Meu AdoroCinema
    It - Capítulo 2
    Média
    4,1
    347 notas e 57 críticas
    30% (17 críticas)
    21% (12 críticas)
    19% (11 críticas)
    19% (11 críticas)
    5% (3 críticas)
    5% (3 críticas)
    Você assistiu It - Capítulo 2 ?

    57 críticas do leitor

    Ricardo B
    Ricardo B

    Segui-los Ler a crítica deles

    5,0
    Enviada em 5 de setembro de 2019
    O filme é espetacular , além de ser muito bom , ainda abrange várias críticas e realidades sociais , como a homofobia , abuso psicológico, bullying, entre outros.. Um filme diferente dos outros, se vc pensa que vai ver filme de terror tipo invocação do mal , pra depois ficar criticando, nem vá , esse filme é pra quem entende ou quem gosta da obra , e como de costume, vai fazer um enorme sucesso tanto quanto o primeiro filme. Vale muito a pena, quase 3 horas de filme, vale todo o dinheiro investido no ingresso , vou ver pelo menos umas 3 vezes , show de bola !!
    Yuri B.
    Yuri B.

    Segui-los 2 seguidores Ler as 17 críticas deles

    3,0
    Enviada em 6 de setembro de 2019
    O filme não é ruim, mas é bem longe de ser bom. Os personagens crescidos perderam boa parte do carisma, sendo bem sem sal. O único que se salva é o spoiler: Eddie, os melindres e a hipocondria continuam, o que faz com que ele se envolva em momentos cômicos. Richie se tornou um completo babaca, as piadas dele estão péssimas, salvo 1 ou 2 que se salvam. Os outros não se destacam , spoiler: o andamento do filme oscila muito e o spoiler: final é clichê e ruim os flashbacks dão uma bela salvada no roteiro. Foram um acerto e tanto. Ademais, o filme é mais gore que o primeiro, mas abusa demais de elementos repetidos do anterior, principalmente em relação ao Pennywise. Filme médio, mas que algumas cenas compensam.
    Vitor S
    Vitor S

    Segui-los Ler a crítica deles

    1,0
    Enviada em 8 de setembro de 2019
    Filme horrível, certos momentos pensei que estava assistindo Zumbilândia 2, sério gente um spoiler: zumbi dirigindo um carro kkkk filme cheio de groselha com várias críticas a homofobia e ao bullying e ao mesmo tempo cheio de piadas gordofóbicas vai entender né..Sério é a primeira vez na minha vida que eu paro pra fazer crítica de tão RUIM RUIM mesmo não gastem dinheiro atoa vem na minha kkk
    Jeison V
    Jeison V

    Segui-los Ler as 3 críticas deles

    2,5
    Enviada em 5 de setembro de 2019
    Assisti o filme hoje na pré estréia e achei decepcionante não existe terror algum além de jump scares, filme longo d+ e enrolado o que o torna tedioso... muitas piadinhas tirando foco do filme quase o tornando um filme de comédia com toques de fantasia com alguns sustos de bônus... no final da sessão todos pareciam estar saindo de um velório.
    Diogo A
    Diogo A

    Segui-los Ler a crítica deles

    5,0
    Enviada em 5 de setembro de 2019
    Não é aquele terror clichê e sim um filme reflexivo que aborda os mais diversos conflitos de uma sociedade. Realmente é um filme magnifico!
    Gerson R.
    Gerson R.

