Meu AdoroCinema
Eternamente Pagú
Eternamente Pagú
Data de lançamento desconhecida (1h 40min)
Direção:
Elenco: Carla Camurati, Nina de Pádua, Antonio Fagundes mais
Gênero Drama
Nacionalidade Brasil
Usuários
3,23 notas e 1 crítica
notar :
0.5
1
1.5
2
2.5
3
3.5
4
4.5
5

Sinopse e detalhes

Fins dos anos vinte, Pagú ainda não tem vinte anos e já encanta os meios intelectuais avançados de São Paulo, da mesma forma que escandaliza os conservadores. É apresentada aos membros da ala radical do movimento modernista, liderada por Oswald de Andrade, brilhando entre estrelas não menos cintilantes, como a pintora Tarsila do Amaral. Pagú e Oswald se aman. Têm um filho, militam no Partido Comunista, fundam um jornal. Pagú vai à Argentina, onde encontra Luiz Carlos Prestes. Participa de uma greve em Santos e é presa pela primeira vez. Em seguida, parte numa viagem pelo mundo, deixando Oswald e o garoto e sempre convivendo com artistas e militantes de esquerda.
Distribuidor Warner Home Video (Brazil)
Ver detalhes técnicos
Ano de produção 1988
Tipo de filme longa-metragem
Curiosidades 3 curiosidades
Orçamento -
Idiomas Português
Formato de produção -
Cor Colorido
Formato de áudio -
Formato de projeção -
Número Visa -
Pela web

Elenco

Carla Camurati
Personagem : Patrícia Galvão (Pagu)
Nina de Pádua
Personagem : Sideria
Antonio Fagundes
Personagem : Oswald de Andrade
Esther Góes
Personagem : Tarsila do Amaral
Ficha completa

Crítica de usuários

Milita A.
Crítica positiva mais útil

por Milita A., em 25/05/2013

5,0Obra-prima

Não somente vi, como participei no filme cantando o Hino da Liberdade! Quando Pagú (Carla Camurati) deixa a prisão! Saudades!... Leia mais

Todas as críticas de usuários
100% (1 crítica)
0% (0 crítica)
0% (0 crítica)
0% (0 crítica)
0% (0 crítica)
0% (0 crítica)
Você assistiu Eternamente Pagú ?
1 Crítica de usuários

Fotos

Curiosidades das filmagens

A musa do cinema novo estreia em nova função

Eternamente Pagu é o primeiro longa dirigido por Norma Bengell.

A personagem principal

Patrícia Rehdler Galvão (1910-1962), a Pagu, foi uma das figuras mais polêmicas do modernismo brasileiro, mesmo sem ter participado da Semana de Arte Moderna.

Prêmios

IV Rio-Cine Festival GanhouJurí PopularMelhor FotografiaAtriz Coadjuvante - Esther Góes II Festival de Cinema de NatalGanhouMelhor Atriz - Carla Camurati

Se você gosta desse filme, talvez você também goste de...

Mais filmes similares

Comentários

Mostrar comentários
Back to Top