Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Dúvida
    Média
    4,2
    405 notas e 60 críticas
    distribuição de 60 críticas por nota
    19 críticas
    19 críticas
    18 críticas
    4 críticas
    0 crítica
    0 crítica
    Você assistiu Dúvida ?

    60 críticas do leitor

    Estevan Magno
    Estevan Magno

    Segui-los 3470 seguidores Ler as 490 críticas deles

    4,0
    Enviada em 27 de dezembro de 2013
    Um filme com atuações históricas, os OSCAR deveria ser entregue a Meryl Streep (melhor atriz), Philip Seymour (melhor ator) e Amy Adams (melhor atriz coadjuvante). Um dos melhores filme do ano! E a dúvida percorre o filme inteiro.. excelente !!!
    anônimo
    Um visitante
    3,5
    Enviada em 11 de fevereiro de 2015
    Dúvida é um filme,para,nos deixar realmente em dúvida.O que acontece entre os personagens do filme,é algo que não fica claro ao longo da trama.Fazendo de quem assiste ter raiva de um ou outro personagem,que não seja realmente culpado.Apesar de ser passada inteiramente dentro de uma escola cristã,Dúvida tem seus momentos de grandes acontecimentos mundanos.Os três personagens é que dão força ao filme.Tem momentos,que o roteiro parece que se desgasta automaticamente,deixando a responsabilidade apenas para Meryl Streep,Amy Adams e Philip Seymour Hoffman.Mais as atuações garantem os bons momentos do filme,principalmente entre Streep e Hoffman.
    Joe Alvez E
    Joe Alvez E

    Segui-los 9 seguidores Ler as 24 críticas deles

    4,5
    Enviada em 5 de setembro de 2015
    Meryl Streep interpreta a irmã Aloysius Beauvier a madre superiora de uma comunidade católica no Bronx em 1964, ela é conservadora e todo seu conceitos religiosos estão baseados em convenções, alias a atuação dela aqui é excepcional, redundante falar da Meryl claro. Toda a premissa do filme gira em torno de um possível caso de pedofilia entre o padre Flynn aqui interpretado pelo brilhante Philip Seymour Hoffman( alias uma interpretação muito sincera e cheia de pequenos detalhes) e um aluno negro da escola St. Nicholas, todos os conflitos aqui são mostrados ao espectador através dos diálogos que são muito bem construídos e interpretados. O diretor John Patrick Shanley opta aqui por uma direção linear e cheias de simbolismos e metalinguagens é uma direção que a primeira vista não é grande coisa mas um olhar mais atento pode perceber a beleza das imagens em vários momentos do filme. Um destaque do filme é sem duvidas a da atriz Viola Davis que faz a Mrs. Miller os poucos minutos em que ela aparece ela simplesmente rouba a cena fazendo o papel de uma mãe dividida, muito das surpresas da trama se da através do dialogo entre ela e a Meryl Streep. A duvida é um filme que escolhe ser lento e com acumulo de tensão mas é cheio de simbolismos e diálogos excelentes e bem construidos. é um filme sobre religiosidade, sobre culpa e sobre a duvida e sobretudo sobre conservadorismo vs progressismo.
    Luiz C.
    Luiz C.

    Segui-los 44 seguidores Ler as 48 críticas deles

    5,0
    Enviada em 6 de dezembro de 2020
    "Dúvida" (2008) nos mostra o embate entre uma freira ultraconservadora, que dirige um colégio religioso de Nova Iorque em 1964, e um padre progressista. O duelo entre ambos já estava posto desde sempre pois, desde o início, fica claro que a freira já tinha restrições ao padre, baseando-se apenas na sua intuição, que apontava a ela que o padre era homossexual. Os "motivos" que levam a freira, diretora da escola, a primeiro "desconfiar" do padre e depois, sem qualquer "prova", formar a sua convicção de que ele não apenas é homossexual, mas também pedófilo, são muito subjetivos, como por exemplo o fato dele usar as unhas um pouco mais compridas que o usual e o fato dela tê-lo visto, pela janela, segurando o pulso de um dos alunos. A pretexto de "proteger" o primeiro aluno negro da escola, o qual, nas suas fantasias, estaria sendo assediado pelo padre, a freira acaba expondo todo o seu preconceito, homofobia e racismo, ao afirmar, por exemplo, que "esta paróquia serve a irlandeses e italianos, é inevitável que ele tenha problemas." Como toda "pessoa de bem" que se preza, a diretora acredita que "os fins justificam os meios", sendo que acaba até mesmo constrangendo a mãe do aluno negro e mentindo (mesmo sendo uma freira!) no sentido de juntar "provas" para intimidar o padre. Como um joguete, na batalha entre a freira diretora e o padre, e as suas respectivas visões de mundo, igreja e educação, está a Irmã James, uma freira jovem e idealista, que leciona para o oitavo ano. Ela se deixa inicialmente contaminar pelas fantasias da diretora (interpretada brilhantemente por Meryl Streep), spoiler: contribuindo involuntariamente para a vitória desta em relação ao padre, que acaba tendo de pedir transferência para outra paróquia. Memorável o diálogo entre a diretora e a mãe do aluno, interpretada por Viola Davis, onde a mãe do aluno acaba por admitir, entre lágrimas, que o filho "tem esta orientação" e que este é o real motivo do pai não gostar dele e espancá-lo. Admite também que, devido à sua orientação sexual, o menino foi jurado de morte na escola pública, sendo este o motivo de estar estudando na escola religiosa. A mãe fecha brilhantemente o diálogo ao afirmar, entre lágrimas, que "não sabe se ela e a diretora estão do mesmo lado. Que o seu lado é o lado de seu filho. Que ela está a favor do seu filho e daqueles que o protegem, o inspiram e fazem bem a ele (o padre)." spoiler: Infelizmente, dada a época dos acontecimentos, mesmo ano do golpe militar no Brasil, é evidente que o padre não iria ganhar a batalha. A saída honrosa dada a ele foi uma "promoção", por parte de seus superiores, que o transferiram para uma paróquia mais destacada, que também mantém uma boa escola. Triste e lamentável este filme. Triste e lamentável porque muito ancorado na realidade. Todos os educadores deveriam assistir.
    Vinipassos
    Vinipassos