    Segui-los 5 seguidores Ler as 58 críticas deles

    4,0
    Enviada em 5 de setembro de 2019
    Não é de hoje que o cinema busca justificativas no comportamento das pessoas devido a traumas. A própria essência do drama inclui isto, mas existem projetos capazes de usarem esta composição de forma que justifique todo o andamento de uma narrativa ou temas, evocando uma identificação ou certa solidariedade emocional com os personagens retratados – isso é fundamental em filmes de gênero, onde a irrealidade de certas situações podem ser esquecidas devido ao desenvolvimento correto das personas em tela – portanto, o que o diretor Andy Muschietti faz nesta sequência do sucesso de 2017 pode não ter por trás uma novidade de temas – afinal, o livro do qual foi adaptado, do mestre Stephen King, já abordava o assunto – mas é inegável que ele sabe dosar de maneira precisa todos esses fatores que tornam os personagens de It – sejam suas versões adultas ou adolescentes – em seres multifacetados e interessantes, consequentemente, conseguindo transparecer uma verossimilhança capaz de atingir qualquer espectador. Não são muitos os exemplares de terror de grandes estúdios de Hollywood que conseguem criar tramas com simbolismos, emoções mundanas e observações sobre os temores que as pessoas passam pela vida – e um filme do cinema mainstream iniciar sua história mostrando um ataque violento de um grupo de jovens a um casal homossexual é algo extremamente significativo, por deixar demonstrar que muitos dos males da sociedade se dão por falta do amor ao próximo, do respeito, da ignorância – do pensamento fechado – causas de tantos preconceitos, como a homofobia ou racismo – o filme anterior tinha uma leve critica ao terrorismo, que sempre assusta o ser humano – mas It – Capítulo 2 vai além: o mal não é só representado por assassinos ou bandidos, as pessoas “comuns”, essas que lidamos todos os dias, também tem seu lado perigoso – a maldade surge do silêncio diante da injustiça, ou ao apoiar quem oprime os outros, do bullying praticado nas escolas – enfim, o Pennywise do excelente Bill Skarsgard representa tudo isso e algo mais – sua ameaça é, além de física, psicológica – transformando esta continuação em quase um terror psicológico, em certos pontos. A história se passa 27 anos após o filme passado, com os sete garotos do “Clube dos Otários” já crescidos e tocando suas vidas – deixaram o passado para trás, mesmo que forçadamente – mas, quando coisas estranhas voltam a acontecer na cidade de Derry – e está cidade fictícia, através de seus muitos moradores preconceituosos, racistas ou abusivos, representa uma grande parcela da população – o Mike, de Isaiah Mustafa, percebe que Pennywise estaria de volta e decide convocar os demais amigos – todos enfrentando seus próprios demônios na vida: a Bev de Jessica Chastain vive um relacionamento conturbado; o Bill de James McAvoy não consegue completar bem suas obras literárias e ainda se sente culpado pela morte do irmãozinho Georgie; o Eddie de James Ransone vive sob a pressão de um emprego não muito agradável, além de não estar feliz com seu casamento; o Ben de Jay Ryan que não esqueceu de sua paixão pela Bev; o Richie de Bill Hader que teme inconscientemente retornar a Derry; Mike também lamenta o triste fim de seus pais em um incêndio; e o Stanley de Andy Bean, que convive com a depressão – mesmo assim, os amigos acabam se reunindo para tentar destruir de uma vez por todas a ameaça da Coisa, que volta a tomar conta dos pensamentos do grupo, enquanto que lembranças do verão de 1989 vem a tona, para que várias decisões possam ser tomadas na época atual. Tendo que estabelecer a continuação do desenvolvimento dos sete personagens – habilidosamente bem divididos, sem deixar algum menos enfocado (inclusive a ausência de um certo personagem é incrivelmente bem representada), o roteiro de Gary Douberman segue a evolução deles, demonstrando características da adolescência em suas vidas atuais – nesse ponto o filme é extremamente feliz em ressaltar os estados emocionais de Bill, que, vivido por McAvoy muito bem, conserva até mesmo sua gagueira de modo crível – até mesmo os empregos que escolheram vão se mostrando perfeitos para suas personalidades, como Richie ter virado um comediante – e, por conta disso, o longa consegue se dar bem com o humor, que caracterizava perfeitamente o grupo no filme anterior – embora derrape com relação a Bev de Jessica Chastain, ao inserir de uma maneira artificial que ela vive relacionamentos abusivos – igual vivia quando era abusada por seu pai – algo perdoável pela atuação sempre pontual e expressiva de Chastain e de Sophia Lellis, que vive a versão jovem dela, novamente. O que poderia soar confuso é esclarecido em decisões de edição e transições bem elaboradas e criativas – particularmente gostei do momento onde Mike está ligando para os amigos virem a Derry e seu número aparece sem o nome no celular dos outros seis integrantes – demonstrando sutilmente como a vida adulta atrapalhou a amizade entre eles, afinal, nenhum deles tem sequer o contato dos outros amigos – sem falar quando um céu estrelado se transforma em um quebra cabeças, demonstrando o estado complexo das mentes deles em relação ao embate com Pennywise – inclusive, o longa é, novamente, rico visualmente – seja por sua fotografia com uma paleta de cores incríveis, transformando o vermelho dos balões e maquiagem do palhaço em um sinal de ameaça claro, além de uma mise-en-scène apuradíssima, principalmente quando lida com os flashbacks, mesclando as transições entre as versões adultas dos personagens com discretos efeitos especiais - e isso com o beneficio dos atores mirins compondo da mesma forma espirituosa seus papeis do primeiro capitulo. Mas lamentavelmente existe um certo exagero nessa mistura de passado e presente, que transforma alguns momentos em repetições – como ao mostrar a mãe de Eddie ou ao reforçar o bullying que Ben sofria no colégio – além da inserção pouco funcional do personagem de Teach Grant, que vive a versão adulta do Henry Bowers, que era um rival do Clube dos Otários e tem seu trauma com o pai abusivo retratado de forma superficial, além de que sua fuga de um hospital psiquiátrico para infernizar os outros personagens não muda praticamente nada na trama – essas decisões quase pausam o segundo ato do filme – que só não tem um terceiro ato perfeito dado ao uso errôneo de certas tentativas de causar surpresa nas cenas de tensão – mas, felizmente, não é algo duradouro, afinal, Muschietti tem um domínio exemplar sobre a tensão e jamais apela para sustos fáceis – ele se aproveita novamente da boa concepção dos personagens e os coloca em situações aflitivas, se dando bem com as ciladas que Pennywise traz para os membros do Clube dos Perdedores – as cenas de “ilusão” que o palhaço proporciona são realmente bem executadas – o uso sutil de CGI é um acerto, principalmente na concepção visual do palhaço – repare como sua forma física nunca é igual sempre que aparece – ele aumenta e diminui de tamanho (e forma, as vezes) em cada cena – com efeitos bem renderizados – apoiado, claramente, pela composição visceral de Bill Skarsgard, que se sobressai a sua forte maquiagem e efeitos – assim como outras criaturas que surgem no filme – monstros com características que assustam devido a semelhanças com o passado ou algum trauma dos personagens – como a idosa que Bev encontra em seu antigo apartamento ou uma enigmática aranha com cabeça humana – tudo isso conduzido com uma fluidez que transformam um filme com quase três horas de duração em uma experiência que passa realmente sem cansar. It – Capítulo 2 ainda encontra tempo para uma curiosa participação especial do próprio Stephen King, ao coloca-lo em cena com o personagem de McAvoy fazendo uma brincadeira por não ter gostado do livro deste – obvia referência ao fato de que King não costuma aprovar boa parte das adaptações para cinema de suas obras – e ainda existem referências a outros trabalhos do escritor, como O Iluminado (mais especificamente com o filme do Stanley Kubrick) e com O Apanhador de Sonhos e A Torre Negra – algo que pode ser uma surpresa para os fãs, mesmo que demonstrado de forma sútil. Esta segunda parte da saga de Pennywise versus o Clube dos Otários acaba se mostrando tão boa quanto a anterior, por estender de forma natural e verdadeira seus temas sobre medos e receios para a vida, além de falar com sutileza sobre preconceitos, bullying e a maldade humana – mesmo que não seja um tema inusitado ou inovador, It 2 é ainda um filme de terror envolvente e emocionante, retratando a amizade de forma muito tocante, o que é algo diferente dentre uma história com elementos assustadores, sejam os da ficção ou da realidade por trás de seus personagens complexos e verdadeiros.
    Rodrigo Gomes
    Rodrigo Gomes

