Meu AdoroCinema
Horizonte Profundo - Desastre no Golfo
Média
4,1
342 notas e 27 críticas
15% (4 críticas)
41% (11 críticas)
37% (10 críticas)
7% (2 críticas)
0% (0 crítica)
0% (0 crítica)
Você assistiu Horizonte Profundo - Desastre no Golfo ?

27 críticas do leitor

Hélio Ricardo V.
Hélio Ricardo V.

Segui-los Ler a crítica deles

4,0
Enviada em 15/11/16
Filme excelente, conta história real de uma tragédia que é comum no dia-dia de quem trabalha no mundo corporativo que envolvem Manutenção em gerais.. filme comovente e reflexivo Para crítica chata que assiti o filme no intuito de achar defeitos com certeza não vai gostar
Bader
Bader

Segui-los 1 seguidor Ler as 63 críticas deles

4,0
Enviada em 15/11/16
Filme muito bem feito, com uma excelente reconstituição do desastre na plataforma de petróleo. Não deixa de ser instrutivo,mostrando o funcionamento de uma instalação tão complexa (e perigosa)
Jake D.
Jake D.

Segui-los 25 seguidores Ler as 110 críticas deles

4,0
Enviada em 14/11/16
Horizonte Profundo: Desastre no Golfo... o novo filme de Peter Berg com o Mark Wahlberg no elenco, conta uma história real, se passando no Golfo do México, na plataforma de perfuração marítima Deepwater Horizon. E diante de um dos piores vazamentos de petróleo na história dos EUA, Mike Williams (Mark Wahlberg) e os demais trabalhadores embarcados lutam para escapar com vida do terrível acidente. O Peter Berg nunca foi um grande diretor, ele dirigiu filmes como Battleship e O Grande Herói, mas aqui ele faz um trabalho extremamente competente dentro do que se propõe, ele sabe dirigir muito bem seus atores, mas ainda assim, não consegue passar aquela fluidez nas cenas de ação, mesmo a edição sendo bastante funcional. O roteiro conta com bons diálogos entre os personagens, além de focar somente na história sem nenhuma subtrama desnecessária, o que é muito bom. O problema mesmo são os clichês, o filme sofre com vários clichês que outros filmes do gênero já usaram também, mas ainda assim, não quebra sua experiência. O Mark Wahlberg está muito bem, ele faz o protagonista e consegue transmitir todas as emoções possíveis que o personagem precisa transmitir. O Kurt Russell, a Kate Hudson e o Dylan O'Brien também estão ótimos, mas o John Malkovich é sem dúvidas o mais talentoso de todos, sendo o personagem mais próximo de um vilão. Na parte técnica, os efeitos funcionam muito bem, acompanhados de uma belíssima cinematografia e uma ótima trilha sonora. No geral, Horizonte Profundo: Desastre no Golfo, é um filme muito bom, que mesmo sofrendo com alguns clichês, consegue te prender até o final da história. Recomendo!
Ricardo M.
Ricardo M.

Segui-los 19 seguidores Ler as 540 críticas deles

3,5
Enviada em 29/01/17
Realismo no Mar... Embora o diretor Peter Berg não seja sagáz do ponto de vista narrativo, não há dúvidas que ele possui grande perícia em comandar obras que mostrem detalhes sustentados por grandes momentos contendo efeitos visuais e especiais, como é o caso deste interessante HORIZONTE PROFUNDO: DESASTRE NO GOLFO. Mark Wahlberg é Mike Williams, uma espécie de conserta tudo na plataforma petrolífera Deepwater Horizon. Apesar da pequena importância do sujeito dentro do monstro flutuante, ele ajuda muitos operários a escapar com vida daquele que é considerado o maior desastre em alto mar da história americana. Não há dúvidas de que o grande chamariz desta charmosa produção são seus efeitos visuais, haja vista que raramente é possível crer que o exibido não aconteceu de fato diante das câmeras. O elenco de pompa que também conta com Kurt Russel, Dylan O'Brien, Kate Hudson e John Malkovich ajudam no alto nível do filme, que é capaz de manter a atenção de forma ininterrupta por conta da tensão que surge a cada nova explosão. Funciona bem como entretenimento acima da média para o estilo.
F. V. Fraga
F. V. Fraga

