Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    It - Capítulo 2
    Média
    3,9
    887 notas e 118 críticas
    distribuição de 118 críticas por nota
    28 críticas
    22 críticas
    25 críticas
    20 críticas
    10 críticas
    13 críticas
    Você assistiu It - Capítulo 2 ?

    118 críticas do leitor

    Jackson A L
    Jackson A L

    Segui-los 2671 seguidores Ler as 604 críticas deles

    3,0
    Enviada em 23 de novembro de 2019
    Filme longo sem necessidade, chegou a dar sono (apesar do gênero ser considerado "Terror") Deixou a desejar em vários aspectos em relação ao primeiro e este com uso exagerado de CGI.
    Ramon R
    Ramon R

    Segui-los Ler as 35 críticas deles

    0,5
    Enviada em 28 de outubro de 2019
    IT 2: Resultado medíocre, insatisfatório, horrendo, arrastado, péssimo, problemático, sem sal e horrível. Andy Muschietti entrega a última parte de A coisa, adaptação cinematográfica do livro de King, porém o resultado é atroz e medíocre. A direção de Andy é problemática, pois ele demora muito na introdução e isso está refletido no desenvolvimento que é desorganizado e mal escrito. Os sustos são bem telegrafados, perdendo tensão. O elenco é fraquíssimo. O James Mcvoy não estava muito a vontade, dá pra perceber que ele fez somente pelo salário. A Jéssica Chastian está bem apagada. O Bill Hader é o melhor de todos, é legal, engraçado, leve e melancólico e o resto do elenco é blazer. Pennywise é um personagem muito interessante, mas a escolha do Bill Skargard foi um erro. Ele é um bom ator, no entanto não combina como o vilão, ele é muito fraco e isso prejudica os sustos, a tensão e principalmente o ritmo do longa que é arrastado. Os efeitos visuais são toscos. O terceiro ato é o pior de todos, é decepcionante, sem sal, não é assustador. IT 2 foi um resultado insatisfatório como longa, e com certeza é o pior filme de 2019. NOTA: 1,8 (EU DARIA ZERO, PORÉM BILL HADER INTERPRETOU MUITO BEM, ENTÃO DEI ESTA NOTA)
    Gerson R.
    Gerson R.