    Segui-los 28 seguidores Ler as 366 críticas deles

    3,5
    Enviada em 5 de setembro de 2019
    Confesso que me perdi em meio às inúmeras críticas de preconceito, que são muito boas, mas parecem trabalhar separadamente da história. O elenco é ótimo e a continuidade é coerente, mas a história fica longa e toda demais. Não tem a novidade do primeiro, que ficamos extasiados com cada momento e senti certo enrolo pra chegar ao fim. Algumas questões permanecem borradas e não bem compreendidas.
    Wendel L
    Wendel L

    Segui-los Ler a crítica deles

    4,0
    Enviada em 6 de setembro de 2019
    It A Coisa: capitulo 2 investe em uma narrativa extremamente longa, mas satisfatória para os cinéfilos (fãs) apaixonados por um verdadeiro terror. É evidente que, o roteiro é um pouco superficial, porém isso não interfere na qualidade do longa metragem. A fotografia é impecável, fator que nos faz voltar ao capitulo 1. O elenco adulto não supera o carisma empregado pelo elenco infantil, no entanto, é possível enxergar uma semelhança entre ambos os núcleos. Desde a ligação facial, a gagueira do Bill ao estar nervoso, a piadas imorais ditas pelo Richie. A atuação do Pennywise é impecável. A primeira aparição do Stephen King, em um filme derivado de um dos seus livros gera algumas gargalhadas. E por fim, o capitulo final vira uma carta de despedida, escrita a mão e repleta de nostalgia, com destinatário referente aos fãs do terror raiz.
    Alan David
    Alan David

    Segui-los 34 seguidores Ler as 580 críticas deles

    3,0
    Enviada em 5 de setembro de 2019
    IT - Capítulo Dois mantém o visual e a atmosfera do primeiro filme, no que se propõe no quesito gênero terror com suspense entrega, mas o desenvolvimento da trama em si, deixou a desejar e a sensação que mesmo o primeiro IT batendo quase a perfeição em sua proposta, esperava-se algo perto disso novamente, só que ficou evidente que quiseram mais recriar o que funcionou antes, do que dá um prosseguimento mais coerente para o desfecho dessa história que merecia algo melhor do que foi apresentado, não é um desastre, só não ficou à altura do longa anterior. Para ler a crítica completa, link a seguir: http://www.parsageeks.com.br/2019/09/critica-cinema-it-capitulo-dois.html
    Victor B
    Victor B

    Segui-los Ler as 48 críticas deles

    4,0
    Enviada em 14 de setembro de 2019
    IT - Capítulo Dois: Um filme de terror tenso e divertido. O filme traz boas atuações (principalmente a de Bill Skarsgård como Pennywise e de Bill Hader como Richie Tozier), a atmosfera, a trilha-sonora, os efeitos especiais, os elementos de horror, humor, e a fidelidade ao livro foram ótimas. Esse segundo filme é inferior ao primeiro, mas consegue ser mais tenso, chocante, e assustador quanto seu antecessor. Muito bom!
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema
    Back to Top