Segui-los 68 seguidores Ler as 63 críticas deles

3,5
Enviada em 27/10/16
[[[Parág.]]] Depois de dirigir filmes inconsistentes como ‘Hancock’ (2008) e ‘Battleship - A Batalha dos Mares’ (2012) Peter Berg surpreendeu com o filme ‘O Grande Herói’ (Lone Survivor, 2013), que também trazia Mark Wahlberg no elenco, mas que foi assistido por um público restrito, devido a distribuição limitada. Além de uma direção competente, eficaz em estabelecer uma atmosfera que emergia o espectador em um tiroteio no Afeganistão, onde soldados tiveram que sobreviver a uma missão malsucedida, os demais aspectos técnicos, como a edição de cenas e a edição de som, faziam com que o público praticamente sentisse a dor dos personagens, favorecendo as atuações do elenco americano. O defeito de ‘O Grande Herói’ estava na narrativa unilateral, que retratava o conflito, utilizando a já conhecida forma ufanista hollywoodiana, onde o ponto de vista dos combatentes árabes estava quase totalmente ignorado ou estereotipado, colocando os norte-americanos como as únicas vítimas e heróis da história. [[[Parág.]]] À sua maneira ‘Horizonte Profundo - Desastre no Golfo’ (‘Deepwater Horizon’, 2016), lembra muito ‘Lone Survivor’, pois as cenas que retratam o acidente da plataforma Deepwater Horizon são visualmente impressionantes e tecnicamente bem-feitas, mas pecam em seu enredo, que perde a conexão emocional do público com seus personagens, durante a narrativa e por retratar os fatos reais de forma muito superficial. O roteiro aborda somente os acontecimentos brevemente anteriores e posteriores à explosão, favorecendo a ação, em detrimento do potencial de drama humano das vítimas. Apesar de o filme garantir alguns momentos de “entretenimento” que satisfazem nosso gosto mórbido de vivenciar desastres, as reportagens e documentários televisivos que foram produzidos sobre o incidente trazem muito mais detalhes, realmente importantes, principalmente sobre as consequências ambientais, e na vida dos sobreviventes e familiares das vítimas que sofreram ferimentos graves e fatais. Para quem quiser saber mais sobre as consequências pós-explosão, assista ao episódio da série ‘Mega Desastres’ do canal National Geographic ou a reportagem-documentário da TV norte-americana PBS. [[[Parág.]]] O elenco foi satisfatoriamente escalado. Mark Wahlberg é convincente como um simples trabalhador, mas com imposição em tela e com o carisma de um “herói de ação”, ainda que não tenha o melhor desempenho em cenas dramáticas. Kurt Russell como o trabalhador técnico, em conflito com o administrador John Malkovich, também formam uma dupla que funciona bem quando aparecem juntos. Dylan O'Brien, Kate Hudson, Gina Rodriguez acrescentam qualidade aos personagens coadjuvantes, mas estão subaproveitados. [[[Parág.]]] Os primeiros minutos do longa-metragem, que nos mostram a interação dos personagens, são os trechos mais interessantes do enredo ao desenvolver os diálogos entre eles. O personagem principal Mike Williams (interpretado por Mark Wahlberg), em seu ambiente doméstico com a filha e que tem que se comunicar com a esposa (Kate Hudson) por vídeo chamada, quando está no trabalho. O chefe da segurança Jimmy Harrell (Kurt Russell), que tem que executar testes de prevenção de acidentes e lidar com a pressa do executivo Donald Vidrine (John Malkovich), que quer compensar o atraso na extração do petróleo. As conversas triviais entre os funcionários, assim como as rotinas técnicas que são realizadas pelas equipes de perfuração da plataforma, conseguem despertar o interesse do público no primeiro ato do roteiro, mas não mantém o mesmo envolvimento nos segundo e terceiro. [[[Parág.]]] Entretanto, quando o desastre começa, as cenas das mortes, apesar de serem convincentes e elaboradas, não nos transmitem o peso da tragédia que realmente tiveram. Provavelmente isso acontece por causa da velocidade com que a ação ocorre, pois mesmo que o acidente real tenha se passado em poucas horas, o filme faz parecer que foi ainda mais rápido e não nos dá tempo de refletir e “sentir a dor” de cada óbito. Apesar de sermos avisados no início do filme que se trata de uma história real, só nos lembramos novamente das vítimas reais, nos créditos finais, quando vemos as fotos dos 11 trabalhadores falecidos. [[[Parág.]]] O cenário, caso não tenha sido filmado em uma plataforma real, é muito convincente em nos transportar para uma instalação marítima de exploração de petróleo. A apresentação do maquinário da empresa com “milhões de partes”, como mencionado por um dos personagens é ameaçador e passa a impressão de que qualquer coisa que aconteça de errado pode matar muitos dos funcionários, o que de fato ocorre. A construção da primeira parte do filme consegue criar tenção e nos fazer esperar pelo momento em que o desastre vai começar. O problema é que quando os acidentes fatais começam, pelo fato de o foco não estar no drama das situações trágicas, assistimos a uma espécie de espetacularização das mortes. [[[Parág.]]] Inclusive, durante a produção do longa, alguns dos trabalhadores da plataforma criticaram a realização do filme, alegando que ele desonraria a memória das vítimas. Além disso, o longa-metragem de Berg não examina os custos ecológicos e financeiros, do vazamento de petróleo da sonda da British Petroleum no Golfo do México, que foi o maior e mais longo já registrado. Com custos ambientais incalculáveis derramou mais de 5 milhões de litros de petróleo, por quase três meses, desregulando todo o ecossistema marinho e a economia da região. As empresas envolvidas, a Transocean e a Halliburton, além da petrolífera já citada, foram condenadas a pagar bilhões de dólares em multas e indenizações, por causa dos danos causados às famílias das vítimas, ao turismo e a indústria de frutos do mar. [[[Parág.]]] Ainda que ‘Horizonte Profundo - Desastre no Golfo’ não retrate exatamente um acidente naval, ele pode se encaixar no gênero, pelo fato de o desastre ter ocorrido em alto-mar e a sonda ser uma espécie de navio. Em comparação, o longa é tecnicamente superior a outros filmes, como o que estreou neste ano, também baseado em um acidente marítimo real, ‘Horas Decisivas’ (‘The Finest Hours’, 2016), até por que ele teve um orçamento maior. A diferença de tom narrativo entre os dois, está no fato de que enquanto ‘Deepwater Horizon’ é um thriller de ação sobre um acidente em si, ‘The Finest Hours’ é um drama sobre um resgate praticamente impossível de ser realizado. O primeiro é inegavelmente uma experiência de cinema com maior qualidade e mais compensatória como entretenimento, mas por tentar se afastar demais do fator humano e por optar por não discutir as consequências ambientais e econômicas, acaba se tornando uma forma um tanto bizarra de se abordar uma tragédia que ainda tem consequências negativas severas na vida de muita gente e para o meio-ambiente. #FÃCULT #FanCult #PipocadePimenta #FVFraga
c4rlc4st
c4rlc4st

