Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Vício Inerente
    Média
    3,6
    146 notas e 36 críticas
    distribuição de 36 críticas por nota
    5 críticas
    14 críticas
    8 críticas
    5 críticas
    3 críticas
    1 crítica
    Você assistiu Vício Inerente ?

    36 críticas do leitor

    Anderson  G.
    Anderson G.

    Segui-los 584 seguidores Ler as 268 críticas deles

    4,0
    Enviada em 30 de outubro de 2016
    “Vicio Inerente” é um seguro marítimo que se faz a algo que inerentemente vai estragar, podemos fazer um paralelo aos filmes de Paul Thomas Anderson, você sempre sabe o que vai ser ótimo e você sempre sabe como vai ser os defeitos, aqui acompanhamos a historia de Larry "Doc" Sportello(Joaquin Phoenix) que é um detetive particular que é contratado para investigar a morte de um bilionário, enredo simples né?, não, na verdade o filme conta com inúmeras tramas secundarias, o que deixa tudo muito, muito confuso, o que incomoda, mas isso também de coloca na vibe do filme, que é toda anos 70, e parece que todos os personagens do filmes estão completamente chapados e desorientado (que nem o telespectador vai ficar), Joaquin Phoenix faz uma atuação incrível, com uma mistura de Vincent Vega do Pulb Fiction e o The Dude de o Grande Lebowski, Phoenix tem um desempenho impecável. E como eu já havia falado em minha introdução, nós sempre sabemos por quais motivos os filmes de Paul irão se destacar, e a fotografia é uma figurinha carimbada, muito disso é graças a Robert Elswit que é um diretor de fotografia incrível, e os filmes de Paul são o que são, muito graças a ele, aqui ele deixa o clima completamente anos 70 e a fotografia é colorida, vibrante, mas sempre tem uma nevoa por cima ofuscando, fazendo um paralelo ao mistério e claro, as drogas, que são usadas como agua no filme, a trilha sonora também está ótima, a musica dificilmente para, ela aumenta, diminui, toca, mas ela está sempre ali presente, “Vicio Inerente” é vitima de seu roteiro e seu ritmo, e sua atuações secundárias são fracas também, mas se safa por uma ótima montagem, fotografia e trilha sonora.
    Bruno Maschi
    Bruno Maschi

    Segui-los 224 seguidores Ler as 215 críticas deles

    1,0
    Enviada em 14 de abril de 2015
    Paul thomas anderson é considerado um dos melhores diretores pelas críticos. Eu penso o contrário, após assistir 3 filmes do diretor, afirmo que os trabalhos dele são cansativos, demorados e sem emoção alguma. Magnolia, Embriagado de Amor e Vício Inerente são três filmes que eu tive uma gigante dificuldade de ver até o final, em dois deles eu realmente. Parei. Na metade. Podem até possuir bons roteiros, mas não são filmes pra ficar vendo por mais de uma hora. Realmente cansa. E muito. Vício Inerente é a prova disso, mesmo com um bom elenco, não consegui passar da matade do filme
    c4rlc4st
    c4rlc4st

    Segui-los 364 seguidores Ler as 279 críticas deles

    3,0
    Enviada em 8 de abril de 2019
    Longo. Verborrágico. Desconexo. Lindamente fotografado. Tecnicamente irreparável. Em um filme com tanta personalidade, ou você gosta, ou não gosta. Eu não gostei, mas é algo interessante de se ver.
    Hugo D.
    Hugo D.

    Segui-los 899 seguidores Ler as 318 críticas deles

    0,5
    Enviada em 11 de agosto de 2015
    O filme é uma tremenda viagem com atuações confusas, roteiro desconexo e nenhum sentido de história. Joaquim Phenix, que já foi astro, precisa ler os roteiros que aceita sem estar chapado. Nada se salva aqui.
    Igor C.
    Igor C.