    Segui-los 35 seguidores Ler as 94 críticas deles

    4,0
    Enviada em 5 de setembro de 2019
    Não é de hoje que o cinema busca justificativas no comportamento das pessoas devido a traumas. A própria essência do drama inclui isto, mas existem projetos capazes de usarem esta composição de forma que justifique todo o andamento de uma narrativa ou temas, evocando uma identificação ou certa solidariedade emocional com os personagens retratados – isso é fundamental em filmes de gênero, onde a irrealidade de certas situações podem ser esquecidas devido ao desenvolvimento correto das personas em tela – portanto, o que o diretor Andy Muschietti faz nesta sequência do sucesso de 2017 pode não ter por trás uma novidade de temas – afinal, o livro do qual foi adaptado, do mestre Stephen King, já abordava o assunto – mas é inegável que ele sabe dosar de maneira precisa todos esses fatores que tornam os personagens de It – sejam suas versões adultas ou adolescentes – em seres multifacetados e interessantes, consequentemente, conseguindo transparecer uma verossimilhança capaz de atingir qualquer espectador. Não são muitos os exemplares de terror de grandes estúdios de Hollywood que conseguem criar tramas com simbolismos, emoções mundanas e observações sobre os temores que as pessoas passam pela vida – e um filme do cinema mainstream iniciar sua história mostrando um ataque violento de um grupo de jovens a um casal homossexual é algo extremamente significativo, por deixar demonstrar que muitos dos males da sociedade se dão por falta do amor ao próximo, do respeito, da ignorância – do pensamento fechado – causas de tantos preconceitos, como a homofobia ou racismo – o filme anterior tinha uma leve critica ao terrorismo, que sempre assusta o ser humano – mas It – Capítulo 2 vai além: o mal não é só representado por assassinos ou bandidos, as pessoas “comuns”, essas que lidamos todos os dias, também tem seu lado perigoso – a maldade surge do silêncio diante da injustiça, ou ao apoiar quem oprime os outros, do bullying praticado nas escolas – enfim, o Pennywise do excelente Bill Skarsgard representa tudo isso e algo mais – sua ameaça é, além de física, psicológica – transformando esta continuação em quase um terror psicológico, em certos pontos. A história se passa 27 anos após o filme passado, com os sete garotos do “Clube dos Otários” já crescidos e tocando suas vidas – deixaram o passado para trás, mesmo que forçadamente – mas, quando coisas estranhas voltam a acontecer na cidade de Derry – e está cidade fictícia, através de seus muitos moradores preconceituosos, racistas ou abusivos, representa uma grande parcela da população – o Mike, de Isaiah Mustafa, percebe que Pennywise estaria de volta e decide convocar os demais amigos – todos enfrentando seus próprios demônios na vida: a Bev de Jessica Chastain vive um relacionamento conturbado; o Bill de James McAvoy não consegue completar bem suas obras literárias e ainda se sente culpado pela morte do irmãozinho Georgie; o Eddie de James Ransone vive sob a pressão de um emprego não muito agradável, além de não estar feliz com seu casamento; o Ben de Jay Ryan que não esqueceu de sua paixão pela Bev; o Richie de Bill Hader que teme inconscientemente retornar a Derry; Mike também lamenta o triste fim de seus pais em um incêndio; e o Stanley de Andy Bean, que convive com a depressão – mesmo assim, os amigos acabam se reunindo para tentar destruir de uma vez por todas a ameaça da Coisa, que volta a tomar conta dos pensamentos do grupo, enquanto que lembranças do verão de 1989 vem a tona, para que várias decisões possam ser tomadas na época atual. Tendo que estabelecer a continuação do desenvolvimento dos sete personagens – habilidosamente bem divididos, sem deixar algum menos enfocado (inclusive a ausência de um certo personagem é incrivelmente bem representada), o roteiro de Gary Douberman segue a evolução deles, demonstrando características da adolescência em suas vidas atuais – nesse ponto o filme é extremamente feliz em ressaltar os estados emocionais de Bill, que, vivido por McAvoy muito bem, conserva até mesmo sua gagueira de modo crível – até mesmo os empregos que escolheram vão se mostrando perfeitos para suas personalidades, como Richie ter virado um comediante – e, por conta disso, o longa consegue se dar bem com o humor, que caracterizava perfeitamente o grupo no filme anterior – embora derrape com relação a Bev de Jessica Chastain, ao inserir de uma maneira artificial que ela vive relacionamentos abusivos – igual vivia quando era abusada por seu pai – algo perdoável pela atuação sempre pontual e expressiva de Chastain e de Sophia Lellis, que vive a versão jovem dela, novamente. O que poderia soar confuso é esclarecido em decisões de edição e transições bem elaboradas e criativas – particularmente gostei do momento onde Mike está ligando para os amigos virem a Derry e seu número aparece sem o nome no celular dos outros seis integrantes – demonstrando sutilmente como a vida adulta atrapalhou a amizade entre eles, afinal, nenhum deles tem sequer o contato dos outros amigos – sem falar quando um céu estrelado se transforma em um quebra cabeças, demonstrando o estado complexo das mentes deles em relação ao embate com Pennywise – inclusive, o longa é, novamente, rico visualmente – seja por sua fotografia com uma paleta de cores incríveis, transformando o vermelho dos balões e maquiagem do palhaço em um sinal de ameaça claro, além de uma mise-en-scène apuradíssima, principalmente quando lida com os flashbacks, mesclando as transições entre as versões adultas dos personagens com discretos efeitos especiais - e isso com o beneficio dos atores mirins compondo da mesma forma espirituosa seus papeis do primeiro capitulo. Mas lamentavelmente existe um certo exagero nessa mistura de passado e presente, que transforma alguns momentos em repetições – como ao mostrar a mãe de Eddie ou ao reforçar o bullying que Ben sofria no colégio – além da inserção pouco funcional do personagem de Teach Grant, que vive a versão adulta do Henry Bowers, que era um rival do Clube dos Otários e tem seu trauma com o pai abusivo retratado de forma superficial, além de que sua fuga de um hospital psiquiátrico para infernizar os outros personagens não muda praticamente nada na trama – essas decisões quase pausam o segundo ato do filme – que só não tem um terceiro ato perfeito dado ao uso errôneo de certas tentativas de causar surpresa nas cenas de tensão – mas, felizmente, não é algo duradouro, afinal, Muschietti tem um domínio exemplar sobre a tensão e jamais apela para sustos fáceis – ele se aproveita novamente da boa concepção dos personagens e os coloca em situações aflitivas, se dando bem com as ciladas que Pennywise traz para os membros do Clube dos Perdedores – as cenas de “ilusão” que o palhaço proporciona são realmente bem executadas – o uso sutil de CGI é um acerto, principalmente na concepção visual do palhaço – repare como sua forma física nunca é igual sempre que aparece – ele aumenta e diminui de tamanho (e forma, as vezes) em cada cena – com efeitos bem renderizados – apoiado, claramente, pela composição visceral de Bill Skarsgard, que se sobressai a sua forte maquiagem e efeitos – assim como outras criaturas que surgem no filme – monstros com características que assustam devido a semelhanças com o passado ou algum trauma dos personagens – como a idosa que Bev encontra em seu antigo apartamento ou uma enigmática aranha com cabeça humana – tudo isso conduzido com uma fluidez que transformam um filme com quase três horas de duração em uma experiência que passa realmente sem cansar. It – Capítulo 2 ainda encontra tempo para uma curiosa participação especial do próprio Stephen King, ao coloca-lo em cena com o personagem de McAvoy fazendo uma brincadeira por não ter gostado do livro deste – obvia referência ao fato de que King não costuma aprovar boa parte das adaptações para cinema de suas obras – e ainda existem referências a outros trabalhos do escritor, como O Iluminado (mais especificamente com o filme do Stanley Kubrick) e com O Apanhador de Sonhos e A Torre Negra – algo que pode ser uma surpresa para os fãs, mesmo que demonstrado de forma sútil. Esta segunda parte da saga de Pennywise versus o Clube dos Otários acaba se mostrando tão boa quanto a anterior, por estender de forma natural e verdadeira seus temas sobre medos e receios para a vida, além de falar com sutileza sobre preconceitos, bullying e a maldade humana – mesmo que não seja um tema inusitado ou inovador, It 2 é ainda um filme de terror envolvente e emocionante, retratando a amizade de forma muito tocante, o que é algo diferente dentre uma história com elementos assustadores, sejam os da ficção ou da realidade por trás de seus personagens complexos e verdadeiros.
    Ricardo B
    Ricardo B

