Meu AdoroCinema
Indomável Sonhadora
Sessões Vídeos Créditos Críticas dos usuários Críticas da imprensa Críticas do AdoroCinema Fotos
Filmes Online Curiosidades Bilheterias Filmes similares Notícias
Média
4,1
293 notas e 45 críticas
31% 14 críticas
22% 10 críticas
13% 6 críticas
18% 8 críticas
11% 5 críticas
4% 2 críticas

45 críticas do leitor

Organizar por
Críticas mais recentes
  • Críticas mais úteis
  • Por usuários que mais publicaram críticas
  • Por usuários com mais seguidores
Lúcio T.

Segui-los 9 seguidores Ler as 184 críticas deles

5,0Obra-prima
• Atualizado em 23/08/2016

A vida não é doce e é tão dura quanto uma rapadura. Lógico, temos nosso momentos dóceis, mas em grande parte, o peso é grande. Para uns menos, para outros mais. Assim, desde pequenos devemos aprender que seremos testados a toda hora e em certas ocasiões, de uma maneira insuportável, perdendo entes queridos, perdendo bens materiais, perdendo tudo..... E sobre nossas vidas, elas fazem parte da grande Mãe Natureza, que em sua selvageria, somos obrigados a nos "defender" dos trovões, das tempestades, dos terremotos, dos furacões, das enchentes, e tendo fé ou sabedoria que no amanhã, o sol pode nascer de novo. E nossa mania de que nós estamos no topo da cadeia alimentar, é devido a estarmos no conforto de nossas casas, pois fora dela, somos (em grande maioria) presas fáceis. Sendo assim, a cada amanhecer temos que nos fortalecer para que quando anoitecer, aprender. E já que a única coisa que não paga imposto é sonhar, nunca deixe de fazê-lo, nunca desista. Qualquer sonho por mais besta que pareça, é a "bobagem" que te fará feliz. E se estás feliz, não há nada neste mundo selvagem que o derrube e que você não possa levantar para encarar, olho no olho. Que lindo este filme! Realmente é uma poesia, disfarçada nas dificuldades de seus personagens, que alegres cantam, dançam e cuidam um dos outros. Que princípio de valores! Não é preciso de muito para ser feliz. Nossa ganância e consumismo nos dificulta enxergar isso, mas deveríamos. O que é viver na miséria para você?..... A beleza de alguém não está em sua roupa, em sua maquiagem ou em seu bens e sim no que ela é. Não tema olhar o espelho, você possui sua beleza, todos possuímos. Mesmo aqueles que insistem em ser "feios". Dar as mãos ao próximo é muito mais bonito do que dar a mão para um anel ou para bater no peito para se gloriar de algo de seu feitio. Não é só o Rio de Janeiro que tem sua beleza por natureza, pois nascemos puros literalmente, mas assim como a cidade, quem estraga são os humanos com suas necessidades desnecessárias... Este enredo do diretor Benh Zeitlin (seu primeiro trabalho nos cinemas) faz pensar e creio que cada um pode ter reações diferentes sendo que em alguns pode despertar certas emoções e em outros, elas estarem ausentes. E o que essa atriz mirim, a Quvenzhané Wallis (nome difícil, eu sei.....) de apenas 12 anos e já próximo dos 13? Na época das filmagens tinha nove anos e encanta com sua presença em cena neste que também é sua estreia nas telonas (hoje já tem no currículo 6 filmes como 12 ANOS DE ESCRAVIDÃO de 2013). É nítido a "transformação" de sua personagem (Hushpuppy) durante a narrativa, mostrando ao pai (merecedor de um Oscar o ator Dwight Henry, também estreante) que ela não é mais indefesa e está preparada para seguir adiante. E que sintonia perfeita entre Wallis e Henry, que criam um relacionamento entre pai e filha tão forte, mesmo sem um "eu te amo" presente. Se esperas um pai carinhoso, irás se chocar com o que irá ver. Mesmo que a educação da garota seja questionável, para ele, era necessário, e nem por isso deixamos de sentir tamanho amor de um ser por sua cria (creio eu que muita gente vai se identificar com esta relação paterna, eu me identifiquei, meus irmãos irão enfim, podemos não compreender na hora, mas depois tudo fica claro.....). E o que torna assuntos pesados em poesia? Porque a narrativa vem da criança e quando vem de qualquer uma, vem do coração, cheia de alegria e fantasia... https://www.facebook.com/npfilmes

Emerson C.

Segui-los 6 seguidores Ler as 33 críticas deles

2,0Fraco
• Atualizado em 14/07/2016

Gosto de filmes do gênero, mas tirando a atuação da menina e a trilha sonora, não consegui me interessar muito resto do filme. Destaque para belíssima trilha sonora.

Alvaro S.