    Segui-los 19 seguidores Ler as 2 críticas deles

    2,0
    Enviada em 5 de março de 2017
    Se vc não estiver chapado/drogado, não perca seu tempo assistindo esse filme. Muita viagem, confusões entrelaçadas e nem consegui terminar de assistir o filme pra concluir a viagem desse filme
    Thalita Uba
    Thalita Uba

    Segui-los 54 seguidores Ler as 52 críticas deles

    3,5
    Enviada em 25 de março de 2015
    O filme tem um quê bem bacana de "Boogie nights", com suas cores e fotografia bem cara de anos 70, o que confere um visual bem interessante ao filme. A atuação de todo o estrelado elenco é maravilhosa, todos os atores desempenharam papéis excelentes e não há, definitivamente, crítica alguma a fazer com relação a isso. Confesso que não li o livro que deu origem ao filme; não posso, portanto, comparar a história original ao roteiro adaptado, mas se você é daquelas pessoas meio lerdas e/ou for ao cinema com um pouco de preguiça, esqueça. O roteiro é tão alucinante, tão cheio de informações que se você piscar, não vai mais conseguir entender nadica de nada. Esse ritmo tresloucado faz com que a história seja um tanto confusa – eu, sinceramente, acho que muita gente não vai conseguir acompanhar – e faltam, em meio à trama, alguns respiros, momentos em que o espectador pode relaxar um pouco. Mas mesmo não sendo um filme fácil de acompanhar, a trama é extremamente divertida e há inúmeras cenas engraçadíssimas – e, por vezes, até um tanto surreais. A trilha sonora é ótima e se encaixa perfeitamente ao ritmo frenético da narrativa. Uma ótima pedida para quem está a fim de uma história mais agitada e descontraída – só vá preparado para ficar vidrado na telona durante duas horas e meia.
    Marco G.
    Marco G.

    Segui-los 246 seguidores Ler as 244 críticas deles

    3,5
    Enviada em 14 de maio de 2015
    Eu esperava muito mais deste filme, mas o ator Joaquim Phoenix acaba salvando com suas sempre ótimas atuações.
    Alvaro S.
    Alvaro S.

    Segui-los 1042 seguidores Ler as 349 críticas deles

    4,0
    Enviada em 7 de junho de 2016
    Alguns filmes não precisam explicar bem o porquê da trama, sub trama ou mesmo o material em que foi inspirado. Esta produção independente foi baseada no livro de Thomas Pynchon, adaptado pelo cineasta Paul Thomas Anderson e reúne um elenco estelar entre protagonista, secundários e participações especiais. Joaquim Phoenix vive o Doc, um hippie investigador particular que a pedido de sua ex namorada (Katherine Waterston), investiga o desaparecimento do multimilionário Michael Z. Wolfmann (Eric Roberts). Não tente forçar os neurônios tentando entender as várias narrativas que surgem a partir desta investigação. Meu conselho é, entre na viagem e curta a jornada. Tem crime, humor, ironias.... No final, de alguma forma, fará sentido. Desfilam pela tela Josh Brolin, Owen Wilson, Reese Witherspoon, Jena Malone, Benicio Del Toro, Martin Short, entre outros. Curiosidade. Indicado ao Oscar de Melhor Roteiro Adaptado e Melhor Figurino. Nota do público: 6.7 (IMDB) Nota dos críticos: 74%(Rotten Tomatoes) Bilheterias EUA - $8 milhões Mundo - $14 milhões Acesse o blog 365filmesem365dias.com.br para ler sobre outros filmes.
    Thiago C
    Thiago C

    Segui-los 82 seguidores Ler as 152 críticas deles

    4,5
    Enviada em 4 de junho de 2016
    Adaptação do livro de Thomas Pynchon tem de tudo um pouco: hippies, sexo, drogas, rock n' roll, o groove na música da década de 1970, tramas policiais, exploitation e uma história de detetive típica do Cinema Noir.
    João Marcos V.
    João Marcos V.

    Segui-los 6 seguidores Ler as 6 críticas deles

    5,0
    Enviada em 15 de abril de 2015
    Sabe um daqueles filmaços? É esse! rápido e inteligente.
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema
    Back to Top