Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Whiplash - Em Busca da Perfeição
    Média
    4,6
    2486 notas e 192 críticas
    distribuição de 192 críticas por nota
    95 críticas
    77 críticas
    15 críticas
    0 crítica
    3 críticas
    2 críticas
    Você assistiu Whiplash - Em Busca da Perfeição ?

    192 críticas do leitor

    alexandrecunha
    alexandrecunha

    Segui-los 42 seguidores Ler as 34 críticas deles

    4,5
    Enviada em 31 de janeiro de 2015
    Excelente! JK Simmons leva o filme com os pés nas costas! Merece todos os prêmios de coadjuvante, não só o Óscar! Um filme que eu não dava nada e me surpreendeu bastante! Já gostava de jazz e havia esquecido, me fez lembrar o quão bom é esse estilo de música e retomar esse gosto antigo (junto com blues)! Caravan e Whiplash tocados no final sao de arrepiar, não tive como deixar de baixa-las para ouvir no carro. Parabéns Dave Ghrol por essa obra prima!
    Jonas Bittencourt Jr.
    Jonas Bittencourt Jr.

    Segui-los 592 seguidores Ler as 412 críticas deles

    5,0
    Enviada em 18 de novembro de 2019
    Whiplash é, acima de tudo, um filme sobre amor, não um genérico, mas amor pela arte, sobre a busca infinita(e insana) pela perfeição. Uma obra de arte, simples, mas atual e extremamente tocante. Com um roteiro(quase) perfeito de Damien C., gerando alta expectativa por seu próximo projeto. É uma estória que não se entrega à convenções, tem soluções práticas e naturais para seus entraves, por exemplo: A relação entre o personagem de Miles Teller(em sua melhor fase) e a garota do cinema, de quem sempre gostou, percebendo que esta seria um tipo de obstáculo em suas ambições, a dispensa com uma frieza até dolorosa de se ver. O jovem ator também merece crédito pela dedicação ao personagem, um baterista habilidoso. Mas sua maior força reside na atuação ''out cast'' de J.K Simmons(mas conhecido pela trilogia Spider-Man) o magistral ator consegue transmitir as pretensões/intenções de seu personagem somente através de gestos ou na antológica cena final, onde só precisamos observar seus olhos para saber o que seu personagem está sentindo no momento. O diretor e roteirista também é particularmente habilidoso ao não deixar que o filme caia no clichê ''mestre e aluno'', cada cena com os dois sai faísca, é um embate constante. Nenhum em nenhum momento está preocupado em agradar um ao outro, muito pelo contrário, ambos estão trabalhando por objetivos pessoais. Whiplash é uma obra sobre a obsessão de um artista pela perfeição, e dissecando a alma de seus personagens e segurando o público consigo até após o fim da projeção, este é 'quase' um filme perfeito, Afinal, este mesmo nos prova que nada é. Excelente!
    Shannon S.
    Shannon S.

    Segui-los 12 seguidores Ler as 11 críticas deles

    5,0
    Enviada em 22 de fevereiro de 2015
    Andrew Neiman é um baterista de jazz que, como todos nós, anseia o reconhecimento, quer deixar sua marca no mundo. Wiplash é denso, intenso; um ensaio sobre a vontade. É uma história escrita com sangue, suor e lágrimas onde a vontade impera sobre o limite, um limite ténue de uma vida dedicada à perfeição.
    ClaraFreesky
    ClaraFreesky

    Segui-los 24 seguidores Ler as 93 críticas deles

    5,0
    Enviada em 17 de outubro de 2015
    Simplesmente incrível! Com certeza um dos melhores filmes de 2015. Trama maravilhosa e intensa. Peguei-me fazendo caretas durante todo o filme, principalmente nos intensos solos de bateria de Andrew. JK Simmons foi impecável nesse filme, e Miles Teller, que já tinha meu respeito, ganhou minha completa admiração. E de quebra, o filme me fez admirar o Jazz um pouco mais.
    Kamila A.
    Kamila A.

