Meu AdoroCinema
2012
Sessões Vídeos Créditos Críticas dos usuários Críticas da imprensa Críticas do AdoroCinema Fotos
Filmes Online Curiosidades Bilheterias Filmes similares Notícias
Críticas AdoroCinema
3,5 Bom
2012

Cataclisma Mundial

por Francisco Russo

Os filmes catástrofe começaram a fazer sucesso nos anos 70, seguindo a fórmula de um elenco estelar para ofuscar os na época limitados efeitos especiais. Assim foi Terremoto, Aeroporto, Inferno na Torre e outros tantos. Nos anos 90 eles ressurgiram, sob nova fórmula: efeitos maravilhosos, onde praticamente tudo era possível, e um elenco nem tão conhecido assim. O que contrabalançou o orçamento, já que salários astronômicos deixaram de ser pagos em detrimento de um maior gasto com a parte técnica. Neste período, um diretor em especial se destacou: Roland Emmerich. Mas pode chamá-lo de "sr. destruição".

Dos seis últimos filmes por ele dirigidos, apenas um não trazia como mote a destruição do mundo, ou de parte dele: O Patriota. De Independence Day a 10.000 A.C., seu trabalho sempre foi mais voltado às cenas de ação do que propriamente ao desenvolvimento de uma história. 2012 não é diferente. Como cinema pipoca, funciona bem. Os efeitos especiais são espetaculares, com impacto ainda maior em uma sala de cinema. É filme para ver em tela grande e som potente, sem sombra de dúvidas. O problema é o que fazer entre as diversas cenas de ação.

Há muito de O Dia Depois de Amanhã em 2012, a começar pela mola mestra da trama: um cataclisma inevitável, que faz com que a humanidade tenha que se virar para sobreviver. Se antes o culpado era o clima, agora é uma conjunção astral que faz com que explosões solares desestabilizem a crosta da Terra. Complicado? Nem tanto. Não há a menor intenção em justificar o ocorrido, o simples ato é suficiente. O prenúncio vindo do calendário maia é apenas mencionado, também sem grande desenvolvimento. A grande verdade é que tudo não passa de desculpa para que Emmerich possa fazer o que sabe melhor: destruir tudo. E desta vez em escala global, com monumentos e locais nunca antes demolidos pelo diretor. Entre eles, o Rio de Janeiro e seu ícone maior, o Cristo Redentor.

A semelhança também vem com o fato de que, assim como O Dia Depois de Amanhã, não há aqui um inimigo visível e que possa ser combatido. A inevitabilidade faz com que reste à humanidade apenas uma saída: buscar, a todo custo, sobreviver. Neste sentido, há aspectos interessantes na trama, em especial a influência do lado capitalista no plano de fuga traçado. Nem tanto por sua existência, mas pela forma realista como é apresentada. O contraste com ideais nobres e humanitários, apesar de previsível, merece atenção.

Só que, em meio a tantos prédios desabando, ondas gigantes e crateras abertas no solo, há uma série de situações e diálogos que beiram o ridículo. Cenas constrangedoras, como a da salvação do cachorro, que fazem com que se torça para que a próxima cena de ação venha logo. Não pela expectativa do que vem a seguir, mas para que o espectador seja poupado de momentos lacrimosos ou exagerados, onde os clichês predominam. É este desnível que prejudica 2012. Se por um lado há a excelência no apuro técnico, há também o descaso com o roteiro.

Apesar disto, está longe de se aproximar dos piores casos apresentados por Emmerich. Mantendo sua tradição de alemão que exalta o patriotismo americano, estão lá a nobreza do presidente e a valorização dos Estados Unidos na nave de fuga - é a única bandeira pintada no casco, preste atenção. Já os personagens, bem, eles não são tão importantes assim. Há o pai que consegue reunir a família em meio à catástrofe, o cientista preocupado com o bem da humanidade, aquele que acredita em teorias conspiratórias constatando a veracidade das informações que obteve, o empresário egoísta, a namorada descartável e interesseira... nada de propriamente novo. Mas este também não é o objetivo. 2012 segue à risca a fórmula dos filmes catástrofe, explorando - e bem - seus efeitos especiais. Para o que se propõe, é o suficiente.

