Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Sete Homens e Um Destino
    Críticas AdoroCinema
    2,5
    Regular
    Sete Homens e Um Destino

    Feito à medida para a plateia – e não para desafiá-la

    por Renato Hermsdorff
    Se um filme é reflexo do seu tempo, faz sentido a nova versão de Sete Homens e Um Destino ser lançada em 2016, do jeitinho que está. Isso porque, para o bem e para o mal, o remake do faroeste homônimo de John Sturges de 1960 (por sua vez, uma releitura de Os Sete Samurais, de 1954), em relação aos “originais”, atualiza a trama com questões pertinentes aos dias atuais, ao mesmo tempo em que parece feito à medida para a plateia – e não necessariamente para desafiá-la.

    Sete Homens e Um Destino - FotoEm tempos de "inclusão" e "diversidade", o longa de Antoine Fuqua (Dia de Treinamento) traz quatro tipos (numericamente superiores, portanto) não-caucasianos entre os sete do título, sendo um oriental (Byung-Hun Lee), um descendente de indígenas (Martin Sensmeier) e um latino (Manuel Garcia-Rulfo, no papel que seria de Wagner Moura), todos sob a tutela de um negro, Sam Chisolm (Denzel Washington).

    Diferente do clássico dos anos 1960, dessa vez, não são os mexicanos que sofrem com os ataques do vilão ganancioso (papel assumido aqui por Peter Sarsgaard), mas americanos natos. E quem tem colhões de fazer algo e dar início ao recrutamento da trupe para defender a vila é... uma mulher, a personagem de Haley Bennett (O Protetor) - a ca-ra de Jennifer Lawrence aqui - que, diferente das donzelas do gênero, põe a mão na massa, ou melhor, nas armas.

    Resulta que essas opções não apenas dão voz a outras representatividades (o que alguns ainda acreditam se tratar de “mimimi”), ao mesmo tempo em que, caso ainda não esteja convencido(a), conferem um mínimo de originalidade para uma obra que já o remake de um remake. Ponto para o filme, cuja primeira metade (lá se vai uma hora de projeção) foca na formação do grupo. Mesmo reunindo (ou por causa da reunião de) personalidades tão díspares, é divertido ver o nascimento da gangue.

    Sete Homens e Um Destino - FotoApesar desse ser o primeiro faroeste no qual a unanimidade Denzel atua, vê-lo fazer cara de “mau” e atirar por aí não exatamente uma novidade. E dada a repetição do tipo, pode soar como um desgaste para a plateia. O destaque acaba ficando com o “bom” e o “feio”. Não que o primeiro, Josh Farraday (Chris Pratt) seja um santo; não que vê-lo sacar uma piada no meio de uma situação tensa seja novidade. Mas dada a unanimidade do sucesso do tipo irônico de Star-Lord (Guardiões da Galáxia), que ele repete aqui – é como ver Peter Quill fantasiado de cowboy –, o ator rouba a cena, como era de se esperar. A surpresa é o segundo. Vincent D'Onofrio está envelhecido, quase irreconhecível no papel de Jack Horne, um adorável ranheta.

    A segunda fase (mais uma hora de filme), apesar de um belo take aqui, outro ali, segue como uma interminável e enfadonha cena de batalha. Lutas e mais lutas que pouco ou nada contribuem para o andamento da narrativa. E é aí que The Magnificent Seven (no original) se mostra tão datado quanto a política romana do “circo”. Há quem se sinta confortável no meio do tiroteio, claro; mas provavelmente se esquecerá do filme assim que jogar o saco de pipoca no lixo.

    Filme visto no 41º Toronto International Film Festival, em setembro de 2016.
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema

    Comentários

    • Lucas De Vergennes
      Um baita filmaço e esse arrom.bado desse crítico só consegue contar quantos negros, mulheres, latinos, etc, etc. É um absurdo essa mentalidade que, posando ser nobre, é a primeira a assistir e discriminar todo mundo por sua cor, raça, sexo ou sei lá mais o quê ao invés de procurar ver a essência e o caráter dos personagens. Ridículo alguém que escreve isso, pior ainda sou eu que dei atenção para um lixo desses. É um filmaço!
    • Kairo Kiev
      Q poha de crítica tosca eh essa... Esquecer o filme ao sair do cinema?Já fazem 2 anos q o filme saiu e ainda assisto. Pode não ser um clássico faroeste como O bom, o mal e o feio (entre outros), nem ser um remake direto do original, mas com certeza eh um ótimo faroeste pra atual geração. Tá na minha coleção de filmes e sempre q dá vontade, coloco pra assistir... Não sei pq raios ainda vejo crítica do Adorocinema... Sempre críticos toscos q assistem os filmes com a bunda!
    • Renato Alves Nogueira
      Depois dos 30, o gosto por filmes se torna muito seletivo. Escolher um filme pra assistir se torna uma tarefa tão chata que é melhor dormir. Repetir um filme dá uma preguiça!!. Colocar alguns filmes como Matrix e Poderoso chefão na lista anual de Filmes pra reassistir onde até senhor do aneis não conseguiu entrar é algo........difícil. Mas conseguir reassistir um filme três vezes no mesmo ano mostra o potencial que ele tem de ser bom. A mensagem é clara. Pra que o mal vença, basta que o bem não faça nada. No filme, o bem fez.
    • Antonio Inacio
      Gostei do filme e o q é melhor é q, apesar de ter mulheres no enredo, não possui aquelas cenas de romance chatas q atrapalham os filmes de ação, embora essas cenas sejam um boa hora para ir ao banheiro.
    Mostrar comentários
    Back to Top