    Segui-los 2140 seguidores Ler as 516 críticas deles

    5,0
    Enviada em 23 de julho de 2015
    Ao final da cena apoteótica que encerra “Whiplash: Em Busca da Perfeição”, filme dirigido e escrito por Damien Chazelle, é impossível não imaginar Andrew (Milles Teller) incorporando uma Nina (Natalie Portman, no filme “Cisne Negro”, de Darren Aronofsky) e afirmando para si mesmo: “Eu senti. Perfeito. Eu fui perfeito”. As semelhanças não param por aí. Assim como Nina, Andrew é alguém que está começando na forma artística que decidiu abraçar e que está prestes a ter a sua primeira grande chance. Assim como Nina, que enfrentou o temido Thomas Leroy (Vincent Cassel), Andrew terá no mestre Terence Fletcher (J.K. Simmons, numa atuação monstruosa, merecedora do Oscar 2015 de Melhor Ator Coadjuvante), ao mesmo tempo, a pessoa que vai fazer com que ele queira ir além do que ele sempre alcançou e o seu maior carrasco. Quando “Whiplash: Em Busca da Perfeição” começa, Andrew tem, dentro de si, muito certo aquilo que ele mais quer. Movido pelo desejo de se transformar em um grande músico e marcar seu nome na história da música norte-americana, Andrew tem plena consciência de que, para alcançar aquilo que os teóricos musicais chamam de virtuose, é preciso muita dedicação, horas exaustivas de prática musical e, principalmente, sacrifício. De uma certa maneira, esse diferencial de Andrew é percebido por Fletcher, que o convida a fazer parte, como baterista reserva, da orquestra principal do Shaffer Conservatory of Music. É aqui que começa a transformação de Andrew. A partir do momento em que ele começa a ser confrontado com o assédio moral que Fletcher impõe aos seus músicos (que acredita, piamente, estar fazendo o bem a eles), Andrew transforma o que era dedicação em obsessão, perdendo a noção dos seus limites (físicos e emocionais) e transcendendo, transformando a si mesmo na música que ele quer dominar. Aqui, entra, mais uma vez, a inevitável comparação entre “Cisne Negro” e “Whiplash: Em Busca da Perfeição”. Nos dois filmes, os personagens principais são artistas que tem a obsessão em dominar a técnica, mas se esquecem de algo tão importante: a emoção, se jogar por completo dentro do que eles se propõem a passar para a plateia e sentir de verdade cada passo de dança/cada toque na bateria. A jornada de Nina e de Andrew no decorrer dos dois filmes é rumo ao encontro com a arte naquilo que poucos artistas conseguem alcançar: a simbiose entre o que se vive, o que se sente e o que se quer passar.
    Anderson  G.
    Anderson G.

    Segui-los 350 seguidores Ler as 262 críticas deles

    4,5
    Enviada em 14 de julho de 2016
    Frenético, isso é Whiplash, é espantoso como Damien Chazelle mostra a obsessão de Andrew Neyman (Miles Teller) .no mellhor estilo Darren Aronofsky, a mixagem de som nesse filme é algo genial, os ângulos de câmera, os cortes secos são fenomenal, a atuação de J.K. Simmons é maginifica. É muito legal como o filme ensaia desenvolver uma relação mais afetiva com namorada e com o pai, mais ele não faz, ele se foca na drama principal que nem o protagonista, isso é fantástico, Whiplash é um filme que tem que ser visto, a cena final é algo sureal, espetacular, toda ela é incrível, no final voce já esta praticamente dentro da tela, voce já está batendo nos seus joelhos tocando junto. O roteiro é simples, pois ele mesmo não se exige muito, Whiplash é incrível.
    Pedro F.
    Pedro F.

    Segui-los 5 seguidores Ler as 16 críticas deles

    5,0
    Enviada em 13 de setembro de 2015
    Quando eu fui ver esse filme, confesso que fiquei com um pé atrás, não sei algo me dizia que não seria assim tão bom. Me enganei profundamente. Um filme incrível espetacular com uma trilha sonora impecável. J.K Simons e Miles Teller estão incríveis.
    Julio R.
    Julio R.

    Segui-los 13 seguidores Ler a crítica deles

    1,5
    Enviada em 11 de março de 2015
    Para ser sincero, me esforcei para entender como esse filme concorreu ao Oscar. É muito clichê. Que filme ruim. O baterista que toca até as mãos sangrarem. E os pratos que suam? Parecia que ele estava tocando dentro de uma sauna a vapor. Decepção. Sem falar no professor arrogante e com comportamento paramilitar. Típico filme americano da sessão da tarde. O tema tão bom, para um filme tão ruim. E parece que só eu detestei o filme. Filme enlatado e previsível. Depois assistam "Shine", "o Pianista", "Nannerl, la soeur de Mozart", ou "Amadeus", entre outros.
    Marcio A.
    Marcio A.

    Segui-los 59 seguidores Ler as 127 críticas deles

    4,5
    Enviada em 19 de janeiro de 2015
    Como músico e futuro Psicólogo fora uma honra assistir este projeto de tão extraordinária envergadura musical e psicológica. Penetra fundo na relação obsessiva e insana entre um tutor e seu aprendiz. Assim como um concerto onde a criatividade e o talento complementam a polifônica e afinada obra, seus artistas Miles Teller e J K Simmons , duelam numa química perfeita na condução de suas respectivas atuações, que trazem sensações de estranheza, Magnetismo e um certo fascínio pela ansiedade de saber aonde isso acabará. Como um maestro o Diretor Chazelle, segura firme a sua batuta e conduz com firmeza e talento um roteiro brilhante, uma condução de atores e músicos extraordinários, e o ininterrupto incômodo que é articulado com o propósito de fazer com que espectador tripule numa gravidade artística e doentia, trazendo um efeito arrebatador diante de um final apoteótico e que termina como um sinfonia que será difícil de ser esquecida. Sensacional!!!!Lançamento 8 de janeiro de 2015 (1h47min) Dirigido por Damien Chazelle Com Miles Teller, J.K. Simmons, Paul Reiser mais Gênero Drama , Musical
    Thiago C
    Thiago C

    Segui-los 48 seguidores Ler as 152 críticas deles

    5,0
    Enviada em 4 de junho de 2016
    Quem se dedicou a aprender a tocar um instrumento musical sabe o quão árdua e cansativa pode ser essa rotina. No filme, J. K. Simmons se consagra em seu irredutível personagem enquanto rege um empolgante e ardiloso show de bateria, com um louvável trabalho de edição.
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema
    Back to Top