    Segui-los Ler as 3 críticas deles

    5,0
    Enviada em 5 de setembro de 2019
    O filme é espetacular , além de ser muito bom , ainda abrange várias críticas e realidades sociais , como a homofobia , abuso psicológico, bullying, entre outros.. Um filme diferente dos outros, se vc pensa que vai ver filme de terror tipo invocação do mal , pra depois ficar criticando, nem vá , esse filme é pra quem entende ou quem gosta da obra , e como de costume, vai fazer um enorme sucesso tanto quanto o primeiro filme. Vale muito a pena, quase 3 horas de filme, vale todo o dinheiro investido no ingresso , vou ver pelo menos umas 3 vezes , show de bola !!
    Matheus N
    Matheus N

    Segui-los Ler a crítica deles

    0,5
    Enviada em 24 de outubro de 2019
    Vcs estão loucos??? Puta filme merda!! Como pode alguem ter gostado disso?! Tive que parar de assistir com 1:40 min de filme, porque vi que ainda faltava mais 1 hora de filme. Melhor escolhe que fiz, 1 hora a menos de tortura.
    Luiz C.
    Luiz C.

    Segui-los 42 seguidores Ler as 38 críticas deles

    0,5
    Enviada em 16 de setembro de 2019
    Fomos assistir "It, a coisa - capítulo 2" ontem à noite. Na minha opinião, as cenas mais fortes e horripilantes estão bem no início do filme: cenas explícitas de violência homofobica que acabam levando à morte de um personagem, após ser barbaramente espancado. Infelizmente nada sobrenatural. Cena até bem real e factível, em épocas de fascismo escancarado, como a que estamos vivendo. Para quem assiste a este show de horrores sem se incomodar ou revoltar, todo o resto é apenas lento e monótono, um vaivém infinito de flash-backs do primeiro filme, entremeados de umas poucas informações novas, sem grande genialidade. Final não convence.
    Nelson J
    Nelson J

    Segui-los 17766 seguidores Ler as 1 220 críticas deles

    2,5
    Enviada em 6 de setembro de 2019
    Filme troca em parte o medo e terror, por um monte de efeitos especiais de gosto duvidoso. Há muitos momentos de retorno aos personagens originais de 27 anos atrás. Funciona, mas é longo e as vezes entediante.
    Vitor S
    Vitor S

    Segui-los Ler a crítica deles

    1,0
    Enviada em 8 de setembro de 2019
    Filme horrível, certos momentos pensei que estava assistindo Zumbilândia 2, sério gente um spoiler: zumbi dirigindo um carro kkkk filme cheio de groselha com várias críticas a homofobia e ao bullying e ao mesmo tempo cheio de piadas gordofóbicas vai entender né..Sério é a primeira vez na minha vida que eu paro pra fazer crítica de tão RUIM RUIM mesmo não gastem dinheiro atoa vem na minha kkk
    Rodrigo Gomes
    Rodrigo Gomes

    Segui-los 2000 seguidores Ler as 518 críticas deles

    3,5
    Enviada em 5 de setembro de 2019
    Confesso que me perdi em meio às inúmeras críticas de preconceito, que são muito boas, mas parecem trabalhar separadamente da história. O elenco é ótimo e a continuidade é coerente, mas a história fica longa e toda demais. Não tem a novidade do primeiro, que ficamos extasiados com cada momento e senti certo enrolo pra chegar ao fim. Algumas questões permanecem borradas e não bem compreendidas.
    Juliana C
    Juliana C

    Segui-los Ler a crítica deles

    0,5
    Enviada em 17 de setembro de 2019
    Sério gente, nem criança se assusta. Tudo fora de propósito. Piadas mal colocadas, traumas tratados superficialmente. Monstros desconexos. Aff, perdi meu tempo.
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema
    Back to Top