Meu AdoroCinema
Sob a Pele
Vídeos
Créditos
Críticas dos usuários
Críticas da imprensa
Críticas do AdoroCinema
Fotos
Filmes Online
Curiosidades
Bilheterias
Filmes similares
Notícias
Críticas AdoroCinema
3,0
Legal
Sob a Pele

O trash elegante

por Bruno Carmelo

Imagem 1: formas intergalácticas se cruzam no espaço, de maneira abstrata, uma preenchendo a outra. Imagem 2: Scarlett Johansson nua sobre um fundo branco. Imagem 3: Scarlett Johansson nua sobre um fundo preto. Imagem 4: Homens nus, em ereção, perseguindo Scarlett Johansson nua, e se afogando em um pântano assassino. Imagem 5: Peles humanas explodindo e boiando no pântano.


Sob a Pele - FotoTodas essas imagens estão presentes em Sob a Pele – talvez não nesta ordem. Pelas regras do gênero, esta é uma ficção científica (afinal, temos alienígenas e pântanos assustadores em cena), mas não estamos no espaço, lutando com seres malignos. A história se passa na Escócia, nos dias de hoje, com pessoas comuns em cenas cotidianas – exceto pela presença do alien sem nome (Scarlett Johansson), que passa o filme inteiro seduzindo homens e matando-os da forma bizarra descrita no parágrafo anterior.

 

O diretor Jonathan Glazer, responsável por outras tramas inusitadas como a de Reencarnação (2004), tem um gosto pela estranheza artística, autoral. Assim, nada de gosmas e sangue jorrando, ou mortes espetaculares, apenas uma sequência de imagens cuidadosamente enquadradas, meticulosamente iluminadas e filmadas. Esta é uma rara ficção científica elegante, pomposa, combinando o cinema de autor dos grandes festivais – foi selecionado em Veneza e Londres – com um mote típico das produções trash, por combinar alienígenas com o erotismo explícito e assumidamente gratuito.

 

Sob a Pele - FotoSe existe uma narrativa coerente por trás deste desfile de imagens, ela se encontra no processo de humanização da alienígena, destinada a matar os homens, mas conquistando pouco a pouco alguns sentimentos. Com a forma humana adotada pelo monstro, ela começa a ganhar também um coração humano. Por mais patética que soe a premissa, o diretor a conduz com grande seriedade, de maneira lacônica, enquanto Johansson se esforça para não fazer da protagonista um robô matador, e sim um ser estranho ao local, mais próximo da figura do estrangeiro.

 

Palmas para o diretor pela construção de clima, e palmas à atriz por ter aceitado um projeto tão arriscado, enquanto poderia estar ganhando rios de dinheiro com outras megaproduções. Mas para quem esperar por respostas simples como “De onde ela vem?”, “Por que só mata homens jovens?”, “Por que sempre atrai suas presas pela sedução e pela promessa de sexo?”, “Por que o alienígena que vigia o seu trabalho também não participa da matança?”, “O que os alienígenas ganham com a matança de humanos?”, o filme não trará nenhuma resposta.

 

Sob a Pele - FotoDestaca-se uma representação estranha, e um tanto incômoda, sobre os gêneros. Quando adquire a pele de uma humana sedutora, mas ainda sem sentimentos, a protagonista torna-se onipotente, podendo ter o homem que quer, quando quer. Mesmo eventuais vândalos são evitados facilmente. Mas quando desenvolve sentimentos humanos, este ser sucumbe a uma posição passiva, transformando-se em submissa nas cenas românticas, e vítima conformada durante o possível estupro. Toda a força da personagem é perdida a partir do momento em que ela se transforma em humana, e mais especificamente, em uma humana do sexo feminino.

 

Mas qualquer interpretação sobre este filme parece uma mera especulação. As imagens e a trama são tão abertas, tão próximas do aleatório, que praticamente toda a leitura é permitida. Este projeto voluntariamente estranho merece ser visto pela experiência singular que representa, mas infelizmente deve fracassar no circuito comercial, por ser atípico demais, e também no circuito de arte, pela temática trash. Sob a Pele é um filme feito para nicho nenhum, uma obra desabusada, e nesse aspecto encontra a sua força e a sua limitação. Fica a sensação de que Sob a Pele possa ser uma obra-prima, ou talvez a pior bobagem do ano. Mas nada entre os dois. 

Quer ver mais críticas?
  • As últimas críticas do AdoroCinema

Comentários

  • Vinicius A.

    Está junto com Ela entre os melhores filmes que vi este ano. Trilha sonora e estética comparável a Kubrick. Obra-prima.

  • Eduardo d.

    Scarlett se arrisca em um projeto independente. Sua interpretação lacônica e as locações na Escócia servem à linguagem puramente visual do diretor - sim, mais uma semelhança com o Kubrick de "2001", e com o mais recente As Quatro Voltas". Quem esperava um filme ortodoxo, simplesmente usando a beleza da atriz para atrair as plateias, se deu mal. Não entendeu, ou não quis entender a proposta do filme. Grande candidato a cult, como destacou Marcos Baracca.

  • ymara R.

    foi isso mesmo que pensei lendo todas as criticas...alias.. a bienal ta cheia de obras lixosas feitas por gente que aposta em gente que compre.

  • ymara R.

    me convenceram.. tenho outras coisas melhores pra ver.. passo!

  • Leo C.

    Obra Prima, simplesmente um show de criatividade, principalmente diante da lista totalmente lixo dos mais esperados aqui na tela superior direita do adoro cinema.

  • Edna M.

    Só pela trilha ele me lembrou algo, no decorrer então descobrir o que: Kubrick, tem um tempo já que assistir a laranja mecanica. Um filme complexo, más que prendeu minha atenção, tem umas imagens bucólicas da Escorcia, amei.

  • Fabio d.

    infelizmente provou que não

  • Jean W.

    Uma bosta! E o foda é ver pseudo intelectuais metidos a besta falando que viram alguma grandiosidade nesse filme...

  • Dudu C.

    O filme é uma porcaria!

  • Dudu C.

    QUE CRÍTICA HORRÍVEL, O FILME É UMA BOSTA, LIXO!!!
    PIOR FILME QUE JÁ VI NA VIDA
    PERDI PARTE DO TEMPO DE MINHA VIDA
    VENDO ESSA PORCARIA. MEUS AMIGOS DORMIRAM
    NA METADE DO FILME DE TÃO CHATO QUE TAVA!
    NÃO ASSISTAM ISSO, VÃO BEBER, TRANSAR,
    PASSEAR COM O CACHORRO MAS NÃO PERCAM TEMPO
    VENDO ESTA BOSTA E NEM RECOMENDEM PRAS PESSOAS!!!

    Preferia ter ido ver o filme do Pelé

  • Suziane C.

    Mais um filme medíocre deste, essa atriz corre o risco de acabar com a carreira dela! Não recomendaria nem para um inimigo, se tivesse algum.
    Aproveitando a questão da pele, ou seja , o que ela esconde, recomendo o filme "A pelo que habito" do diretor Pedro Almodóvar. Não tem a nudez da bela Scarlett Johansson, mas tem o talento de Antonio Bandeiras! Vale a pena conferir!

  • Suziane C.

    Ops! erro de digitação. O filme é: A pele que habito

  • Gnoma

    Geralmente as críticas ruins a esse filme são de pessoas que não tem nem um pouco de sensibilidade e percepção de mundo. Filmes alternativos ou Indie tudo que envolva esses temas não entendidos por todo mundo são totalmente atacados por críticas nada relevantes!

Mostrar comentários
Back to Top