Meu AdoroCinema
2012
Sessões Trailers em destaque Créditos Críticas dos usuários Críticas da imprensa Críticas do AdoroCinema Fotos
Filmes Online Curiosidades Bilheterias Filmes similares Notícias
Críticas AdoroCinema
4,0 Muito bom
2012

A ARCA DE EMMERICH

por Roberto Cunha

Houve um tempo em que Hollywood foi fundo no cinema catástrofe. Reflexos da guerra quente, da guerra fria ou qualquer outro trauma, o fato é que assim como os japoneses se especializaram em criar monstros que destruíam suas cidades, os americanos investiram muito no filão da desgraça. O tempo passou e de uns anos para cá o cineasta Roland Emmerich parece ter resolvido resgatar este nicho com filmes como Independence Day, Godzilla (olha os japas aí) e O Dia Depois de Amanhã. Além destes, outros vieram como Impacto Profundo, Armageddon, O Núcleo - Missão ao Centro da Terra etc. A diferença é que agora o inimigo não é este ou aquele, nem isto ou aquilo. É o próprio homem e o progresso desenfreado.

E 2012 começa em 2008 com um clima de tensão envolvendo o governo americano (sempre ele) e outras potências numa conversa misteriosa sobre o futuro do planeta. A história é protagonizada por um escritor (John Cusack), motorista de limusine separado da esposa (Amanda Peet), que se esforça para manter o contato com os filhos. O roteiro foi perfeito no sentido de não deixar escapar nada que pudesse contribuir para o filme ter todos os elementos necessários para o sucesso. Então você vai encontrar crianças em perigo, o bom e o mal e, claro, um cachorro. E apesar do tema drástico, o humor está presente com piadinhas no texto e nas imagens.

O longa é longo (158 min) e tem uma avalanche de simbolismos e citações. Desde teorias conspiratórias envolvendo a princesa Diana, Marilyn Monroe e o Caso Roswell, até o porta-aviões John Kennedy desabando por cima da Casa Branca. É também uma grande homenagem ao gênero, juntando clássicos como O Destino de Poseidon, Terremoto, Inferno na Torre, Aeroporto, não deixando – literalmente – pedra sobre pedra. Além dos eternos mapas, presenças certa nas aventuras de sobrevivência e superação, caso típico desta produção, chega a ser cômico ver o personagem de Cusack bancando Steve Austin ("Homem de Seis Milhões de Dólares"). Contudo, todavia, porém, não obstante, a mais importante de todas as citações é a Bíblia que aparece no nome de batismo do transatlântico Genesis.

Aliás, uma decepção foi a cena do Cristo Redentor, rápida e com pouca definição por ser fruto de uma imagem de televisão, que rende um tremendo merchandising visual e auditivo do canal de notícias da rede do plinplin. A Vaio também aparece e, falando em propaganda, as operadoras de celular precisam aprender com Emmerich como manter os usuários falando mesmo em tempos de crise. É impressionante como o sinal é perfeito. Até imagem eles ainda conseguem exibir, com o planeta sendo destruído?!? A parte do satélite a gente entende, mas e as antenas? Não caem? Brincadeiras a parte, o destaque vai para os efeitos especiais de primeira qualidade. As seqüências iniciais são elevadas a última potência do exagero, mas são de tirar o fôlego. O humor com a rosquinha (donuts) gigante foi uma grande sacada. E a certeza de que eles (Cusack e família) são "os escolhidos" vem com a cena em que um casal de idosos vira crash-test-dumies ao bater contra uma parede de asfalto. Pobres velhinhos.

Entre as mensagens do filme, além da questão ambiental e a continuidade das espécies, desperta atenção o fato de associarem a sobrevivência ao pagamento de uma polpuda taxa de embarque, citando Rupert Murdoch e Bill Gates como pessoas mais importantes do que outras. E causou espécie o "elogio" ao polêmico primeiro ministro italiano, afirmando que ele preferiu ficar com seu povo, enquanto o roteiro detona as declarações de políticos americanos, colocando o governador da Califórnia mentindo na TV com direito a sotaque de “Arnie Governator”.  Entre as muitas curiosidades, o número de batismo "4" no equipamento dos americanos deve ser alusivo ao Dia da Independência. E você vai saber que equipamento é este só quando assistir. 2012 é um programa para muitos e, definitivamente, não é ‘o fim do mundo’ em termos de cinema, valendo cada centavo do ingresso. Agora, se vai ser um sucesso de bilheteria, só o calendário dirá. Divirta-se!

Quer ver mais críticas?
  • As últimas críticas do AdoroCinema