Quer ver mais críticas?
  • As últimas críticas do AdoroCinema

Comentários

  • Leo290385

    Vi muito alarde em cima desse filme e resolvi assistir, contudo o que encontrei foi um bom filme, nada mais que isso.

    O tema é interessante e original. As cenas tem efeitos especiais muito legais, mas não dá para deixar de dizer que são quase 3 horas de terremotos, tsunamis, mortes e pânico. Por causa disso considerei o filme extremamente repetitivo e sem grandes surpresas (algo que enfraquece a nota). É o filme inteiro gente fugindo para entrar numa arca e depois para ver se ela aguenta o tranco... Sem contar a família de "zé-ninguém" que consegue escapar... bastante forçado (poderiam tirá-los da trama que não fariam muita falta)!

    Não que eu ache o filme ruim ou fraco, mas certamente não me parece um grande "clássico" do cinema!

    OBS: Até parece que em meio a toda a destruição apresentada no filme alguém ia querer abrir a arca por causa dum apelo emotivo para salvar um grupo de pessoas que ia morrer (principalmente porque já tinha morrido uns 95% do população mundial. O que seria para eles umas centenas a mais, sendo que já tinham abandonado todo o resto do planeta?). Apenas um apelo sentimental para comover o público e aumentar a nota do filme. Só em filme mesmo...

  • Andr? M.

    Vale a pena ver so pelos efeitos especiais e as cenas de ação.

  • Bruno J.

    Filme Fodástico , Efeitos Especiais Impressionantes na resolução 1080p, pra mim um dos melhores de 2009, prende a atenção até o fim.

  • Rogerio S.

    Baixei esse filme achando que eu iria assistir algo totalmente clichê e puramente comercial, e eu terminei assistindo uma obra prima. Genial.

  • Gabriel P.

    esse filme foi sensacional além da historia os efeitos foram fantásticos ,começa com um solo sendo derrapado por um supermercado passou 2009,2010,2011 e chegou a 2012 quando sérios problemas vão se espalhando no núcleo e nas placas tectônicas,como os cientistas divugam quando ocorre sérios problemas no centro da terra provoca tsunamis furacões,vulcões e terremotos isso faz com que a terra entre em um apocalipse e o humano que se salve

  • tiago R.

    sensacional

  • Roberto Carlos M.

    assisti no domingo maior na tv globo, muito bom, história bem produzida, atuações bem convincentes, cenas de ação e efeitos visuais bem legais, dublagem nota dez.

  • Senhor Ivan!

    Eu mexia a cabeça não acreditando ser possível ver o que estava assistindo: girafas e elefantes pendurados sob as naves e voando nas montanhas nevadas para entrar na arca que quem-sabe-quando-alguém-fez-de-alguma-forma. Quando o protagonista escapa 9.999 vezes ileso de tamanhas tolices vc pensa “é possível que Hollywood ainda pense em fazer Mundos em Colisão?” O filme não é filme senão um videogame de efeitos especiais aceitando que 99% dos que assistem são retardados mentais. O pior é que o diretor alemão disse que os filmes que o inspiraram são Inferno na Torre, Aventura do Poseidon, etc, filmes de catástrofe onde os protagonistas realmente sofrem ou morrem e não há espaço para fugas tão irreais.Ainda traz as falhas atuações fim de mundo de John Cusack,Amanda Peet e do presidente Danny Glover.

  • Henrique Klein

    Eu não sei, eu gostei do filme, mas agora que ficou 100% claro que o mundo não vai acabar tão cedo (já não acreditava que o mundo acabaria em 2012 mesmo), fica difícil de ter uma opinião concreta. Bom filme, porém destruições muita desnecessárias ao ver agora, não?.

  • Fernando H.

    Efeitos especiais legais, mas o filme é de um exagero que chega ao ridículo.

Mostrar comentários