    Segui-los 153 seguidores Ler as 178 críticas deles

    5,0
    Enviada em 5 de abril de 2014
    Ótimo filme, atuações incríveis, Meryl Streep e Philip Syemour incríveis, uma pena pela sua morte, o caara tem talento e carisma incomparáveis. Além da dúvida que o filme propõe, que é muito intrigante, tbm revela certa dúvida da Irmã Beauvier em relação a própria Igreja.
    Júnior S.
    Júnior S.

    Segui-los 739 seguidores Ler as 269 críticas deles

    5,0
    Enviada em 10 de abril de 2013
    Se tem alguma dúvida maior do que a apresentada neste filme sensacional, é o porque deste filme não ter ganho o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante e Melhor Roteiro Adaptado! Embora acredite que Streep e Hoffman estejam fodas, seus concorrentes estavam um milésimo superiores, mas dentre os atores quem com certeza merecia o premio era sem dúvidas Amy Adams, a sempre excelente atriz faz uma coisa pouco vista no cinema: Transpor completamente as emoções da personagem ao espectador, e isso já é um feito imensurável na carreira de qualquer ator ou atriz. Contando ainda com uma direção super segura e atenta a detalhes técnicos, o diretor não erra em momento algum utilizando longos planos com o objetivo de valorizar ainda mais as excelentes atuações, cenas longas e maravilhosamente construídas. Mas estaria sendo um grande tolo se não falasse do Roteiro Adaptado, que é simplesmente fantástico! Um verdadeiro tiroteio de diálogos inteligentes! Ps: Quê? Viola Davis foi indicada ao Oscar?! Sério, não que ela não faça bem seu papel, mas é que ela simplesmente não tem tempo em cena pra desenvolve-lo, ao contrário dos outros. Enfim, um puta filme!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    João Ricardo D.
    João Ricardo D.

    Segui-los 16 seguidores Ler as 33 críticas deles

    5,0
    Enviada em 18 de julho de 2014
    O filme todo é sobre uma dúvida. Até aí, isso parece bem óbvio. Mas, o óbvio não existe em "Dúvida". Ao decorrer da história, quando a Irmã Aloysius acusa o Padre Flynn de um crime, provavelmente o público acredita no padre, já que o personagem de Philip Seymour Hoffman é gentil, bondoso e carismático, enquanto a personagem de Meryl Streep é cruel, mandona e detestável. Aí, a acusação da Irmã é vista como sem fundamento, principalmente pelo fato de ela não gostar do padre, devido a ele tentar mudar a igreja conservadora, enquanto ela quer continue do modo autoritário. Ao decorrer da história, certas coisas são reveladas sobre o padre, e o final deixa um questionamento. Quem será que está dizendo a verdade? A irmã ou o padre? Nesse meio de campo, tem a Irmã James, interpretada por Amy Adams, que também se encontra em dúvida, sobre ser mais gentil e bondosa como o Padre Flynn, ou ser megera e autoritária como a Irmã Aloysius. Meryl Streep sempre excelente em tudo que faz, e a performance dela fica ainda melhor com as brilhantes performances de Philip Seymour Hoffman e Amy Adams e o trio tem uma química impressionante. Com todos os prós acima, você não vai ficar em dúvida que o filme é formidável.
    ymara R.
    ymara R.

    Segui-los 482 seguidores Ler as 262 críticas deles

    4,5
    Enviada em 26 de junho de 2013
    Filme excelente.. muito bem montado e nada parcial.. interessante como ficamos com duvidas ate o final ... mas a igreja é isso mesmo.. por isto se mantem e sobrevive aos escandalos...
    Fael Moreira
    Fael Moreira

    Segui-los 10 seguidores Ler as 11 críticas deles

    5,0
    Enviada em 22 de abril de 2015
    Trama interessante, inteligente, emoções conflitantes; Streep, Hoffman, Adams e Vaiola Davis dão o seu melhor! Nota:10
    cinetenisverde
    cinetenisverde

    Segui-los 18262 seguidores Ler as 1 122 críticas deles

    5,0
    Enviada em 16 de janeiro de 2017
    Baseado em uma peça de teatro escrita por John Patrick Shanley, que aqui também faz o papel duplo de diretor/roteirista. Conseguindo para os papéis principais Philip Seymour Hoffman como o padre Brendan Flynn, um orador com capacidade ímpar de sugar a atenção de seus fiéis, e Meryl Streep, como a severa irmã Aloysius Beauvier, que zela por regras que parecem ter sido definidas 2000 anos atrás. A história, pode-se arriscar, gira em torno dos dois conceitos que esses personagens representam, que não deveriam, mas parecem opostos na igreja católica: compaixão e tradição.
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema
    Back to Top