Segui-los 3 seguidores Ler as 157 críticas deles

3,0
Enviada em 07/09/18
Mais do que eficiente em reproduzir com detalhes a tragédia e falha ao não estabelecer o tom dramático que as relações familiares do primeiro ato sugeriam e não desenvolve uma outra relação de amizade, necessária para que o clímax emocionasse o que pretendia.
Jc V.
Jc V.

Segui-los 1 seguidor Ler as 58 críticas deles

2,5
Enviada em 16/02/18
Eis um filme que promete muito, mas entrega muito muito pouco. Horizonte Profundo se mostra como um "filme catástrofe" (afinal, estamos de fato falando de uma das maiores catástrofes ambientais da história), entretanto se perde ao embarcar em melodramas sem sal e um herói pra lá de sem graça. Os pontos fortes do filme são suas explicações didáticas sobre o funcionamento da plataforma e seus sistemas de alerta, isso é realmente interessante. Mas só até certo ponto. A obsessão por ser meticulosamente realista e explicativo aliada a falta de criatividade narrativa fazem o filme parecer um programa do Discovery Channel. O filme se mostra demasiadamente focado num preâmbulo que não agrega muito nem convence o espectador, e quando a ação finalmente começa vemos como os personagens são rasos. As ações do personagem principal (Mark Wahlberg) parecem saídas direto da "cartilha do herói" dos filmes de ação, tudo muito impessoal e barato. Também é aí que percebemos que não nos importamos à mínima com os personagens, na verdade não estamos torcendo para que alguém em especial se salve, pois não temos empatia com personagens tão mal construídos. Por fim, ao menos o filme consegue escapar das armadilhas de uma militância política e ambientalista, mas dada a falta de força do seu desfecho talvez até mesmo uma mensagem mais enlatada e politicamente correta seria uma opção melhor.
Julio C.
Julio C.

Segui-los 1 seguidor Ler as 74 críticas deles

4,0
Enviada em 06/01/18
Um filme muito dramático, incrível, deu vontade de chorar no final, quando todos se ajoelharam para rezar o pai nosso à Deus, muito emocionante, defeitos pouquíssimos mesmo podem ser apontados, como na atuação da mulher do Mike, ela não conseguiu transmitir bem o que estava passando, nem chorou, e a aparência dos atores que não foram pensadas para serem parecidas com os originais, fora isso um filme muito bom!!
Gustavo M.
Gustavo M.

Segui-los Ler as 54 críticas deles

3,5
Enviada em 02/09/17
O filme retrata bem o que foi a tragédia, mostra o conflito entre a razão e a necessidade de empresas gigantes ter ganhos...
Dagoberto M.
Dagoberto M.

Segui-los 8 seguidores Ler as 185 críticas deles

3,5
Enviada em 28/08/17
Num primeiro momento as cenas se confundem demais, após a explosão parece que piora, mas perante a situação acho que não dá pra fazer melhor.
Quer ver mais críticas?
  • As últimas críticas do AdoroCinema
Back to Top