Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    O Lobo de Wall Street
    Média
    4,5
    5017 notas e 604 críticas
    distribuição de 604 críticas por nota
    256 críticas
    198 críticas
    84 críticas
    33 críticas
    20 críticas
    13 críticas
    Você assistiu O Lobo de Wall Street ?

    604 críticas do leitor

    Harisson G.
    Harisson G.

    Segui-los 61 seguidores Ler as 40 críticas deles

    5,0
    Enviada em 11 de fevereiro de 2014
    Geralmente quando faço uma crítica costumo detalhar muito o filme, O Lobo de Wall Street, não merece textos enormes, ele é apenas FODA, mas muito FODA mesmo, um ótimo filme, orgias, drogas,crimes e também um excelente roteiro, atuação DiCaprio despensa comentários. O filme é muito bom. Recomendo.
    Estevan Magno
    Estevan Magno

    Segui-los 3419 seguidores Ler as 490 críticas deles

    5,0
    Enviada em 28 de julho de 2014
    Criticar, escrever, falar e , principalmente, assistir a um filme de Martin Scorsese é uma honra e um privilégio. E para aqueles que são fãs da sétima arte, conhecem e sabem o quanto esse diretor é importante; sua carreira começa com filmes dramáticos (Touro Indomável), violentos (Cabo do Medo), e mais tarde vemos o aprimoramento de sua técnica em Os Infiltrados e Ilha do Medo, e quando pensávamos que a cota de criatividade e brilhantismo está preenchida ele nos apresenta Hugo Cabret (história do cinema, contada de uma forma fantástica); e depois de tantos elogios e congratulações...punt... O Lobo de Wall Street. Os crimes do colarinho branco, famosos em Wall Street, como já vimos Michael Douglas, agora vemos Leonardo DiCaprio na pele de um corretor tetando a vida no mercado de ações, com a crise economica em 2008, todos se desesperam e perdem o emprego; mas para Jordan Belfort (DiCaprio) foi o início do sucesso financeiro, juntamente com Donnie (Jonah Hill) eles abrem uma corretora nada convencional, ganhando dinheiro ilegal, a corretora aumenta, os funcionário multiplicam e o dinheiro triplica. E o grande trunfo do filme é mostrar como o dinheiro no mundo dos negócio pode ser viciante e estimulante; o clima de sexo e drogas é a base da película, mas não assuste, é tudo planejado e encabeçado pelo gênio citado no início desta crítica. A atmosfera é pesada e é feita para você, espectador, se sentir um Lobo de Wall Street; e no ritmo de comédia o filme roda e nos revela o que o dinheiro pode comprar e destruir, num piscar de cenas. E é claro que não posso deixar passar as merecidas indicações ao Oscar, Golden Globe, SAG, etc... merecidas, de Scorsese, Jonah Hill e Leo Dicaprio; o elenco é realmente estupendo, excelente, atuações memoráveis, não é risco algum dizer que esta foi a melhor atuação de Jonah Hill até aqui, como um grande corretor, pilantra e amigo de Jordan (cenas hilárias protagonizadas por Hill e DiCaprio); e também não tenho medo de repetir a dose quando me refiro a Dicaprio, melhor atuação do ator, não só com Scorsese, mas de sua brilhante carreira até o momento. Assista e se encante, ou não, com as loucuras geniais dessas 3 horas de filme, um aviso, você sairá da poltrona se sentindo um verdeiro Lobo do mundo dos negócios.
    anônimo
    Um visitante
    4,0
    Enviada em 20 de julho de 2019
    Martin Scorsese e Leonardo DiCaprio surpreendendo todo mundo com um filme totalmente inusitado e divertido! Uma putaria maravilhosa, tem de tudo : Drogas, palavrões, sexo, trama policial, intrigas por dinheiro, drama familiar, lições de vida...Enfim, um pacote completo de entretenimento adulto da melhor espécie. Nas atuações coadjuvantes, vale mencionar Jonah Hill, insanamente hilário, e, claro, Margot Robbie, que rouba várias cenas dando tudo de si(com o perdão do trocadilho, rs). Roteiro dinâmico e bem arrojado, só peca pela auto referência por vezes excessiva aos trabalhos anteriores do diretor, fazendo o longa soar quase como uma paródia de si mesmo às vezes. A edição também é primorosa, como já é característico dos filmes de Scorsese, porém a duração do longa vai um pouco além do que deveria. Enfim, Wolf of Wall Street é um filme falho, mas ainda sim seus superlativos são muitos. Uma ótima diversão! NOTA : 8.5 / 10
    Antony
    Antony

    Segui-los 35 seguidores Ler as 7 críticas deles

    5,0
    Enviada em 5 de junho de 2014
    Fabuloso, cheio de energia, uma obra-prima mesmo!! Parabens Mr Martin!
    Rodrigo M.
    Rodrigo M.

    Segui-los 14 seguidores Ler as 14 críticas deles

    5,0
    Enviada em 3 de março de 2014
    Martin Scorsese é um gênio. Essa afirmação é uma verdade absoluta. Mais do que isso, é corajoso. Ele mudou totalmente seu estilo mais uma vez, depois de fazer um filme que seus filhos pudessem ver (A Invenção de Hugo Cabret), ele fez um filme cheio de drogas, sexo e palavrões. Entretanto, se você pensa que o filme é simplesmente isso, esqueça. A essência do filme por trás é algo inacreditável. Comédia, explosões do personagem, o surreal cheio de emoção e carga dramática fazem um filme extraordinário. A história contada de forma impactante, de forma radical, que te prende por 3 horas tranquilamente. Acerto em cheio na escolha do Jonah Hill, trazendo o humor grotesco dele com o amadurecimento do Di Caprio como um ator completo. Uma história que tinha tudo para ser chato, mas com o trio (Scorsesse, Di Caprio e Jonah Hill) se torna uma obra prima!
    Phelipe V.
    Phelipe V.

