Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Cazuza - O Tempo Não Pára
    Média
    4,1
    236 notas e 17 críticas
    distribuição de 17 críticas por nota
    3 críticas
    6 críticas
    6 críticas
    1 crítica
    0 crítica
    1 crítica
    Você assistiu Cazuza - O Tempo Não Pára ?

    17 críticas do leitor

    roberto mauro zebral da silva
    roberto mauro zebral da silva

    Segui-los 1 seguidor Ler as 23 críticas deles

    5,0
    Enviada em 9 de fevereiro de 2012
    Vou confessar uma coisa: eu sempre fui desconfiado do cinema nacional, mas aos poucos fui perdendo meu preconceito. Hoje eu afirmo que o nosso cinema tem pérolas, e que nada ficam devendo ao cinema europeu. Este filme "Cazuza" é uma das boas produções brasileiras recentes. O Daniel de Oliveira dá um show, a trilha sonora é ótima e o enredo da película não esconde nada: do uso das drogas ao homossexualismo do cantor, do seu desespero por viver que beirava um certo "histrionismo". E o filme coloca uma questão bem clara: viver refreando as suas paixões para alongar a vida, ou viver apaixonadamente, loucamente, intensivamente, ainda que a vida seja mais breve? Quem quiser responder essa pergunta, vai ter que assistir o filme. Em tempo: acho a cineasta Sandra Werneck simplesmente excelente.
    moreiraum
    moreiraum

    Segui-los 20 seguidores Ler as 32 críticas deles

    4,0
    Enviada em 27 de setembro de 2014
    Bem como era o Cazuza: nu e cru, direto, libertino. O cara foi genial, sua inspiração era vida. Mas o gatilho para que suas idéias fluísse o levou à doença cruel. O filme deixa registrado um cara amigo, filho mas muito próprio. As tomadas são bem legais e a sequência da história de 10 anos em uma hora e meia cobre seus principais pontos. Esse filme é genial, as interpretações são fantásticas e nosso poeta está bem eternizado.
    Kamila A.
    Kamila A.

    Segui-los 2117 seguidores Ler as 515 críticas deles

    4,0
    Enviada em 27 de maio de 2013
    Os dois maiores poetas da geração dos anos 80 foram, sem dúvida alguma, Renato Russo e Cazuza. Além de serem ótimos letristas, com uma capacidade tremenda de traduzir sentimentos; Renato e Cazuza tinham muito mais coisas em comum: ambos eram extremamente intensos e meio “loucos”. Os dois, talvez prevendo o futuro que os aguardava, viviam cada dia como se fosse o último. Morreram jovens, em decorrência da mesma doença, a AIDS. Mas, por uma razão que ninguém entende, a nossa geração (a dos anos 90) só conhece a obra de um deles: Renato Russo. Com o objetivo de apresentar ao público jovem a personalidade e a música de Cazuza, de fazer com que a geração dos anos 80 relembre aquela figura e as aventuras vivenciadas naquele período e de prestar uma homenagem àquele que é um dos maiores compositores brasileiros; foi que Sandra Werneck (“Amores Possíveis”) e Walter Carvalho (o diretor de fotografia de “Central do Brasil”) se uniram para dirigir “Cazuza – O Tempo Não Pára”, um projeto inicialmente idealizado por Daniel Filho, diretor da Globo Filmes. O filme tem um roteiro levemente baseado no livro “Só as Mães São Felizes”, de Lucinha Araújo, a super mãe de Cazuza (Lucinha era superprotetora; preocupada com o filho e queria ter ele sempre por perto, pois assim achava que o salvaria de se meter em encrencas); e cobre a vida de Cazuza a partir do momento em que ele desperta para a sua vocação musical (pelas mãos de Ezequiel Neves – no filme interpretado pelo surpreendente Emílio de Mello –, ele se torna o líder do Barão Vermelho, de onde sairia para uma bem-sucedida carreira solo) até o dia de sua morte, em 1990, depois de sofrer com os efeitos do vírus HIV no seu corpo. A descoberta da infecção pelo vírus é um ponto de transformação e de divisão no filme, marcada também pela chocante e dura transformação física do ator Daniel de Oliveira, que incorpora (essa é a palavra certa) Cazuza. Entretanto, a doença em si não chega a ser um ponto de transformação na personalidade de Cazuza, uma vez que ele ganha mais força para trabalhar; continua sendo superprotegido e paparicado por Lucinha (Marieta Severo, ótima); em contraponto à figura do pai, João (Reginaldo Faria, que aparece pouco, mas é eficiente nas suas cenas), que libera, mas sabe cobrar no momento certo; e se mantém rodeado de amigos irradiando a mesma alegria e senso de humor irônico que possuía. “Cazuza – O Tempo Não Pára” tem falhas gritantes, a maioria delas no que diz respeito à linha de tempo do filme (os pulos no tempo são muitos). Entretanto, este é um longa que funciona e emociona – sem apelar para cenas de emoção barata –, ao se apoiar, justamente, naquilo que Cazuza fez de melhor: escrever (e, em outros casos, prever), cantar tudo aquilo pelo qual ele havia passado e, principalmente, viver.
    Wellingta M
    Wellingta M

