uma série de personagens unidimensionais e sem nenhum traço de personalidade que os tornem seres criveis ou interessantes de se acompanhar. Saudades do Gene Hackman em O Destino do Poseidon, Steve McQueen em Inferno na Torre ou até Jake Gyllenhall e Dennis Quaid em O Dia Depois de Amanhã – curiosamente, este último longa citado, é bem parecido com este filme, que é dirigido pelo estreante na direção, Dean Devlin – ele é o produtor de boa parte dos filmes de Rolland Emmerich, diretor por trás de vários outros exemplares do gênero catástrofe, que, ultimamente, vem decepcionando bastante – basta conferir 2012 ou No Olho do Tornado – tendo agora este Tempestade como mais um exemplar de mesmo (ou pior) nível. Enfim, o filme tenta alavancar o que geralmente funcionava nos bons exemplares deste gênero – dramas entre vários personagens, preparação para a tragédia ou cenas onde o espectador sempre ficava curioso por vê-las apenas por estar se sentindo seguro na poltrona do cinema, enquanto personagens sofrem para se manterem vivos em meio ao desastre. Inacreditavelmente, o longa falha em todos esses pontos. O inicio da produção é no ano de 2019, quando as condições climáticas mundiais ficam fora de controle – parte do mundo sofre com um calor enorme e outra com um frio extremo. Para acabar com isso, o governo de 17 países, liderados pelo cientista Jake Lawson (Butler), criam o Dutch Boy, um sistema de inúmeros satélites em torno do planeta que controla o clima, deixando em condições climáticas adequadas todo o planeta. Devido a vontade de alguns governantes em privatizar a invenção, Jake se manifesta contra isso e é expulso da equipe por seu próprio irmão, Max (Sturgess). Mas, após três anos, quando o clima começa a se descontrolar novamente, devido a problemas com o Dutch Boy, Jake é obrigado a retornar ao projeto – e descobrirá que muitos fatores (humanos) estão envolvidos nas tragédias que as falhas nos satélites estão causando – indicando que o mundo poderia sofrer a Geotempestade do titulo original – consistindo em várias catástrofes climáticas ao redor do mundo ao mesmo tempo. É incrível como Devlin não consegue tornar esta trama no mínimo urgente para darmos importâncias as situações – muito pelo contrario: o diretor estreante recorre a previsibilidade, inserindo uma narrativa no inicio que, praticamente, desenha na mente de quem assisti tudo o que vem pela frente – e não se espante por pensar que a trama parece uma mistura de 2012, O Dia Depois de Amanhã e Armageddon, porque a criatividade passou bem longe daqui – a critica que o roteiro faz contra o fato de que existem políticos de oposição norte americanos cruéis (como se os que estão no poder não pudessem ser também) é tão ingênua que chega a ser risível, numa tola tentativa de mostrar alguma seriedade em sua história pouco criativa – fora ainda o patriotismo que já vimos em outras produções do diretor, que aqui, mesmo com o fato da estação reunir pessoas de diferentes etnias, sempre acaba por ressaltar que os americanos são os verdadeiros heróis. Ainda que ruim politicamente, o roteiro poderia, ao menos, não apelar para clichês, tentando várias vezes emocionar o público. Mas vou apenas dar um exemplo de como o cineasta não sabe muito bem o que faz: acredite, Devlin, em certo ponto, para a narrativa só para acompanharmos um garoto indiano procurando seu cachorro perdido na rua durante um super furação – em cena que poderia ganhar até um framboesa de ouro de cena mais desnecessária do ano (caso existisse essa categoria de prêmio, não é?). Tocando no assunto de cenas ao redor do mundo, é ai que chegamos ao fato de que Tempestade decepciona até em suas características técnicas – que geralmente são o ponto alto da maioria dos filmes catástrofes. Existe uma terrível falta de sincronia de direção e equipe de produção – basta repararmos na montagem absurdamente falsa da praia do Rio de Janeiro, com prédios fakes ao fundo e uma tela verde deprimente atrás dos atores – que, como era de se esperar neste filme mal feito, são caricaturas de nos brasileiros; o carro do personagem de Daniel Wu parecendo um veiculo de um jogo de videogame enquanto foge de uma erupção no meio de Hong Kong; a concepção inverossímil e pouco funcional da estação espacial – a direção de arte falha em como mostrar o funcionamento do Dutch Boy – já que parece que apenas jogando algumas bombas na atmosfera já resolve o problema do clima. Pois é, milhões de dólares gastos e nada de assistirmos efeitos criativos – eu só achei aceitável a queda de um avião congelado na capital carioca. E Só. Quanto ao elenco, uma avalanche de atores bons passando vergonha em personagens ruins: Gerard Butler e Jim Sturgess jamais convencem de seu drama de irmãos brigados – sendo que o primeiro nunca consegue mostrar estar motivado por voltar a estação que ele mesmo ajudou a criar; Abbie Cornish, como a segurança do presidente e namorada de Max não deixa de ser inexpressiva em momento algum; Ed Harris, como um assistente do presidente, passa vergonha pela incrível incapacidade do roteiro de não soar previsível e Andy Garcia faz o presidente dos Estados Unidos mais distraído e lerdo que o cinema já viu... me deu até saudades de Harrison Ford em Força Aérea Um. Sem falar nos capangas do “misterioso” vilão do filme – parecendo versões mal feitas dos ninjas-capangas da O-Ren Ishi de Kill Bill Vol. 1 (oi?!!!). Entretanto, é bom destacar o talento da menina Talitha Bateman (de Annabelle 2), que confere alguma emoção real vivendo a filha de Jake – é dela a narração inicial e final do filme, que mesmo sem ter nenhuma função para trama, além de tentar fazer chorar, se mostra uma artista já promissora em suas expressões. Enfim, sem saber onde mostrar sua atenção real, Tempestade não tem capacidade de ser um filme que fale com propriedade do aquecimento global e suas formas de ser combatido, e nem um bom exemplo de cinema catástrofe, prejudicado totalmente por efeitos especiais pouco elaborados – veremos muitos pixels se destruindo, ao invés de cidades, digamos assim – personagens sem motivações plausíveis para suas condutas e um roteiro tão previsível quanto o esquecimento que teremos desta produção após ser vista.
Afonso Torres
Afonso Torres

Segui-los 2 seguidores Ler as 4 críticas deles

1,5
Previsível, essa com certeza é a palavra que define este longa, em nenhum momento a filme surpreende (exceto talvez pela revelação do culpado de toda a trama), roteiro pacato e sem grandes nuanças.
Quer ver mais críticas?
  • As últimas críticas do AdoroCinema
Back to Top