    Segui-los 337 seguidores Ler as 204 críticas deles

    5,0
    Enviada em 18 de janeiro de 2014
    Em certo ponto de “O Lobo de Wall Street”, seu protagonista, o incansável Jordan Belfort fala algo como “nós somos depravados mesmo”. Outra frase não poderia resumir tão bem a tônica do novo filme de Martin Scorsese, onde os excessos se fazem presente, e mais: são necessários, imprescindíveis. Talvez por isso o filme seja de uma perspicácia tremenda, desde o código humorístico contido no título até à montagem frenética, que parece nunca parar, nem por um minuto sequer. E mesmo quando para, dá a impressão de poder surpreender o telespectador com um grito ou um susto a qualquer momento. Scorsese tem muitos méritos no êxito do filme, ainda mais vindo do primeiro filme infantil de sua carreira praquele que talvez seja o seu mais subversivo, mas, o grande destaque mesmo é o roteiro inteligentíssimo de Terence Winter. Subvertendo em diversas maneiras a trajetória de seu protagonista, há pouquíssima ou nenhuma menção para aliviar a barra de Belfort, uma vez que tudo em torno dele está lá pra assumir o quão desprezível ele realmente é. Leonardo DiCaprio consegue atingir exatamente tudo o que lhe é exigido e é o auge de sua interpretação na parceria com Scorsese. Ele além de desprezível, é nojento, grotesco, mas, mesmo assim, é muito fácil entender o fascínio motivacional que causa em todos ao seu redor. Milagrosamente sem mortes, as 3h de “O Lobo...” podem ser repetitivas, de certa forma, mas não há um momento sequer obsoleto. O filme é excesso, e a duração excessiva faz parte da intenção final para que seja possível entrar naquele delírio todo. A montagem é um declarado caos. Mas não saberia definir até que ponto essa maneira caótica de encadear as cenas é proposital (até porque há erros de continuidade no filme), mas, por mais apressada que ela possa parecer, e mais calma quando não há necessidade (e é), nunca prejudica o filme propriamente dito, porque, é até possível dizer, sua edição é uma dos grandes motivos para as imersões nessa loucura mostrada aqui. Quando os coadjuvantes se fazem essenciais, um ou outro acaba se destacando. O fato é que a interpretação de Jonah Hill aqui é simplesmente a melhor de sua carreira até agora. Sempre achei um certo surto coletivo seu sucesso com “Moneyball”, há alguns anos atrás, mas aqui ele se justifica como um ótimo ator. Impagável, cria algo que é praticamente um sidekick de Jordan Belfort, mas que é essencial na trajetória do personagem. E já que estamos falando dos personagens que gravitam em torno do ponto central, o que é a participação de Matthew McConaughey? Definitivamente, pequena demais, faz querer muito mais daquele personagem. Moralmente repreensível, subversivamente imprevisível e muito, muito divertido, o novo filme do Scorsese respira perversão e sexo como nenhum outro feito nessa década. E não digo no sentido explícito da coisa, mas em seu uso dentro da narrativa. Das cenas iniciais até o seu close final, é tudo sobre sexo, poder e drogas. Vale lembrar que é uma história real, baseada em pessoas que realmente existiram, mas sabe-se lá até que ponto o exagero é realmente um exagero no filme. Muito provavelmente, DiCaprio, quando o chama de um “Calígula” dos tempos atuais, esteja sendo bem mais certeiro do que prevíamos. O que fica, ao final, é uma obra-prima instantânea, que sem dúvida alguma, mesmo que não seja lá muito compreendido agora, entrará ao lado de vários outros filmes de seu diretor – um cara que entende tudo de Cinema - no hall de suas grandes obras. Tem poder de sobra pra reverberar pelos próximos anos.
    Larissa W.
    Larissa W.

    Segui-los 23 seguidores Ler as 7 críticas deles

    3,0
    Enviada em 27 de janeiro de 2014
    filme longo demais! cansei de ver tantas orgias e drogas... mas é bom, consegue atingir seu objetivo de ser politicamente incorreto. não me provocou, tampouco chocou. hahah
    Maxwell G.
    Maxwell G.

    Segui-los 6 seguidores Ler a crítica deles

    1,5
    Enviada em 2 de fevereiro de 2014
    Filme Fraco, uma biografia de drogas, traição e putaria e muito palavrão. Quase um filme brasileiro de 1980. Uma merda...tempo perdido! spoiler:
    Demetrius W
    Demetrius W

    Segui-los 28 seguidores Ler as 18 críticas deles

    2,5
    Enviada em 11 de fevereiro de 2014
    Orgias, malandragem, linguagem obscena, palavrões em excesso e uso indiscriminado de drogas são os ingredientes que o personagem principal e seus amigos utilizam para apresentarem uma imagem negativa e distorcida do mercado financeiro.
    AntonioBitt
    AntonioBitt

    Segui-los 3 seguidores Ler as 11 críticas deles

    2,5
    Enviada em 15 de fevereiro de 2014
    Sabe aqueles filmes que têm tudo para serem ótimos? Pois é, esse tem, mas peca pelo excesso se tornando um filme chato.
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema
    Back to Top