Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Jovem Aloucada
    Críticas AdoroCinema
    2,5
    Regular
    Jovem Aloucada

    Sexo ou religião

    por Bruno Carmelo

    Jovem Aloucada parte de uma intenção ousada: retratar de maneira direta e sem preconceitos os desejos sexuais de uma adolescente evangélica, confrontando os princípios do prazer aos princípios da moral cristã. O filme é baseado na história real de Daniela (Alicia Rodriguez), jovem que criou o blog “Joven y Alocada” para contar em segredo as suas experiências sexuais. As histórias eram bastante cruas, impregnadas da franqueza adolescente e da coragem propiciada pelo anonimato.


    Jovem Aloucada - FotoO filme adota uma estética pop e teen, incluindo momentos em animação, cenas com publicações do blog desfilando pela tela e muita trilha sonora adolescente. Daniela não é uma jovem particularmente politizada em seus relatos eróticos, apenas uma garota rebelde, não muito inteligente (ela deixa o computador ligado várias vezes, com indícios de suas aventuras) e temente à mãe e à igreja. Embora tenha sido filmado em 2012, o projeto parece envelhecido pela estética dos blogs antigos. Neste sentido, é impressionante como as produções que reproduzem imagens de tecnologia se tornam datadas, como reflexos diretos da época em que foram feitas.

     

    Se Daniela não tem muita consciência do peso social de seu discurso, pelo menos a diretora Marialy Rivas adota um olhar mais consciente, certo? Não muito. O filme se diverte com algumas ousadias agradáveis, como animações de Deus despertando ereções em pênis flácidos, ou cenas de sexo que beiram o explícito, mas isso não impede que as instituições tradicionais sejam poupadas pelo filme. A igreja evangélica da mãe (Aline Küppenheim), o trabalho em um canal de televisão religioso e a escola conservadora pregam discursos contrários à livre sexualidade, embora nada na história conteste esta lógica. Daniela é censurada por todos ao redor, o que é visto como algo natural, compreensível. As duas únicas outras personagens que levam uma vida sexual livre – a irmã e a tia de Daniela – são convenientemente punidas com o exílio e com uma doença terminal.

     

    Jovem Aloucada - FotoOu seja, por trás da aparência alegremente profana, do ritmo divertido e despojado do projeto, com suas câmeras na mão e sua iluminação negligentemente superexposta, existe um conformismo contrário à própria lógica do blog. A origem dos textos de “Joven y Alocada” era encontrar um espaço de liberdade total, onde Daniela experimentaria a homossexualidade, o sexo a três, o sexo anal e outras práticas. No filme, ela executa essas ações, mas em círculos sociais muito precisos e segregados. Por esta separação tão rígida entre vida sexual e vida familiar, os personagens coadjuvantes, sejam eles amigos (ou seja, ligados à esfera sexual) ou familiares (ou seja, ligados ao cristianismo) são todos bastante superficiais, limitados a representar a instituição em que se encontram. Talvez a ousadia maior da diretora seria sugerir possíveis encontros entre essas duas esferas, ao invés de se contentar com ilustrações de vaginas em chamas.

     

    Por fim, é justamente o conservadorismo que entra a cena. É surpreendente quando uma reviravolta abrupta faz com que Daniela simplesmente aceite os dogmas da religião, incluindo a monogamia e outras restrições sexuais impostas pelas crenças evangélicas. O roteiro descreve este momento como uma espécie de iluminação divina, porque súbita, aleatória, e sintoma do amadurecimento da protagonista. Ou seja, profanem à vontade, caros jovens, mas quando ficarem mais velhos, vai ser preciso encaretar de novo. A conclusão de Jovem Aloucada, com belas frases vagas de cunho moral, estabelece uma triste constatação: embora o início mostre combinações lúdicas de Jesus ao lado de pênis e vaginas, a conclusão trata de afirmar que os dois são mesmo irreconciliáveis, e que o caminho divino talvez seja mais aconselhável do que os prazeres da carne.

    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema

    Comentários

    • Cido Marques
      Tu é uma vagabunda rampeira, por isso não gostou
    • Leone Braga Frauches
      ah por isso que você quer que eu assisto essa droga, tinha que ser o roteirista, desista, não quero perder meu tempo com esse filmeco. Só porque eu não me lembro não entendi?? Nossa, nada a ver, está explicado o porque o filme ser horrível, olhe o roteirista.
    • Cido Marques
      Se nem lembra é pq não entendeu, eu sou um dos roteiristas.
    • Leone Braga Frauches
      nem lembro mais, quero esquecer esse lixo de filme. Mas por que você tem tanta coisa por esse filme???
    • Cido Marques
      Mas vc entendeu a crítica?
    • Leone Braga Frauches
      Não quero assistir essa droga outra vez. Você gostaria de rever algo horrível?
    • Cido Marques
      Ah, assista mais uma vez, leia algumas críticas, a sétima arte não serve para agradar e sim para trazer questionamentos, qual questionamento não gostou?
    • Leone Braga Frauches
      fale o que quiser, mas perderá seu tempo, não volto atrás quando sei que algo que não me agradou.
    • Cido Marques
      Ah, dá mais uma chance vai.
    • Leone Braga Frauches
      Falei que é ruim é ruim e pronto, não preciso re-assistir para provar que é ruim, não quero passar chateação e nem perder tempo outra vez com isso.
    Mostrar comentários
    Back to Top