Meu AdoroCinema
Exilados do Vulcão
Críticas AdoroCinema
1,5
Ruim
Exilados do Vulcão

Para “francês” ver

por Renato Hermsdorff
O cinema brasileiro vive um momento, é sabido, de domínio das comédias nas bilheterias do país. Ao mesmo tempo, noves fora o gargalo da distribuição, a produção nacional também tem conseguido levar outros gêneros (drama, ação, terror, até musical) às salas de cinema – em geral, obras comerciais, claro. A presença no circuito de um título mais “arriscado”, de narrativa não-linear, como este Exilados do Vulcão, portanto, chega para somar. Bom, pelo menos, em tese.   

Exilados do Vulcão - FotoEleito pelo júri oficial como o melhor filme do Festival de Brasília 2013, o primeiro longa-metragem de ficção de Paula Gaitán, viúva de Glauber Rocha, que já havia dirigido o documentário Diário de Sintra e dezenas de obras de videoarte, é de um primor técnico respeitável.

Luz, som, fotografia, enquadramento, decupagem (há pelo menos duas lindas cenas de imagens sobrepostas) funcionam em harmonia para entregar um quadro, em última análise, plasticamente, muito... bonito. Mas o roteiro, se há, parece ter três parágrafos, o que, a julgar pelas mais de duas horas de duração do filme, resulta em uma experiência um tanto quanto entediante.

Exilados do Vulcão - FotoO tempo é o tempo da ação. Gaitán e sua equipe não facilitam para o espectador (ponto para eles). Porém, tal qual um ventilador que gira lentamente sobre o próprio eixo, da esquerda para a direita, de cima para baixo, a câmera se move igualmente lenta para captar um conjunto de cenas que, pior, não parece se comunicar entre si. O problema não é a falta de respostas, mas um cinema tão pretensioso que, a julgar pela mínima ausência de sentido, nem sequer suscita dúvidas no público.

O filme, protagonizado pela atriz franco-brasileira Clara Choveaux (Embarque Imediato) e pelo italiano Vincenzo Amato (creditado em obras desde Novo Mundo a Invencível, de Angelina Jolie) se desenvolve Exilados do Vulcão - Fotosem diálogos, a partir de uma narração em off que é abandonada ao longo da projeção – com algumas intervenções nas línguas inglesa, italiana, francesa. A trilha, que combina estilos variados, entra para despertar o espectador, de quando em vez.

Livremente inspirado no romance “Sobre a Neblina”, de Christiane Tassis – grosso modo, sobre um fotógrafo à beira da morte devido a um tumor cerebral –, Exilados do Vulcão conta a história de... desculpem, mas este que escreve nem sequer tem capacidade de elaborar uma sinopse, um fio de trama que seja. Sem fazer concessão ao público (de novo: uma atitude que deve ser valorizada), Gaitán traz uma obra tão hermética, que dificilmente despertará qualquer identificação no espectador. Bom, talvez para aquela parcela da população com pós-doutorado na Sorbonne.
Quer ver mais críticas?
  • As últimas críticas do AdoroCinema

Comentários

Mostrar comentários
Back to Top