Meu AdoroCinema
Animais Unidos Jamais Serão Vencidos
Críticas AdoroCinema
2,5
Regular
Animais Unidos Jamais Serão Vencidos

REVOLUÇÃO DOS BICHOS

por Roberto Cunha

Certas histórias não envelhecem nunca e outras até nem tão antigas assim parecem ter o mesmo destino. Inspirado na fábula infantil "A Conferência dos Animais” (1949), do alemão Erich Kästner e com alguns ecos do clássico “A Revolução dos Bichos” (1945), do inglês George Orwell, essa animação tem em seu título brasileiro uma síntese de sua história multi-animal.

Protagonizado pela bicharada (bem humanizada) que vem sofrendo com as mudanças climáticas, o que se vê nas salas escuras é uma nova versão da já surrada luta contra o maior dos predadores: o homem. Na trama, animais de lugares distantes, como Austrália e até do Pólo Norte, por exemplo, sofrem com a interferência da humanidade na mãe natureza. Até que um suricato inquieto acaba descobrindo que um super hotel é o responsável pela grande seca que ele e seus amigos vêm enfrentando na África. Disposto a realizar mudanças e querendo tomar as rédeas da situação, eles se rebelam contra tal atitude e vão à luta.

Dirigido e produzido pelo alemão Reinhard Klooss (Tô de Férias), o longa é a primeira animação de aventura em 3D realizado na Europa. Com traços mais infantilizados e menos realistas (mas não menos competentes) que outros concorrentes do segmento, o recado sobre “o ladrão que rouba o que quer “, como disse a experiente tartaruga de Galápagos, tem todos os ingredientes para encantar os pequeninos, mas pode deixar a desejar para os adultos (mal) acostumados aos filmes da Pixar, por exemplo.

Apesar de uma trilha de clássicos com uma roupagem pop, como “King of the Road", "Hokey Pokey" e "Splish Splash, sob a batuta de Randy Newman, ganhador do Oscar 2011 por Toy Story 3, faltou aquele toque especial para fazer desta aventura uma obra singular. Entre os detalhes que não contribuem para um resultado plenamente satisfatório, principalmente para os grandinhos, a total sensação de já ter visto quase tudo em outras aventuras é o que mais incomoda, deixando evidente a falta do frescor da novidade.

Os exemplos são muitos e não é preciso ser cinéfilo de carteirinha para reconhecer vestígios de O Rei Leão, A Era do Gelo, O Bicho Vai Pegar e até um famigerado Taz copiado da Warner. O diabo da Tasmânia está presente com a mesma dificuldade de se comunicar, fazendo uso de arrotos e flatulências para provocar risos. Está tudo ali, desde bichos que cantam e dançam em coreografias selvagens até passagens mais escancaradas, como a fixação por uma lata de bebida e um grande sufoco para mantê-la nas mãos. Ou seja, qualquer semelhança com o esquilo dente de sabre Scrat não terá sido mera coincidência.

Ainda assim, dá para se divertir com as sequências entre os chefes dos búfalos e rinocerontes ou até se encantar com a fofura do casal de tartarugas, além das peripécias de Billy, o tal suricato sonhador. Portanto, elimine expectativas de assistir uma animação impactante e contente-se em ver mais uma crítica à sociedade moderna através dessa verdadeira e bem humorada revolução dos bichos.

Veja imagens, curiosidades e assista o trailer em Animais Unidos Jamais Serão Vencidos.

Quer ver mais críticas?
  • As últimas críticas do AdoroCinema

Comentários

Mostrar comentários
Back to Top