Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Apenas um Garoto em Nova York
    Críticas AdoroCinema
    2,5
    Regular
    Apenas um Garoto em Nova York

    Paradoxos

    por Rodrigo Torres
    Apenas um Garoto em Nova York é um paradoxo cinematográfico. Em um primeiro momento, positivamente: em uma narração em off de tom nostálgico, Jeff Bridges lembra um tempo em que o centro de NY era jovem, imprevisível, arrojado, movido pelas drogas, pontuando que isso mudou e agora a cidade se tornou um retrato de seu subúrbio de outrora: familiar e careta. Quando W.F. Gerald se materializa na tela, nos deparamos com outra contradição: o cronista pessimista não é um homem velho, gordo e barbado que rosna, um tipo como Charles Bukowski que realçaria perfeitamente os papéis recentes do ator veterano (vide os ótimos Bravura Indômita e A Qualquer Custo), mas um poeta galante, de penteado moderno e figurino hipster. Ué...?!



    Contrastes assim são algo constante em Apenas um Garoto em Nova York. O protagonista Thomas Webb (Callum Turner) é o típico jovem nascido em berço de ouro que contraria a família indo morar na parte pobre de Manhattan, sozinho, e por suas escolhas acadêmicas e profissionais. Sua relação com o pai, Ethan (Pierce Brosnan), é de lados opostos; com a amante dele, Johanna (Kate Beckinsale), de ódio que vira amor, assumindo a via contrária dos sentimentos com o genitor. Sente pena da mãe, Judith (Cynthia Nixon), mas cogita feri-la para atacar o pai — de quem não gosta por causar essa mesma dor a ela. Enquanto suscita conflitos, movimentando a narrativa com boa cadência de suspense, tal dualidade funciona. O problema é quando texto e forma entram, involuntariamente, em confronto.

    Enquanto o (medíocre) roteirista Allan Loeb discursa contra a alta sociedade nova-iorquina e seus deslumbres, Marc Webb filma esse cenário com fascínio — como se poderia esperar do diretor de (500) Dias Com Ela. Em dado momento, o cineasta deixa claro que Mimi (Kiersey Clemons) se apaixona por Thomas porque o jovem, enfim, passa a se comportar de modo atrevido; na cena seguinte, ela desiste dele por esse mesmo motivo, incompreensivelmente, e o texto dá o troco na imagem. O filme segue nessa confusão ao criticar o comportamento de uma elite que faz de um jantar um vernissage, que dialoga (de modo superficial e caricatural) sobre arte, cultura e tecnologia com o propósito da autoadulação, enquanto o roteiro também se apropria desse vício ao encaixar pérolas de intelectualidade e rebeldia simulada a todo instante. Há toda uma preocupação, uma fala específica, do letrado e descolado W.F. Gerald tascar: "Essa é a temperatura exata em que a heroína ferve." Os olhos se reviram automaticamente para trás, tão besta é a cena.



    Uma espécie de "Quero Ser Woody Allen" em que os personagens são autoconscientes, analisam a si mesmos e aos outros, mas, em vez de se tornar mais provocantes, perdem toda a complexidade, Apenas um Garoto em Nova York ainda surpreende ao deixar sua aura indie à mercê do melodrama. Com muita inclinação e nenhuma vocação para isso, o filme assume uma sucessão de clichês (temos até inserção de "um ano depois..." no final) em prol de um dramalhão, o que ao menos se articula com todo o resto. As peças se encaixam de modo a conferir um desfecho (pretensamente) surpreendente e (satisfatoriamente) catártico à história — que, a bem da verdade, é simpática. Só não é suficiente para contornar o problemático desconhecimento de Webb sobre o poder e signo das imagens, e de Loeb sobre os rumos da trama; assim, tantas vezes incoerente.
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema

    Comentários

    Mostrar comentários
    Back to Top