    Segui-los 266 seguidores Ler as 257 críticas deles

    4,5
    Enviada em 9 de fevereiro de 2012
    Daniel de oliveira calou minha boca com esse filme e me fez me tornar sua fã. Apesar de algumas resalvas à película, o filme é Daniel que não interpreta e sim torna-se Cazuza da forma mais visceral que um ator pode fazer. É emocionante, eu como fã apaixonada de Cazuza, agradeço.
    Luis R.
    Luis R.

    Segui-los 6255 seguidores Ler as 736 críticas deles

    3,5
    Enviada em 26 de dezembro de 2014
    Bom!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    Fernando Massami K.
    Fernando Massami K.

    Segui-los 15 seguidores Ler as 141 críticas deles

    3,5
    Enviada em 3 de junho de 2017
    um filme que se destaca entre as produções nacionais. assim como a vida do próprio cantor, o filme é intenso, sem muito pudor e altamente provoca uma mistura de emoção, melancolia, paixão, nostalgia, enfim tudo que marca o estilo do grande poeta. a fotografia poderia ser melhor, o protagonista não se parecia perfeitamente em imagem, mas incrível em termos de personalidade. Recomendo.
    Cleiton D.
    Cleiton D.

    Segui-los 14 seguidores Ler as 7 críticas deles

    3,5
    Enviada em 21 de setembro de 2015
    Recebi um email de uma Psicóloga, uma tal de Karla Christine. Falando do filme do Cazuza, falando realmente muita besteira sobre o Cazuza, o chamou de Marginal e disse que por suas atitudes de delinquente ele não deveria ser um ídolo. Infelizmente não vivi a era Cazuza, mas tenho amigos que viveram e cada um tem uma concepção de cazuza, ele foi realmente um cara muito loco que viveu tudo de uma vez, mas critica-lo não é sensato, ele é um verdadeiro ídolo nacional, é exagero, hoje com tantos cantores(a) fúteis e músicas medíocres, nós mantemos e precisamos manter a memória de artistas como ele para valorizar a própria musica nacional. Independente dos erros Cazuza é um grande musico e artista isso nunca vão destruir.
    wesleyaxe
    wesleyaxe

    Segui-los 3131 seguidores Ler as 680 críticas deles

    3,5
    Enviada em 9 de fevereiro de 2012
    Realmente um filme interessante, por se tratar de um artista tão importante pra nossa música, ainda mais por uma boa atuação de Daniel de Oliveira, nos mostra toda a intimidade do cantor, nos torna acessível a sua vida, que até então era restringido apenas à reportagens... bem legal.
    Luiza M.
    Luiza M.

    Segui-los 12 seguidores Ler a crítica deles

    4,5
    Enviada em 19 de setembro de 2013
    Em primeiro lugar, é impossível falar do filme sem citar a incrível semelhança e imediata associação entre ator e personagem. Não só a brilhante aproximação física, mas Daniel de Oliveira encarnou com veemência a personalidade geniosa, determinada, impulsiva e desmedida do ídolo. O filme encaixa perfeitamente os legados sonoros deixados por Cazuza, ao passo que mostra também o quanto pagou por sua "vida louca, vida", os tabus que quebrou e os limites que passou. Não o trata como Deus, mas como gênio, louco e, sobretudo, vivente. Só sinto muito a ausência de Ney, pois como sabemos, é outro gênio que muito se fez presente na trajetória contada pelo longa.
    anônimo
    Um visitante
    3,0
    Enviada em 20 de outubro de 2015
    A grande atração do longa,é a presença marcante de Daniel de Oliveira.Nesse filme ele mostra toda a sua capacidade,e mostrou também que não é apenas um galã para novelas globais.Interpretou com facilidade o nosso grande poeta Cazuza.E um elenco de apoio bem preparado,destaque para Marieta Severo. -Filme assistido em 31 de Dezembro de 2004 -Nota 6/10
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema
    Back to Top