Segui-los 33 seguidores Ler as 336 críticas deles

4,5Ótimo
• Atualizado em 04/06/2016

Indomável Sonhadora é a definição perfeita de um filme de baixo orçamento que mostra que talento e criatividade são os ingredientes perfeitos para criar uma bela obra cinematográfica. Somados a isso, uma dupla de atores impecáveis, a jovem Quvenzhane Wallis e Dwight Henry, aliados a um roteiro que retrata a pobreza dos personagens acima e que flerta com a fantasia e o lúdico, e uma direção criativa e primorosa. Quvenzhane vive a pequena Hushpuppy, órfã de mãe. Dwight dá vida ao Wink, o pai. Os dois vivem quase como animais, e é assim que seu pai mostra para ela que ela precisa crescer forte para se defender de um mundo cruel. Ambos impressionam, na força das atuações, ele por ser quase animalesco, ela por ser forte e inocente, de uma ternura infantil em determinados momentos. Não é demais afirmar que esta é uma pequena obra prima. Curiosidade. Concorreu a 4 Oscar. Melhor Filme, Melhor Direção, Melhor Atriz e Melhor Roteiro Original. Nota do público: 7.3 (IMDB) Nota dos críticos: 86% (Rotten Tomatoes) Bilheterias EUA - $12 milhões Mundo - $21 milhões Acesse o blog 365filmesem365dias.com.br para ler sobre outros filmes. https://365filmesem365dias.com.br/2016/06/04/340-indomavel-sonhadora-2012/

Tobias S.

Segui-los 0 seguidor Ler as 9 críticas deles

2,5Regular
• Atualizado em 30/11/2015

É inegável que a atuação da Quvenzhané Wallis foi excepcional, que o filme tem uma ótima fotografia e, por vezes, cria uma atmosfera sonial. Mas peca em propósito e valores. A relação do pai com sua filha reflete o caos que ele faz questão de manter em sua mente e propagar para ela. Tal relação apenas é aceitável quando, no final, Wink, talvez sob o peso de seus pecados, em face da morte, é mais gentil e tolerante com Hushpuppy. Por fim, no enredo não há evidências de que o grupo de pessoas, que compõe o círculo principal da trama, esteja fazendo o correto ao resistir à mudança de local, pelo contrário: parte deles sabotam os esforços alheios de deter as cheias e até de fornecê-lhes cuidados médicos! Até *pode parecer* uma clássica relação de ricos dominantes sobrepujando pobres ou uma tentativa de retratar a sociedade americana, mas o enredo não fornece embasamento para isso, pois a pobreza é retratada por um grupo realmente pequeno e sentimentalista de pessoas.

Jefferson d.

Segui-los 0 seguidor Ler a crítica deles

5,0Obra-prima
• Atualizado em 22/08/2015

Gostei muito do filme, foi uma otima historia, retrata bem o mundo como ele é, mostrando a dureza da vida, muitas pessoas não entendem porque são cegas, e vivem em suas casas, como reis... a pobresa é exatamente assim, o filme retrata bem, os atores são exelentes, apenas não gostei do final, poderia ser melhor, mas é um exelente filme.

Daniel W.

Segui-los 4 seguidores Ler as 99 críticas deles

3,5Bom
• Atualizado em 28/06/2015

uma execlete historia para emociona uma atuação da atriz principal execlete um filme muito inspirador

Khemerson M.

Segui-los 19 seguidores Ler as 72 críticas deles

5,0Obra-prima
• Atualizado em 29/12/2014

Numa precária comunidade localizada às margens de uma barragem em alguma cidadezinha americana vive Hushpuppy, uma garotinha de 06 anos e seu pai, Wink. A comunidade denomina-se Bathstub e se mantém graças aos fortes laços de solidariedade de seus moradores, permitindo certa organização social num espaço onde a miséria e a precariedade predominam, dando um caráter incômodo e inquietante ao lugar, uma vez que a brutalidade dos modos daqueles indivíduos substituem qualquer traço de sutileza e sensibilidade que eles poderiam ter. Neste contexto, os roteiristas Lucy Alibar e Benh Zeitlin (diretor do filme) retratam Bathstub através dos olhos da pequena Hushpuppy, que enxerga aquele lugar sob uma perspectiva romantizada e cheia de fantasia, tendo aquilo como sua única referência de mundo ou sociedade e enxergando a vida fora da barragem com perigo e receio (os “de fora”, segundo ela), representando-os visualmente como uma manada de javalis pré-históricos que, viajando em direção àquele lugar, simbolizam as ameaças que a comunidade enfrenta, seja por meio de tempestade ou através de agentes do governo que podem surgir de uma hora pra outra, já que Bathstub não passa de uma comunidade clandestina que resiste/ insiste em não sair dali... (LEIA O RESTANTE DO TEXTO NO LINK ABAIXO!) https://bauresenhas.wordpress.com/2014/12/11/indomavel-sonhadora/

Ísis O.

Segui-los 2 seguidores Ler as 3 críticas deles

5,0Obra-prima
• Atualizado em 29/07/2014

Um filme lindo que apresenta a riqueza do imaginário infantil e do amor genuíno pelas pessoas e pela vida.

William

Segui-los 2 seguidores Ler as 169 críticas deles

2,0Fraco
• Atualizado em 29/03/2014

Apesar da ótima atuação da garota o filme é muito ruim, não vi mensagem alguma aí, muito menos um enredo interessante, chega uma hora que dá vontade de parar de assistir de tão cansativo.

Amanda I.

Segui-los 6 seguidores Ler as 2 críticas deles

5,0Obra-prima
• Atualizado em 22/01/2014

Encantador. Embora mostre um cotidiano muito duro vivido pelos personagens, é um filme magnifico. Simplesmente amei.

Quer ver mais críticas?
  • As últimas críticas do AdoroCinema